sexta-feira, 29 de março de 2013

Como se forma um ladrão

A maioria poderá pensar que a criminalidade,  tem uma relação direta com a miserabilidade, e realmente, a miséria traz um convite ao roubo, sobretudo quando aqueles que não têm, vêem o rico refestelar-se de sua riqueza em grandes restaurantes, hotéis de luxo, clubes da sociedade, usando roupas de grifes famosas, e morando, perdão, residindo e espaçosas mansões de luxo, protegidas por guardas particulares em condomínios fechados.

Mesmo assim, ainda permanece a questão principal sobre o que forma realmente um ladrão?
Estes dias, tive, em família duas notícias de roubo, uma frustrada, outra bem sucedida, se assim pudermos dizer.

A frustrada ocorreu na montagem dos armários da galeria de minha filha, onde o pessoal colocou armários de madeira, para assentar as fotos em diversos tamanhos.

Foi um trabalho extenuante, admirável até. Entretanto, ao final da colocação após os trabalhadores terem concluído, e já estarem no caminhão para retornar, o marido de minha filha, percebeu a falta de sua furadeira elétrica, tão importante para fixar os quadros nas exposições em que participam.

Imediatamente, desceu para encontrar a equipe de montagem, arguindo junto ao coordenador da equipe sobre a "subtração" da parafusadeira, pata tornar esta crônica mais policial, embora de fundamento ético filosófico.

O outro respondeu-lhe que todos os seus funcionários eram de confiança, sendo dois evangélicos. Percebendo uma protuberância que se espalhava por debaixo da camisa de um dos funcionários, ele instou o rapaz a levantar a camisa. Qual não foi a surpresa ao descobrirem todos que ali, debaixo da camisa do trabalhador, estava a parafusadeira.

Imagino como deve ter ficado desagradável a situação naquele momento: um olhando para o outro sem entender porquê?.

O rapaz,  o ladrão, um dos evangélicos, pediu desculpas, e foram embora. Mais tarde o dono da empresa ligou desculpando-se, com várias explicações, mas sem fazer nenhuma reparação material, o que não irá mudar  a imagem de sua empresa, que perderá contratos futuros.

O outro caso de roubo foi em casa. Eu chego do serviço tarde, e de bike. Devido ao fato de sair e voltar quando ainda é noite, preciso de lanternas traseira e dianteira. Pois, neste mesmo dia havia uma festa de crianças em minha vila durante a noite.

Pela manhã, quando fui pegar a bike, notei a falta da lanterna dianteira. Ao voltar procurei aos vizinhos que deram a festa para dar conta do desaparecimento. Pelo que soube, deve ter sido um ou alguns dos garotos da vizinhança. Até agora ninguém se movimentou para achar a lanterna de minha bicicleta.
Conclusão: Falta família por todos os lados.

Não adianta nem fingir-se de crente.

Falta família. Família, família, família. Falta educação familiar, pai, mãe, com as suas orientações cotidianas, para formar gente decente.

Mas com um país onde a família está destroçada, onde Deus não coabita com a família, e sim a TV com todos os convites à transgressão, onde os maus exemplos vêm de cima., a fábrica de ladrões e de bandidos, vai bem obrigado.

Não é escola, não. Porque das escolas também saem bandidos. É de família que estamos falando. E não somos de de nenhuma TFP (Tradição , Família e Propriedade), somos simples mortais, que levam a vida toda para perceber que a família, com Deus, é o esteio de uma nação respeitosa e democrática, com direito a todos.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Síria: Bomba mata seminarista em estrada de Damasco


A comunidade cristã de Damasco ficou chocada com a notícia do falecimento deste jovem seminarista
 27 de Março de 2013 (Zenit.org) - A explosão de uma bomba causou a morte, na passada terça-feira, dia 26, de um seminarista que se preparava para o diaconado permanente na arquidiocese maronita de Damasco. Camil, de 35 anos, é a mais recente vítima da violentíssima guerra civil que está a desfigurar a Síria e que causou já mais de 70 mil mortos, segundo as Nações Unidas. 
A explosão de uma bomba em plena cidade de Damasco, num momento e numa zona onde não se verificavam combates, prova a própria insanidade deste conflito, como se o país se tivesse transformado numa gigantesca roleta russa.
Segundo informação prestada pelo próprio Arcebispo de Damasco, D. Samir Nassar, à Fundação AIS, Camil dava apoio na sacristia e, paralelamente, prestava colaboração no acolhimento e na acção social da paróquia. 
A queda de uma granada, na manhã de terça-feira, quando se dirigia para casa, provocou-lhe a morte, tendo o seu corpo sido colocado na morgue pública de Damasco para ser reconhecido.
A comunidade cristã de Damasco ficou chocada com a notícia do falecimento deste jovem seminarista, conhecido de todos pela sua afabilidade, pela atenção que dispensava aos outros e pela generosidade com que partilhava a sua própria pobreza.
A morte trágica do seminarista Camil na estrada de Damasco, em plena Semana Santa, obriga a olhar para a guerra civil na Síria como um dos palcos no mundo onde os cristãos continuam a ser perseguidos e martirizados pela sua fidelidade à fé em Cristo.
Esta semana, por coincidência, a Via Sacra no Coliseu será orientada por um grupo de jovens libaneses acompanhados pelo seu Bispo, Cardeal Béchara Boutros Raï, em que irão rezar precisamente pelos cristãos perseguidos no mundo.
A guerra civil na Síria, além dos milhares de mortos, também tem provocado a fuga de milhões de pessoas. Neste momento, segundo dados disponibilizados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), haverá em toda a região mais de 1 milhão de refugiados.
O apoio aos deslocados é um dos vértices do trabalho desenvolvido pela Fundação AIS. No ano passado, aFundação AIS distribuiu mais de 500.000 euros para ajuda de emergência nas regiões onde existem conflitos armados, guerras ou crises humanitárias, sendo que o centro de todas as atenções foi, precisamente, a crise na Síria.
(Fonte: AIS)

segunda-feira, 25 de março de 2013

Estação Carlos Chagas, uma vida à espera

Hoje, 25/03/2013, eu e minha esposa estiemos na oftalmologista para fazer a análise periódica de nossa visão. 

Para tanto, decidimos pegar o ônibus às 07:00 H para chegar às oito. 

Qual não foi a nossa surpresa ao perceber que os ônibus, em sua maioria, e para diferentes trajetos, simplesmente não páram na Estação Carlos Chagas, que fica na Avenida Francisco Morato. 

Contamos 6 ônibus de duas linhas que passaram, com os motoristas fazendo o gesto tradicional de que estava cheio.

Como havia acordado de bom humor, tratei do assunto com jocosidade, até dar por mim de que passaria a manhã inteira ali. 

Então adotamos o plano B: ônibus até a estação Butantã, Metrô, baldeação na Palista, outro metrô e finalmente estação Brigadeiro. 

Por incrível que pareça chegamos apenas 30 minutos atrasados.

Tudo é incrível em Sampa.

Sempre trazendo um novo desafio, uma nova alternativa.

Tínhamos duas opções: Permanecer na Estação Carlos Chagas, ou adotar outro plano.

Assim é o Brasil guardadas as proporções:

É uma Estação que pode levar a muitos lugares, mas se deixarmos correr, sem fazer nada, pode levar a lugar nenhum.

Vamos adotar o plano B, que tal?

domingo, 24 de março de 2013

O Ramo da ambiguidade

Como a incerteza, a falta de pensamentos constantes, grassa por este mundo. Àquele que vem como Salvador, logo é o que se condena, tudo com a mesma naturalidade com quem acorda e come.
Ser por ser. Do Alto há uma esperança que permanece apesar do homem. Nesta Semana Santa reflitamos sobre nossa inconstância diante de Deus e dos homens. Que venha o silêncio, a Verdade. Que progridamos sobre nossos erros, e busquemos elevar-nos além dos nossos limites, iluminados pelo Santo Espírito. 

sábado, 23 de março de 2013

Quem?

Quem vai tirar o doente da cama,
Ressuscitar um morto?
Quem vai sair da morte para a vida?
Quem tem o poder de perdoar o pecado?
Quem não tem nenhuma mácula?
Quem abre mão de tudo por mim, por você?
Quem é capaz de morrer por um mendigo?
Quem deixa de comer só para incomodar o corpo?
Quem resiste à tentação?
Quem é capaz de caminhar ao meu lado enquanto ando?
Quem vence todos os desafios  comigo?
Quem, por tudo isto, é execrado
e desacreditado pelas pessoas,
considerado inexistente?
Quem abandona tudo o que está fazendo só para me provocar
em minhas letargias?
Quem me incomoda a todo instante, pelo que faço e não faço?
Quem arruma o meu caminho antes que passe por ele
e faz de conta que não foi Ele?
Quem existe acima, abaixo, dentro, fora, junto em torno, com e por?
Quem não vejo e está junto?
Quem pensa por mim, que não penso
Que me oriente, perdido na vida?
Quem abre a mão de ser um grande dirigente, um Rei
só para sentar-se na calçada
e conversar por horas
com o abandonado?
Quem?
Quem?

Frio da madrugada

Nada como uma dupla sertaneja composta por um brutamonte e outro baixinho cantando esta música que não dá ibope porque fala da vida, e não das aparências da vida. Rio Negro e Solimões para o seu deleite

Quero ser um esquecido

Que os passos não deixem marcas
e as palavras proferidas 
se percam nos vales sem eco. 

Assim desejo a vida...
simples
sem manchetes
nem aparições...

Anônima.

Descobrir-me distante da cena
nos bastidores,
em nenhum dos lados da cortina
do palco
que nunca se abre,
muito menos ler jornal.

As notícias falam
de heróis dos pobres
que praticam a auto-ajuda,
e os que odeiam
por desejarem
o mesmo destino.

Ilusão das ilusões,
com teorias
princípios
ações.

A vida desperdiça-se
em distrações
anestésicas
enquanto a verdade
cala-se 
para a multidão.

Desejo realmente sumir,
um não ser sendo
não crer crendo
missionário desaparecido.

As estruturas são roupas descalças.
que nos removem eternamente
de nossa autonomia,
cobrem o interior.

Entro em um supermercado.

De repente o mundo retorna
com sua realidade assustadora:
trabalho, dinheiro, família.

Não existe escapatória.
nem a cama com seus lençóis 
hão de afastar-me
do fantasma da vida.
tenebroso e mau.

Nem o beijo
retira-me mais
do fedor civilizatório
dos líderes proeminentes,
desafios inócuos,
de um nada 
para outro nada.

Não fosse Deus
e tudo se perderia
num suicídio
sem suicídio.

Mas há Deus
luz que alcança
o cansaço
e refaz a vida
sem sentido.

Por isso continuo
apesar de tudo.
sem a alegria 
semifusa
confusa,
sem a dinâmica
erma
do fazer
sem saber.

Permaneço
em silêncio.

Deixe que gritem os princípios ...
e procurem tesouros perdidos...

Vou reclinar-me
sobre mim
invertebrado
para ver
se sai
alguém 
novo
metamorfoseado.











quinta-feira, 21 de março de 2013

Comercial aparece meu filho ralando-se

É difícil e ao mesmo tempo emocionante participar das experiências de teatro, propagandas, etc. Rafael Fernandes que o diga. 

Choveu a noite toda

Agora cedo cai aquela chuva constante, nem forte nem fraca. E terei de largar o cão e a bike, para pegar um bus mais cedo. Americanizamos, não?

quarta-feira, 20 de março de 2013

São Paulo sem novidades, chama-se trabalho

O paulista mete a cara desde cedo. Morreu fulano é notícia atravessada no meio do serviço.

Não há tempo para nada, e o dia corre com a rapidez da exploração.

O pobre se segura com o que tem, e é pouco, o rico se refestela com seus excessos, o empreendedor não dorme, sonha.

Não há mais espaços, ficaram reduzidos.

Ah, lá se vai minha infância, onde tinha tempo para se fazer barra no galho de alguma árvore no meio do caminho para o colégio.

Engrossar os braços de músculos.

Hoje, isto é piada, diante das inúmeras academias e métodos de musculação e dietas.

Até o pecado ficou impedido neste aluvião de coisas, para o bem da santidade.

O dia amanheceu muito frio, e deu uma pequena aquecida durante o dia, mas manteve-se nublado e com gotículas frequentes.

Eu que pego minha magrela do metrô para casa sei da umidade muito bem.

Em casa, tudo escuro. Sou o primeiro.

Meu cão espera-me com uma angústia de abandonado, e de fato estava.

Hoje o neto é o centro de tudo e os filhotes de buldog francês também, todos lindos.

Acendo uma vela de agradecimento a Deus pelo dia tão bom que tive, e saio com o cão para o seu serviço de higiene, com sacolinhas e tudo, sou civilizado.

Espero anoitecer para fazer uma oração mais internalizada pelas intenções que me trouxeram.

São Paulo está congelando

05:00 h da manhã, e é ainda noite. Acabo de sair com o meu cão como de costume e está muito frio. Nem os ladrões se levantam neste frio, para roubar. O país agradece. Tenho que chegar ao hospital cedo. A meteorologia diz que haverá chuva.  Não vejo possibilidade de chuva agora cedinho, talvez mais tarde. Melhor para mim que vou de bike. No início das pedaladas sente-se frio, mas depois, devido ao exercício constante acaba-se esquentando. Vamos matar o leão do dia e justificarmos ,pelo menos, a existência. É pouco, é preciso provar do sair de si, e colocar-se a serviço dos outros.

terça-feira, 19 de março de 2013

Pequeno agricultor é assassinado a mando do latifúndio

19 DE MARÇO DE 2013 - 12H02 

Altamira


O agricultor Gilzan Teixeira, uma das lideranças do Projeto de Assentamento Brasília, em Castelo de Sonhos, no município de Altamira, foi assassinado na zona urbana do distrito com uma facada no pescoço.



A polícia ainda investiga o caso, mas a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri), a Fundação Viver Produzir e Preservar (FVPP ) e o Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade acreditam que foi morto por causa de conflitos fundiários.

“Gilzan Teixeira Lima foi assassinado, como Brasília e Irmã Dorothy, com requintes de crueldade, visando calar a voz dos que se opõem ao latifúndio na região”, afirma nota de movimentos sociais do Pará publicado pela Comissão Pastoral da Terra – CPT.

Eis a nota na íntegra:

É com indignação e revolta que tomamos conhecimento do assassinato do companheiro Gilzan Teixeira Lima, um dos dirigentes do Projeto de Assentamento Brasília, em Castelo de Sonhos, município de Altamira. Gilzan era esposo da presidente da Associação do Assentamento, IZABEL, que vinha denunciando ameaça de morte contra ela.

O filho do casal sofreu atentado, em 2012, tendo sido baleado. ”Brasília” foi presidente do STTR de Castelo e lutava pelos direitos dos assentados desta área, quando foi brutalmente assassinado, em agosto de 2002. Ninguém foi condenado pelo assassinato de Brasília e nem de outros trabalhadores anônimos que tiveram suas vidas ceifadas na luta pela terra na BR-163.

O movimento social da Transamazônica classifica essa situação fato como resultado de uma política de reforma agrária lenta, ineficiente e, a partir deste fato, altamente preocupante. Nós já havíamos chamado a atenção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, na pessoa do Presidente do INCRA, sobre a ameaça de retomada de conflitos fundiários que culminariam com a perda de lideranças sindicais naquela região.

Nosso grito não foi suficiente para que o Incra efetivasse a sua obrigação na regularização fundiária. Infelizmente, o grito que ecoamos hoje, é um grito de dor pela confirmação das nossas previsões.

Exigimos que o Governo Federal assuma a condução imediata da resolução das causas dos conflitos fundiários e que haja imediatamente, por meio da Polícia Federal, na apuração e punição dos culpados. GILZAN TEIXEIRA LIMA foi assassinado, como Brasília e Irmã Dorothy, com requintes de crueldade, visando calar a voz dos que se opõem ao latifúndio na região.

Altamira-PA, 16 de março de 2013.

FETAGRI- Regional Transamazônica e Xingu
FVPP - Fundação Viver Produzir e Preservar
Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade - Altamira-PA

Fonte: Página do MST


Primeiro Angelus do Papa Francisco


Retirei do Zenit
Deus nunca se cansa de nos perdoar!
ROMA, 17 de Março de 2013 (Zenit.org) - Oferecemos a tradução das palavras do Papa Francisco aos fiéis e peregrinos reunidos neste domingo (17) para o primeiro Angelus do Pontificado, pronunciadas da janela do palácio apostólico, na Praça de São Pedro.
Irmãos e irmãs, bom dia!
Depois do primeiro encontro na quarta-feira passada, hoje posso, novamente, saudar a todos! E estou feliz em fazê-lo no domingo, dia do Senhor! Isso é belo, é importante para nós cristãos: se encontrar no domingo, saudar, conversar, como agora, aqui na praça. Uma praça que, graças aos meios de comunicação, tem o tamanho do mundo.
Neste quinto domingo da Quaresma, o Evangelho nos apresenta a história da mulher adúltera (cf. João 8,1-11), que Jesus salva da morte. Comovente a atitude de Jesus: não ouvimos palavras de desprezo, não ouvimos palavras de condenação, mas apenas palavras de amor, de misericórdia, que convidam à conversão. "Nem eu te condeno: vai, e de agora em diante não peques mais" (v. 11).
Eh! Irmãos e irmãs, a face de Deus é de um pai misericordioso, que sempre tem paciência. Você já pensou na paciência de Deus, a paciência que Ele tem com cada um de nós? Essa é a Sua misericórdia. Sempre tem paciência, paciência conosco, nos entende, espera por nós, não se cansa de nos perdoar se sabemos voltar para ele com um coração contrito. "Grande é a misericórdia do Senhor", diz o Salmo.
Esses dias, eu pude ler um livro de um cardeal - o cardeal Kasper, um teólogo in gamba (atualizado, bem formado), um bom teólogo - sobre a misericórdia. E me fez tão bem aquele livro, mas não pensem que eu estou fazendo publicidade dos livros dos meus cardeais! Não é assim! Mas me fez tão bem, tão bem ... O cardeal Kasper falava de ouvir misericórdia, esta palavra muda tudo. É o melhor que podemos ouvir: mudar o mundo. Um pouco de misericórdia torna o mundo menos frio e mais justo.
Precisamos entender bem essa misericórdia de Deus, esse Pai misericordioso que tem tanta paciência ... recordemos o profeta Isaías, que diz: mesmo se nossos pecados forem vermelho escarlate, o amor de Deus irá torná-los brancos como a neve. É belo, isso da misericórdia! Lembro-me, apenas Bispo, em 1992, chegou a Buenos Aires, Nossa Senhora de Fátima, e fez-se uma grande Missa para os doentes. Eu fui confessar naquela missa. E perto do final da Missa, levantei-me porque tinha que celebrar uma crisma.
Chegou até mim uma senhora idosa, humilde, muito humilde, mais de oitenta anos. Eu olhei para ela e disse: "Vovó - porque assim chamamos as pessoas idosas: vovó – A senhora quer se confessar?". "Sim", disse ela. "Mas se a senhora não tem pecado ...". E ela disse: "Todos nós temos pecados ...". "Mas talvez o Senhor não vai perdoá-los ...". "O Senhor perdoa tudo"- disse ela, com convicção - "Como a senhora sabe?”. "Se o Senhor não perdoasse tudo, o mundo não existiria”. Eu tive vontade de perguntar-lhe: "Diga-me, a senhora estudou na Universidade Gregoriana?". Porque essa é a sabedoria que dá o Espírito Santo: sabedoria interior para a misericórdia de Deus.
Não esqueçamos esta palavra: Deus nunca se cansa de nos perdoar, nunca! "Oh, padre, qual é o problema?". Bem, o problema é que nós nos cansamos, nós não queremos, nos cansamos ​​de pedir perdão. Ele nunca se cansa de perdoar, mas nós, às vezes, nos cansamos de pedir perdão. Não nos cansemos nunca, não nos cansemos nunca! Ele é um Pai amoroso que perdoa sempre, que tem um coração misericordioso para com todos nós. E nós aprendemos a ser misericordiosos com todos. Invoquemos a intercessão de Nossa Senhora que teve em seus braços a Misericórdia de Deus feito homem.
(Após o Angelus)
Dirijo uma cordial saudação a todos os peregrinos. Obrigado pelo acolhimento e oração. Rezem por mim, eu vos peço. Renovo o meu abraço para os fiéis de Roma, extensivo a todos vocês, que vieram de várias partes da Itália e do mundo, bem como aqueles que se unem a nós através dos meios de comunicação. Eu escolhi o nome do santo padroeiro da Itália, São Francisco de Assis, e isso reforça a minha ligação espiritual com esta terra, onde - como vocês sabem – está a origem minha família. Mas Jesus nos chamou para fazer parte de uma nova família: a sua Igreja, nesta família de Deus, caminhando juntos na via do Evangelho. Que o Senhor vos abençoe, Nossa Senhora vos proteja. Não se esqueçam: o Senhor não se cansa de perdoar! Somos nós que cansamos de pedir perdão.
Bom domingo e bom almoço!

Paulistas são atingidos por uma onda de frio

Levanto-me às 04:55 h para o meu tradicional passeio com o meu cão, um pitbull black nose chamado Midnight.

É o cachorro mais manso dos que criei.

O resto é um grande preconceito e violência de seus donos, mas enfim tenho que carregar este preconceito, que também me atinge.

Foi por a cara para fora e deu para sentir o frio que nos acompanhará no dia de hoje.

 É bom?

É ruim?

Tanto faz?

Observo parte do povo sempre se lamuriando do tempo seja ele qual for.

Como se a Terra estivesse sempre na contramão deles.

Então, afirmemos: frio abençoado!

Mas também não vejo muitos crentes elogiando o frio.

Tudo palavras da boca para fora.

Vivo uma grande contradição nos dias atuais: faço silêncio proposital, para não cair em nenhuma destas valas, de um lado, e falo forte, quando quero, surpreendendo meus acompanhantes pela surpresa do "Parla!".

O fato é que o frio tem o seu lado bom e o seu lado ruim, e por cima desta ambiguidade tem Deus, que nos faz apreciar a diferença, e deliciar-nos com tudo.

Hoje o povo se levantará desejando continuar na cama, e sairá encapotado nas ruas, suando por dentro, e protegido do frio por fora.

Hora de tirar as roupas de frio do esquecimento.

Hora de tirar o frio interior também, tão comum de andar junto ao tempo.

Como o verão é mais solto e descontraído...como a alegria vem com o sol...

O mundo gira e nós nos defendemos de seus solstícios e equinócios.

Bom dia a todos!

segunda-feira, 18 de março de 2013

Se o Papa admitiu sua incompetência, porque você não admite a sua?


El papa dimite. ¿Y tú por qué no?

“Mis fuerzas no son ya las adecuadas para ejercer de modo adecuado el ministerio”. Con estas palabras se despedía el 11 de febrero una de las mayores autoridades del planeta. ¿Cómo vamos nosotros de fuerzas para atender nuestras responsabilidades? ¿No deberíamos también dimitir un poco? A lo largo de la historia –y de los papas en particular- el número de dimisiones es mínimo. La mayoría in extremis, ante la amenaza de las lanzas del enemigo o de un proceso judicial.
“En el mundo de hoy, sujeto a rápidas transformaciones, para gobernar es necesario el vigor tanto del cuerpo como del espíritu”. Una persona débil o enferma puede ser sabia o santa, pero no está en condiciones para ejercer el mando. Ya lo decía Fayol, fundador de la ciencia del management. Mantenerse físicamente en forma es un deber irrenunciable. Cuántos jefes descargan sobre sus colaboradores su mal humor, que no tiene otra causa que el poco descanso. Kahneman (2011) ha mostrado cómo los jueces, condicionados por algo tan elemental como el hambre, toman peores decisiones.
Somos tan patéticos que no reconocemos ni la edad que tenemos. Resulta cómico cómo los políticos/as en ejercicio muestran una imagen cada día más joven, como el protagonista de El retrato de Dorian Gray. Se puede disimular la decrepitud -que no se vea- pero no se puede evitar que la organización la note. No deja de sorprenderme cómo hay países que no evolucionan por la esclerosis de sus gobernantes. Hay casos clamorosos como el de Castro. Pero pienso igual de personajes como Jordi Pujol –al que aprecio- que con 8 años de president hubiera logrado lo mismo que con sus 23.
Lo siento, también soy culé. Pero no comparto esa idea romántica que piensa que se puede dirigir en Barcelona un equipo de la elite mundial del futbol, si te estás tratando un cáncer en el hospital Memorial de Nueva York. Los mensajes y las camisetas de apoyo son emocionantes. Pero no se dirige con la buena voluntad o el voluntarismo. De la misma forma, tampoco podemos esperar que Abidal esté a la altura de defender al Barça, como no lo estuvieron ni Márquez ni Milito después de su lesión.
Papa Benedicto
“He de reconocer mi incapacidad para ejercer bien el ministerio que me fue encomendado”, continuaba. Caramba, no oímos a menudo cosas así de los mandamases: ni empresariales, ni deportivos ni políticos. Si alguien quiere ganarse mi confianza como jefe, que repita conmigo: “reconozco mi incapacidad para …”.Y qué ponga lo que quiera, pero no vale aprender inglés o ser malo en las redes sociales. Reconoce quizá que eres incapaz para comunicarte con el equipo, impulsar las ventas o tomar iniciativas. Yo por ejemplo, he tenido que reconocer mi incapacidad para gestionar bien a los/as cuatro adolescentes que habitan en mi casa. Y también recientemente he renunciado a impartir unas horas de clase suplementarias. Me ha costado, pero ahora tengo más paz.
¿No podríamos dimitir un poco cada uno, dejando paso a personas en estos momentos más capacitadas? Se tiende a la concentración. Igual somos presidentes en la empresa, el gremio, la sectorial del partido, de un patronato, un equipo ciclista, de la escalera, una asociación de exalumnos y del club de bridge. Una de dos: o no nos dedicamos realmente o necesariamente lo hacemos mal. Retener cargos indica que seguimos considerándonos los más idóneos (poca humildad), o que nos aprovechamos de ellos (codicia).
Estos días se ha recordado que durante el conclave de 2005 que lo eligió, el papa rezaba para no ser elegido. A sus 78 años, después de sus cargos bajo el pontificado de Juan Pablo II, pensaba dedicarse a la lectura y a tocar el piano. En cambio nosotros -si llegáramos a rezar- lo haríamos para ser escogidos, aunque sea cómo mejores profesionales de la oficina.
La tradición eclesiástica ha formulado el paradójico principio del nolis quaerimus (al que no quiere, a ese queremos). Preferir para mandar a quién menos ambición manifieste para ello. Un planteamiento audaz, que podría guiar el proceso de regeneración política que tenemos pendiente. Evitar el apego. Es el dilema entre el cargo como servicio o el servirse del cargo. Mantener en puestos directivos a personas “de confianza”, pero cuya capacidad es claramente inferior a los retos del cargo, daña gravemente la organización, provoca fuga de talento y conduce irremisiblemente al engaño y la falsedad.
UGT José Maria
No sé si es pura coincidencia, pero la semana pasada el secretario general de la UGT en Catalunya Josep María Alvarez, después de 23 años, manifestaba su intención de empezar a plantearse si presentarse a la relección en el próximo congreso del sindicato en Abril. Igual sí viene una cultura menos posesiva y personalista. Una política más flexible, dónde se pueda subir y bajar -sin que necesariamente te tiren por la ventana. Alvarez reclama para UGT “nuevos liderazgos” para él poder dar un paso atrás.
Quién dimite voluntariamente, dice que el cargo está por encima de sus ambiciones, que el proyecto pasa por delante de su persona. En su conciencia de vulnerabilidad, transmite una cultura colaborativa. Como no llego, necesito confiar en los demás. Otro me seguirá y lo hará mejor que yo. El arte de dirigir –afirma von Karajan- consiste en saber cuándo hay que abandonar la batuta para no molestar a la orquesta.
Os propongo practicar el arte de dimitir. Cuánto más mandes, más podrás dimitir. Puedes dimitir de asistir a algunas reuniones, de tanta contabilidad o de salir en los medios de comunicación. Quizá es buena idea dimitir el perfil de Linkedin, Facebook o Twitter. Dimite por lo menos de ser el simpático de la oficina, de conocer todos los asuntos y ser la sal de todos los platos; de tener siempre razón y dar la última palabra o de contestar cada e.mail. Seguro que su empresa saldrá beneficiada, que se liberarán energías aplastadas hasta el momento. Lo agradecerán también los colaboradores inmediatos. Pero quien más inmediatamente lo va a agradecer será usted mismo.

domingo, 17 de março de 2013

Choveu o domingo inteiro em Sampa

Inacreditável!!!!

Está chovendo aquela chuvinha constante que nos impede de tudo, e nos obriga a tornar o domingo num domingo de verdade, de descanso.

Deito-me, levanto-me. Até o cão, apertado só sai por extremo aperto, e tão logo deságua, volta rápido para casa.

Obrigo-me a ver TV e visitar o Face book..

O pior é Faustão no domingo, Gugu, Silvio Santos....quanta mediocridade de uma só vez.

Somos realmente campeões e resistentes à superficialidade da vida.,"ou não", como diria Caetano Veloso.

Tento resolver lanchando, levando para o estômago o dia mal amanhecido e repentinamente anoitecido.

A água cai do teto num ruído sonolento, hipnótico.

Os olhos pesam pelo nada feito.

A boca fecha-se resguardando a mente.

Os ouvidos escutam, não ouvem.

O estado é de total descaso para comigo mesmo.

Inexisto.

Não me procurem, não me visitem.

O dia escorreu com a chuva.


MAN

Não há limite para a capacidade destrutiva do homem.

Domingo, hora do almoço, e chove ...

Ouço o grupo mexicano Manah, junto com o barulho da água da chuva que cai no quintal, enquanto Meg termina de preparar o estrogonofe esperto dos domingos.  Nada de TV, nada de neurose, descanso de tudo. Estamos na paz familiar dos domingos. Que vitória de Deus, nos cristãos ao conquistar o domingo para o descanso. A comida espiritual é a melhor de todas. Esta comida é servida na paz, em meio aos seus. Ela é servida em servir. A chuva diminui e o cão fica entre os aposentos vigiando a tudo e todos.

Uma célula com direção transcendental

Foto: Amigos da Pastoral da Saúde, adorei o nosso café. Precisamos fazer mais vezes!
Este é o grupo da Pastoral da Saúde que milita no Hospital das Clínicas visitando os enfermos e seus acompanhantes. Sua missão é proporcionar o grande encontro, muito difícil de ocorrer quando as pessoas são sãs. O homem são basta a si mesmo e não necessita de Deus, mas o doente ao perceber a fragilidade da vida coloca a em primeiro plano a transcendência. Ser limpo pelos enfermeiros, precisar de ajuda para fazer as necessidades são fatores que resgatam a humanidade do homem, perdida no dia a dia da sobrevivência. Corpo são alma doente; corpo doente alma sã. "Estive doente e foste me visitar": Camilo de Lelis, mostra-nos Jesus nos enfermos. Não há situação que suplante esta alegria de visitar os doentes. E quanto mais ele for moribundo e quebrado, quanto mais dificuldade ele tiver em falar, que mais se acenda o nosso coração em vê-lo.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Mizael Bispo condenado a 20 anos, e daí?

Tenho a certeza de que a família de Mércia não está satisfeita. Ter aberto o julgamento para a tv ao vivo, expôs depoimentos mentirosos sobre Mércia a público. Nunca a justiça satisfará. Mizael parece ter pensado que sairia livre ao cometer um crime com todos os requintes de planejamento para isentá-lo de qualquer culpa. Não há alegria na condenação dele. No julgamento aquele rosto cheio de poder e ódio parece ter desaparecido e em seu lugar surgiu um homem "manso" e vítima das "intempestividades" de Mércia.
Tenho vergonha da atual sociedade brasileira, cheia de droga, de assassinatos frios, de permissividades contra tudo, porque tudo tornou-se "legal" ou legal.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Um Francisco surge da renúncia

Bento XVI viu que a Igreja precisava adaptar-se à contemporaneidade, e estava sem energia para continuar. Em humildade rara renunciou ao papado, sugerindo que um bom par de Bispos e Cardeais também poderiam tomar esta iniciativa para oxigenar mais, renovar mais a Igreja. Por outro lado foi escolhido o Bispo de Buenos Aires, um jesuíta acostumado a simplicidade. Vamos ver como será a presença dele.

Bairro do Caxingui virou praça de guerra

A Avenida Francisco Morato, logo no trenho do Caxingui, tornou-se ontem à noite uma praça de guerra. Bandido baleado e preso, bandidos fugindo e a polícia atrás com rifles e metralhadoras. Moro numa pequena vila incrustada neste bairro. Pois ontem pelo início da noite, esta vila foi vistoriada  e vistoriada. Ia sair para um curso de Arte Sacre, e decidi ficar em casa com minha esposa. De repente é verdade e tem gente querendo invadir a minha casa...achei melhor não deixar a mulher sozinha. Bela cidade. A Francisco Morato é caminho para o Taboão e o Campo Limpo, regiões onde o crime tem grande liberdade, assim este corredor fica sendo um lugar exposto. Parabéns Geraldo Alckmin.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Direita incentiva divisão da esquerda para as próximas eleições

E o Partido Socialista se presta a esta estratégia, porque visualiza a oportunidade histórica de abocanhar a presidência, retirando-a do PT. Basta que o PSB se alie ao PSDB, e pronto está feita a divisão. Tudo, com um sabor à esquerda. Olhando para as atuações do "socialistas" no mundo, percebemos que eles conseguem galvanizar uma "posição progressista" para se eleger, e depois fazem a política nitidamente de direita. Caso da França, é típico. Hoje um "socialista"  invade a Namíbia contra o terror. Ao final os socialistas é que se tornarão terroristas. Terror contra terror. No Brasil, os "socialistas" se alimentaram do PT para darem um chega para lá agora em 2014. A grande imprensa joga lenha no fogo, divertindo-se desta alternativa.

Misael Bispo é padrão de violência

Todos tem medo dele, mesmo preso Isto é apenas um pequeno exemplo da situação. O irmão da vítima não quis depor diante de Misael. O terror é tanto que até para se falar no tribunal há clima de medo. Onde chegamos. A morte de Mércia não pode ficar impune, entretanto.

A ambiguidade da contemporaneidade com o retorno ao passado meio ambiental

Os exemplos são inúmeros. Ontem um ciclista foi atropelado dentro da ciclovia e teve o braço amputado no acidente. Tragicamente, o braço caiu dentro do carro e o piloto causador do acidente só deu pela presença do braço em seu carro bem mais tarde. Sem controle, jogou o braço num rio. Dá para acreditar?
Por outro lado como entender o retorno à bicicleta, dita bike, numa época de alta tecnologia. Contradição das contradições.
Conclusão: o ser humano se verá forçado a retornar à práticas antigas, porém mais saudáveis, ao mesmo tempo em que utiliza da tecnologia de ponta, sem comprometer o meio ambiente.. Este é o princípio, mas vendo como é a racionalidade do desenvolvimento, acredito que este processo somente virá através de muita luta, e confrontos entre os "desenvolvimentistas" e os "feudais".

sábado, 9 de março de 2013

Sábado de dilúvio em Sampa

Chove muito em São Paulo. Inundação em muitos lugares. O paulistano já não pode se movimentar mais. E a chuva não pára. É torrencial. Em pleno sábado

Os grandes herois não são públicos.

Estou cansado de ler todos os dias notícias da imprensa me impondo fulano ou ciclano como grandes estadistas e heróis deste ou daquele povo e nação.
Mentira das mentiras!
Os verdadeiros heróis estão escondidos no submundo da vida, desconhecidos de todos, absolutamente todos. Nem a mim mesmo tem sido possível identificá-los. Se os vejo, logo os esqueço, pela simplicidade de seu heroísmo.
Há uma mãe que escova os dentes de seu filho, todo paralisado sobre uma cama, sem conseguir falar. Ela elogia aquela "sobra" de seu filho com toda a esperança de uma mãe, com todo o otimismo de uma mãe. Fico olhando a grandeza daquela mulher desconhecida do mundo. Que mulher extraordinária!, Não há Lula, Nem Aécio Neves, ou Geraldo Alckmin, ou Dilma, que suplante esta mulher. Ela está acima deste pequeno grupo seleto. Acima de todos nós, de mim, inclusive, que vos escreve.
Há um homem, com seu terno bem arrumado, há quase dois anos sentado ao lado da cama onde a esposa padece de câncer. Ela nem fala mais, mas entende e sabe de sua presença ao seu lado. Ao final da tarde, ele se dirige à capela do hospital, para agradecer a Deus o dia passado. Herói dos heróis!
Há ainda a bela jovem, que a cada dia definha mais e mais, consumida pela doença, em terna e serena paz, sem reclamar da vida, de ninguém. Quem sabe, não conheceu um homem, não teve uma noite de amor, não passou pelas experiências básicas da vida. Contemplo-a em sua pureza de quem não se sujou com a vida.
Ou o rapaz perdendo massa encefálica a toda hora para o tumor, e ainda assim, mantendo o desejo de viver.
Grandes heróis do mundo, maiores que os heróis nacionais.
Deveriam criar o Memorial dos heróis desconhecidos.
Nele caberiam milhares de pessoas anônimas, que diariamente suportam o insuportável.
A eles a nossa mais simples reverência, para não usurpar sua anonimidade.

Depois de matar, esquartejar, dar os pedaços aos cães, Bruno ficará apenas 3 anos na cadeia

Como a justiça não satisfaz. Estamos sempre murmurando a ausência de uma justa condenação. O medidor é diferente para cada pessoa. Para alguns, deveria ser condenado à morte, ainda que não tenhamos pena de morte. Outros, que deveria ficar a vida inteira na cadeia, devido a monstruosidade de seu crime.  Outros ainda, 30 anos, e assim vai.
O que ninguém esperava era saber que o goleiro deverá permanecer mais três anos e depois, voltar a jogar futebol.
Olho outros casos que tiveram manchete, e em sua maioria, a decisão do magistrado ficou aquém do esperado. Crimes horríveis, indescritíveis, inenarráveis.
Pergunto ao meu interior, e a quem ele escuta, se neste planeta existe a justiça completa?
Respondo de imediato que não.
Minha visão de mundo, entretanto, acredita que deva existir uma justiça completa, que faz o ajuste de contas, em algum momento e fora do momento, na ausência de tempo.
Se não acreditar nisto, então todos os crimes são passíveis de serem cometidos, e teremos uma moral permissiva para tudo o que é errado.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Linha vermelha parou ontem na Bresser Mooca

O trem demorou, e demorou. O povo foi ficando sem paciência. Quando cheou o primeiro trem do fundão da zona leste, estava simplesmente lotado.
Não deu outra: lotou mais ainda. Daquelas de entrar gente segurando a porta até todos conseguirem se espremer dentro do vagão.
A cada estação que o trem chegava, mais apertava.
Na Estação Pedro II, não deu mais.
Foi quando um passageiro gritou:
-  Tem uma mulher grávida aqui dentro! cuidado! Em alagoas nunca aconteceria uma situação desta.

E um passageiro respondeu de pronto:
- Em alagoas não tem metrô!

O vagão inteiro riu.

Não sabia se ria ou se chorava daquela desgraça.

Sorte por Alagoas não ter metrô. Transporte safado este hoje.

Não pude, entretanto, deixar de ter aquele sorrisinho nos lábios...

_ Alagoas não tem metrô.

Lá ainda não chegamos a tal ferocidade.


quarta-feira, 6 de março de 2013

Morte de Chaves tornará o movimento bolivariano ainda maior

Depois da morte de Yasser Arafat, suspeitíssimo, nada mais se deixa de desconfiar. Chaves deu uma demonstração inequívoca de sua fidelidade à causa do mais pobre, e como no Brasil, enfrentou também a grande imprensa e os grandes empresários, com todo o preconceito que eles tem contra o povo. Chaves conseguiu se dividir em cada um dos venezuelanos. Nosso pesar por esta morte. Que Deus o receba e possa ele finalmente contemplar a igualdade perfeita.

domingo, 3 de março de 2013

Como é bom viver!

Acordar no domingo, a mulher ao lado, o cão ao pé da cama, cutucando-me para sair. Não há preço que pague isto, tão simples e tão rico.
Levantar-me, lavar-me e logo colocar-me na rua, debaixo de uma ausência de gente, que dorme, e de um sol radiante para poucos.
Ler o jornal com suas mentiras trabalhadas e suas verdades parciais, classistas, esperando minha decodificação ideológica.
Elevar o pensamento ao alto, em silêncio íntimo, confidenciando meus receios, mais do que as alegrias.
Imaginar-me onde estou, sem imaginação.: o maior sonho.
Os ricos não têm seda que proporcione este estado, e muitos pobres não percebem o dom gratuito.
Hoje 03 de março, o sol levanta seu rosto sobre a terra de Vera Cruz com seu clarão cego.
Bom viver, bom ser brasileiro, bom bom bom.