quinta-feira, 31 de maio de 2012

O exterminador MARCONI PERILLO GOVERNADOR ELEITO trucidando o povo pobre



Cajuru denuncia com imagens. Cajuru pode ser tudo de errado, mas não é covarde.

Formatura de Marconi Perillo no curso de Direito, com Gilmar Mendes e Demóstenes



Quem diria o Gilmar Mendes e o Demóstenes juntos na formatura do Marconi Perillo? Que coincidência....agora eu sei porque o Gilmar Mendes saiu atacando o peão. Esta turma sempre esteve num só pensamento e numa só ação.

Precisa mais?

São Paulo não faz guerra contra crime organizado

A razão é uma só. Por aqui há um acordo mudo de convivência.

Eu não te ataco e você não me ataca.

No Rio de Janeiro houve uma declaração de guerra e o confronto foi grande e está sendo uma conquista difícil, longa e corruptora nos locais que foram "pacificados".

Mas em Sampa, em SAMPA não há guerra porque tem lugar para todos.

Fico pensando até quando fingiremos esta farsa?

Até quando teremos a ilusão de que tudo está bem quando não está?

Moro perto de uma escola estadual pública, na Barra Funda e vejo, no beco próximo ao meu lar, jovens irem drogar-se diariamente, rapazes e moças. Já vi um grupo de perto de 40 jovens drogando-se juntos.

Mas estão vendendo que está tudo bem.

Me engana que eu gosto

Esta semana policiais mataram traficantes na Cidade Tiradentes em confronto, e também depois de presos. Câmaras de edifícios flagraram o crime.

Isto gerou um toque de recolher pelos traficantes da Cidade Tiradentes, mostrando que lá a situação está sob o controle do tráfico.

Mas para o Governo do Geraldinho Xuxu, isto foi obra de jovens fazendo algazarra.

Vai dormir com esta.

Artigo que Dalmo de Abreu Dallari publicou na Folha, em 8 de maio de 2002

Para quem tem dúvida de quem é Gilmar Mendes, segundo Dalmo Dallari leia artigo abaixo


Degradação do Judiciário
DALMO DE ABREU DALLARI
Nenhum Estado moderno pode ser considerado democrático e civilizado se não tiver um Poder Judiciário independente e imparcial, que tome por parâmetro máximo a Constituição e que tenha condições efetivas para impedir arbitrariedades e corrupção, assegurando, desse modo, os direitos consagrados nos dispositivos constitucionais.
Sem o respeito aos direitos e aos órgãos e instituições encarregados de protegê-los, o que resta é a lei do mais forte, do mais atrevido, do mais astucioso, do mais oportunista, do mais demagogo, do mais distanciado da ética.
Essas considerações, que apenas reproduzem e sintetizam o que tem sido afirmado e reafirmado por todos os teóricos do Estado democrático de Direito, são necessárias e oportunas em face da notícia de que o presidente da República, com afoiteza e imprudência muito estranhas, encaminhou ao Senado uma indicação para membro do Supremo Tribunal Federal, que pode ser considerada verdadeira declaração de guerra do Poder Executivo federal ao Poder Judiciário, ao Ministério Público, à Ordem dos Advogados do Brasil e a toda a comunidade jurídica.
Se essa indicação vier a ser aprovada pelo Senado, não há exagero em afirmar que estarão correndo sério risco a proteção dos direitos no Brasil, o combate à corrupção e a própria normalidade constitucional.

Por isso é necessário chamar a atenção para alguns fatos graves, a fim de que o povo e a imprensa fiquem vigilantes e exijam das autoridades o cumprimento rigoroso e honesto de suas atribuições constitucionais, com a firmeza e transparência indispensáveis num sistema democrático.
Segundo vem sendo divulgado por vários órgãos da imprensa, estaria sendo montada uma grande operação para anular o Supremo Tribunal Federal, tornando-o completamente submisso ao atual chefe do Executivo, mesmo depois do término de seu mandato.

Um sinal dessa investida seria a indicação, agora concretizada, do atual advogado-geral da União, Gilmar Mendes, alto funcionário subordinado ao presidente da República, para a próxima vaga na Suprema Corte.

 Além da estranha afoiteza do presidente -pois a indicação foi noticiada antes que se formalizasse a abertura da vaga-, o nome indicado está longe de preencher os requisitos necessários para que alguém seja membro da mais alta corte do país.
É oportuno lembrar que o STF dá a última palavra sobre a constitucionalidade das leis e dos atos das autoridades públicas e terá papel fundamental na promoção da responsabilidade do presidente da República pela prática de ilegalidades e corrupção.
É importante assinalar que aquele alto funcionário do Executivo especializou-se em “inventar” soluções jurídicas no interesse do governo.

Ele foi assessor muito próximo do ex-presidente Collor, que nunca se notabilizou pelo respeito ao direito. Já no governo Fernando Henrique, o mesmo dr. Gilmar Mendes, que pertence ao Ministério Público da União, aparece assessorando o ministro da Justiça Nelson Jobim, na tentativa de anular a demarcação de áreas indígenas. Alegando inconstitucionalidade, duas vezes negada pelo STF, “inventaram” uma tese jurídica, que serviu de base para um decreto do presidente Fernando Henrique revogando o decreto em que se baseavam as demarcações. Mais recentemente, o advogado-geral da União, derrotado no Judiciário em outro caso, recomendou aos órgãos da administração que não cumprissem decisões judiciais.







Medidas desse tipo, propostas e adotadas por sugestão do advogado-geral da União, muitas vezes eram claramente inconstitucionais e deram fundamento para a concessão de liminares e decisões de juízes e tribunais, contra atos de autoridades federais.
Indignado com essas derrotas judiciais, o dr. Gilmar Mendes fez inúmeros pronunciamentos pela imprensa, agredindo grosseiramente juízes e tribunais, o que culminou com sua afirmação textual de que o sistema judiciário brasileiro é um “manicômio judiciário”.
Obviamente isso ofendeu gravemente a todos os juízes brasileiros ciosos de sua dignidade, o que ficou claramente expresso em artigo publicado no “Informe”, veículo de divulgação do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (edição 107, dezembro de 2001). Num texto sereno e objetivo, significativamente intitulado “Manicômio Judiciário” e assinado pelo presidente daquele tribunal, observa-se que “não são decisões injustas que causam a irritação, a iracúndia, a irritabilidade do advogado-geral da União, mas as decisões contrárias às medidas do Poder Executivo”.
E não faltaram injúrias aos advogados, pois, na opinião do dr. Gilmar Mendes, toda liminar concedida contra ato do governo federal é produto de conluio corrupto entre advogados e juízes, sócios na “indústria de liminares”.
A par desse desrespeito pelas instituições jurídicas, existe mais um problema ético.

 Revelou a revista “Época” (22/4/ 02, pág. 40) que a chefia da Advocacia Geral da União, isso é, o dr. Gilmar Mendes, pagou R$ 32.400 ao Instituto Brasiliense de Direito Público -do qual o mesmo dr. Gilmar Mendes é um dos proprietários- para que seus subordinados lá fizessem cursos.

 Isso é contrário à ética e à probidade administrativa, estando muito longe de se enquadrar na “reputação ilibada”, exigida pelo artigo 101 da Constituição, para que alguém integre o Supremo.
A comunidade jurídica sabe quem é o indicado e não pode assistir calada e submissa à consumação dessa escolha notoriamente inadequada, contribuindo, com sua omissão, para que a arguição pública do candidato pelo Senado, prevista no artigo 52 da Constituição, seja apenas uma simulação ou “ação entre amigos”.

É assim que se degradam as instituições e se corrompem os fundamentos da ordem constitucional democrática.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O tucano de bico mole

Dom Gilmar Mendes, notório nobre da estirpe dos tucanos de bico longo, gosta de sacudir galhos, mexer as asas bem abertas para dar impressão de grandeza. Com DNA de morcego, gosta de agir no escuro dos gabinetes, sendo que, para ele tudo é natural, mas para os outros tudo é corrupção. Tucano saudoso do Príncipe dos Sociólogos, teve de jantar um peão de 9 dedos. Não deu outra, ficou com problemas estomacais, longe de seus caviares, seus filés processados com ingredientes caros, para subvencionar o cardápio. Com bico torto, está confundido com as ladies, pois ao falar entorta tudo de forma muito convidativa. E como chacoalha as penas achando-se  ultrajado.Trata-se de espécie em extinção no Brasil, merecedor de um zoológico particular, onde possa ir de galho em galho para alegria das crianças pobres do Brasil.

Ódio de Classe contra LULA

Pelo visto a elite brasileira não digeriu até hoje o fato de um peão de fábrica ter se transformado num dos maiores Presidentes que o Brasil já teve, e vocifera sem parar, destilando ódio de classe contra o povo brasileiro, na figura do nosso querido Lula, o Luis Inácio Lula da Silva.
Querem enquadrá-lo, acusá-lo, chamam-no de gângster e de toda sorte de impropérios. O pano de fundo é o chamado mensalão criado pelo PSDB Gilmar Mendes há tempos atrás, para frear os avanços do movimento social no país.
Agora voltam à carga, para apagar os envolvimentos que têm no caso Cachoeira/Demóstenes. Se bobear Demóstenes será absolvido.
Até um convertido ele acaba de se tornar.
Agora que Dilma começa a forçar a baixa dos juros, a mais valia da mais valia, dos banco em cima do povo, e quer abrir a caixa preta dos lucros das fabricantes de carros, percebe-se a razão de tanto ódio.
Querem atacar o governo neste ano eleitoral, e está difícil, por isso armam contra o ex-presidente.
O povo brasileiro deve dar sua resposta nas ruas.

terça-feira, 29 de maio de 2012

CASIMIRO DE ABREU



                                                      Ficheiro:Casimiro de Abreu.jpg




Eu me lembro, eu me lembro! - Era pequeno
E brincava na praia; o mar bramia
E, erguendo o dorso altivo, sacudia
A branca espuma para o céu sereno.



E eu disse à minha mãe nesse momento:
- " Que dura orquestra! Que furor insano!
Que pode haver maior do que o oceano,
Ou que seja mais forte do que o vento?"



Minha mãe a sorrir olhou pr'os céus
E respondeu: - "Um ser que nós não vemos,
É maior do que o mar, que nós tememos,
Mais forte que o tufão... Meu filho : é Deus!"




Vamos ser sinceros, não houve o devido fim a ditadura militar brasileira

É ou não é.?
O ditadores de plantão quando viram que a situação estava mudando, puxaram a coberta e fingiram que não era com eles. E nossa democracia ficou semi-acéfala, sem restaurar a memória de seus heróis, mortos e desaparecidos.

A condição humana, à espreita (pequena homenagem a Jean Paul Sartre)

Não é possível respirar com mais ímpeto, muito menos intervir em diversas situações ao mesmo tempo, com a mesma ênfase, a todo momento.

Estamos prisioneiros de nossos corpos e no dia a dia, consciente ou inconscientemente, vamos nos apercebendo que devemos dosar nossa força, para as ocasiões significativas, conscientes de nossa temporalidade, e guardando energias em situações que não possuem relevância.

Nestas, sem a devida perda d'alma, isto é, conservando uma presença equilibrada e respeitosa, passamos  pela superfície da vida  circunspectos, como se estivéssemos realmente interessados, mas sabedores da insignificância dos fatos. Porque há fatos e fatos.

O limite psico-corporal  impõe uma forma de postar a vida.

Imagino um homem bomba preparando-se com todo aquele artefato enrolado em seu peito, sua cintura: faz uma despedida da vida considerando o alto grau que ele daquele gesto. Logo se despedaçará em vários pedaços de carne que nunca mais serão reunidos.

Sobre ele uma convicção suporta a rejeição à morte, porque a vida resiste em viver.

Mas vai e se explode.

Para ele aquele momento é o clímax de tudo o que conseguiu entender e considerar no tempo em que esteve vivendo.

Ainda que considerando a forma absurda de tal atitude, e ainda imaginando que ceifam outros tantos juntos, ali presentes, desatentos e alegres, tenho que aceitar que a vida traz um convite de apogeu, conquista suprema, doação total, a rondar a limitação humana. Nem que seja para seu próprio filho.

O homem olha o mundo com tantos erros e problemas que vai nutrindo-se de expectativas e esperanças de superações.

O homem acha-se convidado, desde as religiões em seus vários matizes, até as teorias políticas mais coerentes e aparentemente verdadeiras, a  imolar-se, entregar-se, explodir-se, crucificar-se, por uma causa, uma fixação, uma imagem perfeita da humanidade.

Em suas entranhas instintivas, gera uma humanidade solidária, que se engendra a conceitos e crenças, convicções e teorias, penetra na razão até sobrepô-la em uma fé ou firmeza teórica, que o projeta desde o sacrifício, termo que em latim vem significar fazer sagrado, até imolar-se inteiramente, ou matar.

Lembro-me dos monges budistas do Vietnã ateando fogo ao corpo sentados no chão, sem mover-se, enquanto a população de Saigon chocava-se com a cena.

Assitia-as com regularidade que ocorriam, e pensava: "Será que estarão enfraquecendo a guerra com este gesto?"

Porque os soldados americanos continuavam seus bombardeios com napalm e os vietcongues mantinham suas táticas de guerrilhas, ambos devorando-se. Suas convicções dependiam de quantos matavam para se reforçar.

Por aqui na América, eu lia o Diário de Che Guevara na Bolívia, e penso que a juventude revolucionária de minha época também o fazia, com uma ânsia de estar com ele no meio da mata, numa visão romântica que sofreu com sua morte, e ainda mais dolorosa ao v a ver a nascente mídia reformá-lo de seu modelo revolucionário, incorporando-o no modus vivendi capitalista ocidental, um culto destituído de sua paixão.

O mesmo se deu e ocorre hoje com o Cristo, Buda, Luther King, Gandhi, sob um prisma humano amplo de humanidade, até os líderes necrófilos sadomasoquistas que têm em Hitler seu bastião máximo, e diversos seguidores que declino de citar, para não sujar este escrito.

Como o homem sofre a limitação de sua condição humana.

De um lado o impulso instintivo, carnal, de trazer tudo para si, conquistar o que puder, sexo, dinheiro, poder; e, de outro, a descoberta da imensa alegria de viver, de sentir o amor, e perceber a importância de aproveitar cada instante de sua presença neste planeta estranho que nos acolhe, contemplando e agindo, até o fim.

Não contente projeta-se no escuro, a decifrar o significado de tudo isto, insatisfeito com sua temporalidade, e prevê uma continuidade que supere seus limites atuais, e o liberte para outra dimensão, onde possa conservar esta humanidade em um perspectiva mais ampla e superior.

Vincula esta projeção a uma moral de vida, que, ao longo do tempo, vai moldando-o.

Homem que chora e sorri, que mata e é morto.

Homem de guerras permanentes em poucos intervalos de paz.

Este homem tem o mistério de não conhecer-se completamente, a si e aos seus, mas vai, às apalpadelas decifrando caminhos.

VENDILHÕES DO BRASIL

Pelo menos 27 mil trabalhadores serão afetados diretamente pelo número recorde de fusões e aquisições ocorrido desde o início desta semana por conta das mudanças nas leis antitruste brasileiras. Nenhuma das cerca de 15 companhias envolvidas nas operações que movimentaram mais de R$ 6 bilhões nos últimos dias revelou se fará demissões ou se vai reestruturar as operações das empresas que foram compradas.
A Rapidão Cometa, que foi adquirida pela Fedex, é a empresa com o maior número de funcionários entre as 15 que foram compradas entre segunda e terça-feira. Ao todo a empresa, com operações no 27 estados brasileiros, tem cerca de 9 mil empregados.
A compra da Leader pelo BTG também afetará alguns milhares de trabalhadores. Ao todo são 5 mil funcionários espalhados pelas 60 lojas da rede no país. Já   a rede de churrascarias Fogo de Chão Churrascaria,   que foi vendida pelo GP Investimentos para o fundo Thomas H Lee Partners por R$ 400 milhões, emprega cerca de 3,5 mil funcionários em suas 25 unidades no Brasil e nos Estados Unidos.
O menor negócio envolvendo trabalhadores foi venda da divisão de galvanizados da Mangels, adquirida pela Armco Staco por R$ 15 milhões. São apenas 100 funcionários na divisão.

Gilmar Mendes admite que viajou com Demóstenes Torres pela Europa

Curiosamente o Cachoeira também viajou neste período pela Europa.  A coisa tá pegando. É o Lula o problema? Veja declaração ao Estadão




BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta terça-feira, 29, nunca voou em avião de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, mas que por duas vezes viajou em aeronaves cedidas pelo senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). As duas viagens, segundo Mendes, foram de Brasília para Goiânia e realizadas em aviões de empresas de táxi aéreo.
O ministro se disse ainda vítima de uma tentativa de desmoralização do tribunal por causa do julgamento do mensalão. Por várias vezes repetiu: "Isso é coisa de bandido".
Mendes afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava envolvido na divulgação dessas "mentiras" - segundo palavras do ministro. As declarações foram dadas nesta terça, no momento que Gilmar Mendes chegava à sala onde são realizadas sessões de julgamento do STF.

AFINAL, O DEMÓSTENES TINHA AVIÃO DELE PRÓPRIO? ME ENGANA QUE EU GOSTO!!!!!

Mídia faz esforço inútil e cria factoide para fugir da CPI Cachoeira

Reuniu-se a fina flor da elite reacionária para criar notícia que esconda os escândalos da CPI Cachoeira, que respinga em Marcondes Perilo, Governador de Goiás.

Agora o arqui tucano Gilmar Mendes "Ficou estupefato" com as afirmações de Lula. Me engana que eu gosto, meu!

Este mesmo Ministro de boca torta, saiu dias atrás em defesa de outro tucano remanescente no poder, o Procurador Geral da República que deixara de por Cachoeira na cadeia por "estratégia".

As gangues tentam a todo custo desviar a atenção da CPI  Cachoeira que trará ainda muita novidade.

A VEJA, a escória da mídia, é a primeira interessada em criar notícias do nada.

O povo, no entanto ama Lula, e se o peão tivesse saúde, tenho certeza que ele sairia às ruas denunciando este pretensos donos da consciência brasileira.

Vamos pedir ao Espírito Santo que nos esclareça das imensas manobras que se fazem contra o povo brasileiro.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Você quer tempo?

Não te dou tempo
mas falta de tempo.

Quero o teu suor
teu último pensamento,
o teu esforço inútil
por um mundo melhor,
que os homens rejeitam.

Quer tempo?

Acorde a mulher
que dorme
ignorando
teu apetite.

Acorde o pobre
que não acredita 
que pode vencer,
o louco
que se acha rei.

Afinal,
acorde a si mesmo
mergulhado
na superfície da vida
sem o afloramento
da verdade.

Acorde o ladrão
do roubo
o rico
do dinheiro,
o jovem
do desperdício.

Acorde 
a mulher
da frigidez,
e sonhando
noites a dentro,
desperto.

Ah, quer saber?

Não acorde ninguém.

Deixe que durmam
o eterno esquecimento de tudo.

Quem sabe um dia
uma estrela cadente,
passe pelo fundo
do quintal
como animal selvagem,
e possa revolver
o pó sedimentado
sobre o nada, 


.


domingo, 27 de maio de 2012

100 anos do nascimento de Nelson Rodrigues levanta a questão da convivência da direita e a esquerda

Nelson Rodrigues, autor de peças de alto teor revolucionário no plano moral, foi um apoiador da ditadura militar.

Tendo um filho perseguido, nem por isso deixou de apoiar a ditadura. Um reacionário no plano político, e um autor de teatro revolucionário.

Plínio Marcos foi outro que também escreveu peças com um profundo cunho de denúncia social, e se transformou num tucano quando veio a democracia, contrariando tudo o que se esperava dele.

Quando o malufismo foi entrando em decadência, para onde foram os eleitores do Maluf?

A maioria foi para Lula. Porquê?

É porque existia alguma semelhança entre ambos, para o eleitor, mas que não era visível para os atores políticos, que se digladiavam..

Estas ambiguidades pessoais e políticas levantam a reflexão sobre a tênue distância que, em algumas ocasiões, separa uma ponta da outra da política brasileira, quando a maioria  não vê uma muralha entre ambas.

Veja o caso recente do valoroso Aldo Rebelo em seu projeto do Código Florestal!

Escreveu um relatório que uniu setoers diversos do campo, contrariando os votos urbanos de ambientalistas. Passou longe da divisão direita x esquerda. Até hoje estou em dúvida se os ambientalistas são pré políticos.

Se não houvessem semelhanças, como se formariam as frentes políticas congregando partidos que até ontem eram considerados "de direita", mas que no dia a dia da vida política e parlamentar, vão abrindo possibilidades de composição, e até de coligação.

Quando somos muito dogmáticos nas concepções, estabelecemos uma distância intransponível, mas quando começamos a diálogar vemos pontos comuns, por por vezes nos constrangem pela coincidência, questionando "nossas posições", como se devêssemos manter uma diferença, só por manter, sendo que, por vezes existem concretamente encontros.

Dilma convidou FHC para vários encontros, e tratou o ex presidente de forma afável, independentemente das posições que ele tem afirmado por aí.

Buscou até o Xuxu, o Governador Alckmin, e mantém com ele bom diálogo, apesar dele representar o conservadorismo milenar instalado em Sampa.

Não são algum tipo de superação de diferenças?

Isto exige altivez, uma certa visão supra-partidária, nacional, característica de poucos.

Bem, Nelson Rodrigues viveu em uma época de grandes divisores d'água. Se vivesse nos dias atuais, esta sua "contradição" seria melhor digerida por todos. Naquela época ele foi considerado um traidor.

Precisamos nos perguntar se desejamos apenas as pessoas equilíbradas conceitualmente, ou aceitar que o homem vive uma evolutiva ambiguidade X síntese, ambiguidade X síntese.  Ambas as situações pertencem às mesmas pessoas. Melhor manter uma compreensão e abertura para o outro como ele vier, e buscar a verdade através do diálogo.

Eu mesmo, não sei bem quem sou, como posso definir o outro?

União do sujo com o mal lavado contra LULA

Veja, protetora do Cachoeira, ataca Lula com o STF

A cancerígena Veja, revista do baixo nível, da fabricação de matérias, debaixo de inúmeras denúncias de associação com Cachoeira,  resolve atirar em todos e tudo, como estratégia de saída do cerco.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou à revista Veja desta semana que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o procurou para negociar o adiamento do julgamento do Mensalão.

 Em troca, ele teria oferecido blindagem a Mendes na CPI do Cachoeira.

Gilmar Mendes é um notório TUCANO, e a Veja é uma notória FASCISTA.

Ambos sabem que o caso Cachoeira vai respingar no Procurador Geral da República cria tucana, na Veja revista que fabrica notícias, e no Governador de Goíás Marcondes Perillo.

Então  resolvem sair para acusar, características que lhes são muito comuns.

Esta elite raivosa, que tem aversão a povo, faz calúnias e bota a polícia para bater na população, parte para a invenção de fatos, e no caso, querendo atingir o líder máximo da democracia brasileira, o ex-presidente LULA.

Desde já este blog, O PÓ DAS ESTRADAS, começa hoje a exercer o seu papel democrático de denunciar esta camarilha de aproveitadores do Brasil e defender o nosso querido presidente LULA|

sábado, 26 de maio de 2012

Silêncio e Palavra


Artigo de Dom Walmor Oliveira de Azevedo
BELO HORIZONTE, sexta-feira, 25 de maio de 2012 (ZENIT.org) - Publicamos a seguir um artigo de espiritualidade enviado para os leitores de ZENIT, por Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de Belo Horizonte.
***
Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo
O Papa Bento XVI intitulou assim a sua mensagem para o 46º Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado pela Igreja Católica no mundo inteiro, no domingo último, festa da Ascensão do Senhor. Esta temática, silêncio e palavra, caminho de evangelização, é oportunidade para ricas reflexões sobre aspectos importantes do processo humano de comunicação.
De determinante importância, em todos os níveis e instâncias, a comunicação e seus processos merecem sempre maior atenção, particularmente em se tratando de sua qualificação. Gera o diálogo, que é força motriz para a novidade pretendida em termos de solidariedade, de organização social e política, na vivência familiar e comunitária. A comunicação qualificada depende, adverte o Papa, da fecunda relação entre silêncio e palavra. São momentos que devem ser alternados e integrados para se conseguir um diálogo autêntico e uma união profunda entre as pessoas. Sem a integração entre silêncio e palavra corre-se sempre o risco de deteriorações, de confusão. O diálogo autêntico é indispensável para a paz.
É muito oportuno, como força educativa, ter presente que o silêncio é parte integrante da comunicação. O falar não precedido ou emoldurado pelo silêncio pode não produzir palavras com densidade e significação. Especialmente palavras que tenham o sentido de edificar, corrigir e devolver ao coração dos destinatários a esperança do viver. A sociedade contemporânea é muito barulhenta e desabituada ao silêncio que proporciona escuta mútua e conhecimento.
Muito importante é ter clareza acerca do que se quer dizer como também ouvir o outro. O Papa Bento XVI aponta que, ao nos calarmos, permitimos que a outra pessoa fale, exprima a si mesma, livrando-nos, por esta escuta, de ficarmos presos a nós mesmos, nas nossas palavras e ideias. Isto é um desastre em se considerando responsabilidades familiares, institucionais e cidadãs. Por falta do silêncio para escutar os outros, nascem os autoritarismos, fixação na própria compreensão, por vezes até medíocre e comprometedora no que se refere a conquistas e avanços indispensáveis.
Quem não se cala para escutar a Deus e aos outros se enrijece na mediocridade. O relacionamento humano mais pleno e qualificado depende da capacidade de escuta. Quem não se cala para ouvir não é capaz de gerar relacionamento verdadeiro e não tem força de produzir sentido sustentador da vida. Na sua mensagem, o Papa diz que “é no silêncio, que se identificam os momentos mais autênticos da comunicação entre aqueles que se amam: o gesto, a expressão do rosto, o corpo enquanto sinais que manifestam a pessoa. No silêncio, falam a alegria, as preocupações, o sofrimento”.

O Papa Bento XVI até diz que “é necessário criar um ambiEm se considerando a abundância de informações e mensagens neste tempo, o silêncio torna-se essencial para que se possa discernir, entre tantas opções, solicitações e ofertas, o que é importante, necessário, prioritário, distinguindo o que é inútil e acessório. A falta de silêncio gera um exagero de palavreado. Perde-se a indispensável ponderação no compartilhamento de opiniões pertinentes. Por isso, há quem fale demais,  de tudo, e até mesmo do que não é da sua conta.ente propício, quase uma espécie de ecossistema, capaz de equilibrar silêncio, palavra, imagens e sons. Quando se considera as redes sociais, a procura por respostas, conselhos, sugestões, informações, um verdadeiro bombardeio sobre as pessoas, o silêncio cria as condições necessárias para favorecer os discernimentos diante dos inúmeros estímulos para se chegar ao que é importante e decisivo para a própria vida. A mensagem do Papa Bento XVI assinala que, “no fundo, este fluxo incessante de perguntas manifesta a inquietação do ser humano sempre à procura de verdades, pequenas e grandes, que deem sentido e esperança à existência: Quem sou eu? O que posso saber? O que devo fazer? Que posso esperar?”.
 O silêncio proporciona a reflexão que pode permitir à pessoa uma descida ao fundo de si mesma e abrir-se ao caminho de resposta que Deus inscreveu no seu coração. O silêncio é possibilidade de escutar a Deus e falar com Ele. Há uma lição que vale ser aprendida e praticada. Educar-se em comunicação, diz o Papa Bento XVI, é aprender a escutar, a contemplar, para além de falar. É hora de qualificar a comunicação e o falar. É urgente, para isso, exercitar-se no silenciar para que a palavra dita seja capaz de gerar vida.

Descoberta devoção mariana de 81-96 dC


Os primórdios da devoção mariana em Roma
Uma viita à Igreja de Santa Maria Antiqua, no Fórum Romano
A devoção mariana, que nem de longe se confunde com a adoração a Deus vem desde os primórdios do cristianismo. Isto pode por uma pá de cal naqueles que consideram que houve um desvio na Igreja em determinada época, etc.

*Por Paul Lorizzo
ROMA, sábado, 26 de maio de 2012 (ZENIT.org) - Em meados do VI Século o declínio de Roma era irreversível. Uma tentativa fraca de revitalizar uma época de pura decadência foi feita pelo imperador Teodorico entre o 493 e o 526 através de um novo impulso para a construção urbana, estimulando porém somente a restauração dos edifícios existentes.
A área do Fórum Romano, colocada de joelhos pela pilhagem e destruição das tribos bárbaras, principalmente por Alarico em 410 e Genserico em 455, tenta sobreviver no momento em que a idade média recolhe a difícil herança da antiguidade tardia .
Neste contexto surgem na área, que por vários séculos tinha sido o coração do Império Romano, duas igrejas, que ainda hoje representam a pedra angular do cristianismo romano: Santos Cosme e Damião, localizada ao longo da atual via dos Foros Imperiais na altura da Via Cavour e Santa Maria Antiqua, localizada na encosta noroeste do Palatino.
S. Maria Antiqua é sem dúvida o lugar de culto cristão mais importante do Fórum Romano e representa um dos primeiros edifícios em Roma dedicados a Maria. O seu contexto histórico é extremamente complexo. Originalmente se pensava que tinha sido construída sobre as ruínas do Templo de Augusto, mas com o progresso dos estudos e das investigações, descobriu-se que na verdade as fundações do edifício são parte de um vestíbulo monumental pertencente à domus ou residência palatina construída na época do imperador Domiciano (81-96 dC), conectada a ela através de uma rampa coberta ainda visível hoje. Todo o contexto estava cercado de lojas e barracas para acolher os Pretorianos de guarda no palácio Imperial, áreas que perderam sua função original, quando a igreja foi construída.
O seu núcleo central aloca-se exatamente sobre a área "quadriporticada" (um pátio central, com quatro pórticos de cada lado) que se encaixava perfeitamente na divisão tríplice da navata, enquanto que o ambiente por detrás foi dividido e usado como presbitério na parte Central e como capelas de fundo das navatas laterais. Por quase três séculos, o edifício foi internamente decorado com esplêndidos ciclos pictóricos que até hoje representam um exemplo único de pintura de parede medieval, ainda quase totalmente visível (cerca de 250 metros quadrados de superfície da parede). Apenas alguns traços permanecem no piso da fundação em opus alexandrinus (técnica decorativa que combina o uso de fragmentos de mármore colorido com mosaico) e o famoso "Palinsesto", o ciclo de pinturas posicionados ao longo da parede à direita do ábside e consiste de bem seis camadas de pintura, a mais antiga delas, representa a Santíssima Virgem no Trono venerada por um Anjo.
A nave central e muitas áreas do presbitério foram decoradas entre o 649 e 653, sob o Papa Martinho I, o papa que se opôs ao imperador Constâncio II e que, por isso, primeiro foi banido e depois martirizado. O segundo ciclo de pinturas está ligada ao Papa João VII, um dos que cobriu de afrescos grande parte do interior, especialmente o presbitério e a capela dos Santos Medici. Esta intensa atividade pictórica foi fortemente querida pelo Papa, porque nasceu e foi criado no Palatino, não muito longe do edifício. Entre o 741 e 752 foi realizado o grande ciclo de pinturas encomendadas pelo papa Zacarias, com a decoração da Capela de Teodoto, um nobre romano na corte de França, em nome do Papa, doador dos afrescos. A última etapa pictórica em ordem cronológica remonta ao Papa Paulo I entre 757 e 767, que está concentrada ao longo das paredes da nave lateral e antecede por alguns anos algumas intervenções do papa Adriano I. Em 847 um terremoto abalou algumas partes de parede do Palatino que cobriram o edifício e o preservaram como uma ‘pequena Pompeia’ dos saques e sobreposições. O edifício foi abandonado e o título foi transferido para o templo de Vênus e Roma sob o nome de S. Maria Nova.
Ao longo dos séculos, o complexo de S. Maria Antiqua foi completamente esquecido e sobre as suas ruínas foi construída em 1617 a igreja de S. Maria Libertadora, cujo titulo foi transferido, juntamente com alguns móveis, no início do 900 ao bairro Testaccio.
Infelizmente, as "escavações" da época (seria mais digno chamar-lhes de ‘terraplenagem' dado a quase total falta de documentação científica produzida), além de trazer à tona os afrescos e poucos materiais arqueológicos a mais, causaram a rápida deterioração dos mesmos. Passaram-se de fato quase 10 anos antes da realização do telhado para proteger o precioso material de pintura e de fato a forte degradação forçou em várias ocasiões, o "descolamento" de quase 12% do material, da sua localização original, movendo-os para suportes modernos.
Hoje a igreja, fechada ao público para restaurações conservadoras, permanece quase exclusivamente acessível aos estudiosos e restauradores, os únicos felizardos que podem desfrutar da atmosfera mística que só um edifício cristão primitivo é capaz de fazer viver.

* Paul Lorizzo é graduado em Estudos Orientais e especializada em Egiptologia na Universidade de Roma 'La Sapienza'. Exerce a profissão de arqueólogo.

Aforismo do sábado, 26 de maio de 2012



" Um dia o medo bateu na porta. A fé foi abrir: não tinha ninguém"

Martin Luther King (1929-1968)

Não denunciar Cachoeira foi um "estratégia", disse O Procurador amigo dos tucanos


Uma vergonha a resposta de Roberto Gurgel, procurador geral da RepúblicaPDFImprimirE-mail
Qui, 24/05/12 17h14
Roberto-Gurgel11


Para Gurgel, o “engavetamento de mais de dois anos foi uma estratégia”. Só não pensou ter sido também uma estratégia para Cachoeira continuar a delinquir.
E quem aproveitou a ilegal estratégia de Gurgel ? Com a palavra, o senador Demóstenes Torres, Fernando Cavendish, responsável à época pela construtora Delta e Carlinhos Cachoeira. Será que teriam coragem de dizer que foram prejudicados pelo engavetamento ?
Por evidente, a sociedade civil e a legalidade foram as principais vítimas do engavetamento.
Volto a afirmar, pela lei processual penal, Gurgel tinha o prazo de 15 dias para se manifestar. Levou dois anos.
Mais ainda, como descobriu Gurgel que outro inquérito (Monte Carlo) seria aberto? E foi aberto por requisição de dois promotores estaduais (nada a ver com o Ministério Público Federal) e em face de ilegalidade decorrentes de exploração de jogos eletrônicos ilegais. E o inquérito (Monte Carlo) foi instaurado  anos depois da conclusão do inquérito da Operação Vegas. Pelo jeito, Gurgel tem bola de cristal.
Na resposta apresentada à CPI, o procurador-geral da República nada diz a respeito das trapalhadas feitas pela sua mulher quando entrou em cena como biombo para não atingir Gurgel. Para quem não sabe, ele era muito conhecido no Ministério Público Federal, pois fazia política associativa, interna. Não é, portanto, um diletante na arte de acordos políticos.
Só para lembrar, a subprocuradora sustentou, e foi desmentida pela direção da Polícia Federal, que houve pedido para “segurar” os autos. Ora, se fosse para ganhar tempo, o delegado pediria a volta dos autos para completar diligências. E ele não fez isso. Ao contrário, deu o inquérito por concluído.
Para usar uma expressão popular, não “cola a história” contada por Gurgel à CPI. E o delegado responsável pelo inquérito não iria concluí-lo para depois pedir ao procurador Gurgel, por meio de sua mulher, sentar em cima dos autos.
Abaixo, a notícia publicado, hoje, no Valor Econômico, por Maíra Magro, Yvna Sousa e Bruno Peres:
“O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, enviou ontem, no limite do prazo, seu depoimento escrito à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, com respostas às perguntas feitas por parlamentares. O documento, de sete páginas, repete o argumento de que a decisão de segurar o inquérito da Operação Vegas, em 2009, fez parte de uma estratégia do Ministério Público Federal para permitir novas investigações. Mas não entra na guerra de versões entre a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre quem teria solicitado a paralisação do inquérito”
Fonte: Carta Capital

Pedágio urbano passa na CCJ Câmara Municipal de SP - Portal Vermelho

Pedágio urbano passa na CCJ Câmara Municipal de SP - Portal Vermelho

Pedágio Ponto a Ponto é lobo em pele de cordeiro - Portal Vermelho

Pedágio Ponto a Ponto é lobo em pele de cordeiro - Portal Vermelho

Roubo de carros bate record em São Paulo

Mais de 15.000 carros roubados em Sampa de janeiro ao final de abril. perfazendo quase 4.000 carros roubados por mês na capital, ou 133 carros por dia.

Parabéns Governador Alckmin, e com estatísticas duvidosas da Secretaria de Insegurança Pública.

O Brasil vai bem, obrigado

Europa em crise, EUA em recuperação, China com queda de crescimento, e o Brasil vai passando com o seu caminhãozinho pela estrada da vida.
Malgrado todas as dificuldades e lutas intestinas, seja na área ambiental, seja na política, porque o motor das eleições deste ano já está ligado, sejam as greves que estão pipocando, o país vai bem.
A Presidente Dilma firmou-se perante a população como mulher austera e equilibrada, a corrupção vai sendo combatida e percebe-se que não sobra ninguém, atingindo até a imprensa golpista, a chamada mídia, que se faz de purinha só para instigar golpes.
Este sábado em Sampa o povo está nas ruas fazendo suas compras, está tranquilo com o seu país, que não tem guerras. Povo pacifico e solidário.
A chuva deu uma trégua e o sol apareceu quente por aqui.
Abraço a todos

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Agora que Dilma está forçando a queda de juros, que tal abaixarem os juros das dívidas também

Os bancos terceirizaram (venderam ?) a cobrança de suas dívidas e isto provocou um aumento ainda maior de juros nas cobranças, com ameaças de ajuizamento e outros expedientes de pressão.

O fato é que muitos brasileiros estão endividados e não conseguem pagar suas dívidas e encontram-se prisioneiros dos bancos.

É chegada também a hora de se abaixar os juros das dívidas, e estabelecer um jubileu de perdão no país.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

A idolatria de Deus

Cada segmento religioso dentro do cristianismo escolhe os setores responsáveis pela idolatria, utilizando este expediente para desferir golpes uns nos outros, numa guerra doutrinária que ofende o próprio Deus. Mas vamos lá.

Os evangélicos e demais correntes pentecostais escolheram como mote da idolatria as imagens de santos, santas , e até de Jesus Cristo, porque "Deus não pode ser retratado". Remetem-se, entre outros textos, ao  "Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem esculpida de nada que se assemelhe ao que existe lá nos céus, ou embaixo na terra, ou nas águas que estão debaixo da terra", Êx 20,3-4

Têm, em contrapartida que Jesus Cristo é o único mediador, e ponto final.

Com isto todos o católicos tornaram-se idólatras, pois adoram deuses falsos, e, consequentemente, não serão salvos, a depender da Misericórdia de Deus, graças a Deus.

Este Deus evangélico é centralizador e não compartilha seu reino.

Ele não se utiliza das pessoas para agir, e exige que tudo passe por Ele, sem outro tipo de mediação até Ele.

É um Deus do Antigo Testamento, anterior à plenitude da revelação em Cristo.

Jesus diz, em sua primeira frase, no primeiro evangelho, respondendo a João Batista que não se achava digno de desatar-lhe sequer as sandálias, que era preciso que se cumprisse "toda a justiça" Mt 3,15.  Jesus mostra mais humildade que João Batista, e quer ser batizado por João, ele que não precisava do batismo pois fora concebido do Espírito Santo.

Deus começa, no Novo Testamento, dando profundo testemunho de humildade, e transferindo aos homens a responsabilidade das transformações.

Mas como um Deus que exalta o outro pode ser exclusivista?

Nas curas e milagres não se tem notícia que chamou a si estes prodígios, mas exaltou aqueles que os conseguiram, admirando-se da grandeza da fé que possuíam.

Se não entendermos a humildade de Deus não conseguiremos conhecê-lo verdadeiramente.

Corremos o risco de nos lançarmos de volta ao Antigo Testamento, fazendo uma interpretação fundamentalista, sem aceitar que a revelação de Deus vem, de fato, com Jesus Cristo, que mostra um Deus compartilhador, que deseja agir pela mão humana. É o Deus conosco, o Deus entre nós, em nós, e por nós. Chega!

E Jesus Cristo é absolutamente o mesmo antes de sua encarnação, durante sua encarnação, e depois de encarnação, em sua ascensão aos céus.

Jesus não compartilhava na Terra e depois tornou-se, até os dias de hoje, um centralizador.

Ser mediador, dentro desta perspectiva comporta a participação do homem em comunidade.

Ser mediador nesta perspectiva caminha junto com a intercessão dos santos, em vez de se opor a esta, aqui e nos céus, porque Jesus Cristo continua sendo o mesmo.

O livro do Apocalipse 9,1-5 refere-se às "orações de todos os santos sobre o altar de ouro que está diante do trono" que o anjo atirou à terra.

Tenho a grata satisfação de saber que não serei um inútil no céu, nem estarei "dormindo", mas manterei minha personalidade e emitirei meus pedidos diante do trono, sabedor da realidade terrena.

Deus não deseja colocar-nos numa redoma de sonolência eterna, mas continua a ajudar-nos em nosso desenvolvimento, que certamente continuará lá.

Partindo da suposição de que somente Deus é completo, forçosamente estaremos nos desenvolvendo ainda por lá, e num grau certamente bem superior ao daqui.

Nesta altura da reflexão cabe rever o tema do texto e refazer a direção da pergunta:

Afinal quem está sendo idólatra nesta história?

Deus se revela diretamente ao homem pela sua palavra, mas a palavra pode ser interpretada de diversas maneiras, uma vez que dela emanam sempre novidades para nós.

Jesus ao ser tentado no deserto, ouviu o inimigo utilizar-se da palavra de Deus para tentar seduzi-lo a utilizar o poder que de fato Ele tinha. Então não é uma novidade saber que a palavra de Deus pode e é utilizada para o mal.

Assim, é possível que eu refira-me a Deus com base em sua palavra, e ao mesmo tempo, com base em uma projeção que faço a respeito dEle. Aí vou distorcendo, um pouco aqui, outro pouco ali, até Deus configurar-se em minhas convicções.

O Deus que acompanha tudo e sabe de tudo neste instante deve estar querendo que eu faça esta reflexão sem entrar em disputa, mas mantendo-me numa reflexão aberta e fraterna, bucando a verdade e ao mesmo tempo a unidade dos cristãos.

Hoje não tem greve e o congestionamento está maior

Então somos forçados a dizer que o Governelho do Estado de São Paulo está mostrando que consegue fazer o trânsito ficar pior, sem a greve. Ele está fazendo uma contrapolítica eleitoral, a chamada política  escorpião, que pica a si mesmo.

Isto chama-se incompentelhência.

Parabéns Sr. Alkmin pelo inusitado de hoje 24/05/2012, um dia após a greve dos metroviários e ferroviários.

Pensando bem, é melhor voltar a greve.

Crime racista mata pós-graduanda angolana em São Paulo

Perseguição racista contra um grupo de angolanos em São Paulo resultou no assassinato de uma estudante de nível superior com um tiro. Como paulista sinto nojo de que um crime deste tipo tenha acontecido em nossa cidade, que tem o acolhimento como característica principal.
O Governo de São Paulo tem a obrigação moral e democrática de prender este fascista covarde que assassinou uma inocente angolana que acabara de terminar a pós graduação e estava de passagem comprada de volta para Angola.
Peço desculpas ao povo angolano por tragédia tão torpe e imunda, que envergonha a todos os brasileiros, tão irmanados com o povo angolano.
Seu nome era Zumira de souza Borges Cardoso

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Geraldo Alckmin faz discurso retrógado que lembra a ditadura militar

O Governador de São Paulo bem que tentou.
Reatou com alguns sindicatos, trouxe o PDT para o seu governo, via Paulinho da Força, mas foi só ocorrer a greve do metroviários e Geraldinho faz um discurso chamando os metroviários de seguidores de um "grupelho" que fez greve política eleitoral.

Ora, AQUI GERARDA !!!!

O Metrô em greve e as rotas alternativas



Faz um bom tempo que o Metrô não entrava em greve em São Paulo. Os tucanos foram formando maquinistas substitutos, ajudaram a trocar a direção do sindicato, puseram mulheres dirigindo trens, na esperança de que fossem antigreves, mancomunaram-se com outros poderes, isto é acionaram a "Justiça" de forma a multar pesadamente qualquer iniciativa de paralisação.

Isto fez com que os metroviários, que eram uma categoria combativa, fosse sendo domada, domesticada até ficar amorfa. Entretanto a roda da História continua a rodar, o mundo gira e...eis os metroviários de volta.

Como sempre a mídia golpista entrevista muitos passageiros indignados, para justificar a proibição da greve.

"São serviços essenciais" argumentam, e os metroviários que se explodam.

De quebra botaram a polícia militar em cima do povo revoltado por não ter condução que fechara a radial leste, e acabaram prendendo um doméstica e outros populares.

Bem próprio dos tucanos, com bombas de gás lacrimogênio e bals de borracha bicuda.

Desde a redemocratização do país, os sindicatos fincaram pé em suas conquistas e exercem positivamente o seu direito de greve, que consta de nossa Constituição Democrática.

Eu, entretanto, voltando para casa, de volta do Taboão, tive de fazer várias rotas alternativas, acionadas ao meio do caminho, quando me defrontava com um congestionamento em frente. Foi um ÓIAEPS me guiando.

Viva o trabalhador brasileiro!

Viva o Governo popular de Dilma!

Vivemos uma rara época de liberdades no Brasil, que deve ser devidamente ressaltada.




Afinal a Realidade influencia os meios de comunicação ou os meios de comunicação infuenciam a realidade?

Cansei de ler teóricos dizerem que os meios de comunicação só reproduzem o que já existe na realidade, e que não exercem influência sobre a população.

Tudo balela!

Os meios de comunicação, principalmente a televisão, em seus vários programas acabam incutindo uma série de valores, ou melhor, contravalores nos diversos segmentos da sociedade, desde as crianças até os idosos.

Estou progressivamente adquirindo um asco a televisão. Cada vez curto uma grade menor de programas que considero seletos. São informações manipuladas, "novas regras morais", programas de humor onde se deprecia a pessoa humana, pegadinhas, onde se ridiculariza o outro, os exemplos são inúmeros.

A bem da verdade, quase não consigo mais ver nem jogo de futebol. Sinto uma guerra subjacente em tudo e todos. Creio estar me despregando das coisas do mundo e me tornando um eremita contemporâneo que se esconde de tudo sem ter caverna.

Os olhos do jovem brasileiro

Grande mundo, indefinido mundo.

Tantas oportunidades e tanto por se fazer.

Com alegria exportam esperanças, desdenham desafios, caminham naturalmente rumo ao desconhecido.
 
Trazem os olhos voltados para frente e para o alto.

Têm a limpidez de quem desconhece o perigo, desdenha a surpresa.

Estampam confiança.

Nem sabem do dolar em alta, da crise na Europa, do mercado de trabalho, mas sabem de música, de alegria, de estudo.

Querem mostrar sua capacidade sem tirar espaço do outro, sempre acrescentando.

O jovem brasileiro está espremido  entre um mercado de trabalho restrito e uma falta de preparo.

Pobre jovem brasileiro, correndo com o bolso vazio, à busca de um lugar que exige especialização.

China: primeiro sacerdote ordenado depois de 60 anos


Consagrada a nova Igreja da diocese de Hai Nan

Terça-feira, 22 de maio de 2012 (ZENIT.org) - A diocese de Hai Nan, formada por uma pequena ilha do sudeste da China, celebrou dois acontecimentos memoráveis em 17 de maio, solenidade da Ascensão: a nova igreja dedicada ao Sagrado Coração de Jesus foi consagrada e, sessenta anos depois da última ordenação, finalmente foi ordenado um novo sacerdote.

Segundo a agência Fides, mais de 600 fiéis assistiram à celebração presidida por dom Gan Jun Qiu, bispo de Guang Zhou, e concelebrada por outros bispos e cerca de sessenta sacerdotes.
Um vínculo especial une o novo sacerdote, Don Zhang, com a nova igreja: sendo seminarista em He Bei, Zhang foi enviado à diocese de Hai Nan para realizar as suas práticas pastorais antes da ordenação. Em Hai Nan, as autoridades locais doaram um terreno à comunidade católica e o pároco pediu ao bispo de Tang Shan, diocese de Zhang, que o jovem se encarregasse da construção da nova igreja. O custo do templo foi de 1,1 milhão de dólares, conseguido através de doações dos fiéis e, em parte, com o financiamento das autoridades.
Durante dois anos, o jovem seminarista ia e vinha de bicicleta para vistoriar os trabalhos nas obras da igreja. Zhang conquistou a tal ponto o carinho dos fiéis que o bispo solicitou a sua incardinação na diocese de Hai Nan, onde ele celebrou missa precisamente durante a consagração da nova igreja que ajudou a construir. De acordo com o pároco, a dupla celebração “foi um grande impulso para o futuro da evangelização”.
A diocese de Hai Nan foi separada do Vicariato Apostólico de Pakhoi em 1920 e transformada em prefeitura apostólica em 1936, sob os cuidados da Congregação dos Sagrados Corações. Até trinta anos atrás, a diocese tinha um único sacerdote, uma religiosa e apenas uma igreja. Hoje, os fiéis são seis mil, em sua maioria de etnia Han, com alguns poucos das minorias étnicas Li e Miao. A diocese conta com dois sacerdotes, duas religiosas e oito igrejas. 

terça-feira, 22 de maio de 2012

Descobertos livros cristãos, de cobre, escritos nos anos 70 dC

Texto interessante, pois vem confirmar o que muitos historiadores ainda colocam em dúvida: a presença de Jesus na Terra.





Ciência confirma: Livros de bronze seriam a maior descoberta de todos os tempos e falam de Nosso Senhor Jesus Cristo



A gruta onde teriam sido encontrados


Numa gruta de Saham, Jordânia, localizada numa colina com vista  ao Mar da Galiléia, foram encontrados 70 livros do século I  da era cristã que, segundo as primeiras avaliações, contêm                     as mais antigas representações do cristianismo.
Os livros têm a peculiaridade de serem gravados em folhas de  bronze presas por anéis metálicos. O tamanho das folhas vai  de 7,62 x 50,8 cms a 25,4 x 20,32 cms. Em média, cada livro  tem entre oito e nove páginas, com imagens na frente e no                     verso.
Segundo o jornal britânico "Daily Mail", 70 códices de bronze foram  encontrados entre os anos 2005 e 2007 e as peças estão sendo                     avaliadas por peritos na Inglaterra e na Suíça.
A   cova fica a menos de 160 quilômetros de Qumran, a zona onde  se encontraram os rolos do Mar Morto, uma das maiores evidências da historicidade do Evangelho, informou a agência  ACI Digital.
Importantes  documentos do mesmo período já haviam sido encontrados na  mesma região.


Aspecto de um dos livros em análise


No                     local ter-se-iam refugiado, no ano 70 d.C., os cristãos de                     Jerusalém, durante a destruição da cidade pelas legiões de                     Tito, que afogaram em sangue uma revolução de judeus que                     queriam a independência.
Cumpria-se então a profecia                     de Nosso Senhor relativa à destruição de Jerusalém deicida e                     à dispersão do povo judaico.
Segundo o "Daily Mail" os acadêmicos, que estão                     convencidos da autenticidade dos livros, julgam que é uma                     descoberta tão importante quanto a dos rolos do Mar Morto em                     1947.
Nelas, há imagens, símbolos e textos que se                     referem a Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Paixão.                    
David Elkington, especialista britânico em                     arqueologia e história religiosa antiga, foi um dos poucos                     que examinaram os livros. Para ele, tratar-se-ia de uma das                     maiores descobertas da história do Cristianismo.                    
"É uma coisa de                     cortar a respiração pensar que nós encontrámos estes                     objectos deixados pelos primeiros santos da Igreja",                     disse ele.



São Simeão, bispo de Jerusalém


Com                     efeito, na época da desastrosa rebelião judaica, o bispo de                     Jerusalém era São Simeão, filho de Cleofás (irmão de São                     José) e de uma irmã de Nossa Senhora. Por isso, São Simeão                     era primo-irmão de Nosso Senhor Jesus Cristo e pertencia à                     linhagem real de David.
Quando o apóstolo Santiago,                     "O Menor" (primeiro bispo de Jerusalém) foi assassinado                     pelos judeus que continuavam seguidores da Sinagoga os                     Apóstolos que ficaram, em rotura com o passado, escolheram                     Simeão como sucessor e ele recebeu Espírito Santo em                     Pentecostes.
Os primeiros católicos -naquela época não tinham aparecido heresias e todos os                     cristãos eram católicos -lembravam com fidelidade o anúncio feito por Nosso Senhor de                     que Jerusalém seria destruída e o Templo arrasado. Porém,                     não sabiam a data.
O santo bispo foi alertado pelo                     Céu da iminência do desastre e de que deveriam abandonar a                     cidade sem demora. São Simeão conduziu os primeiros cristãos                     à cidade de Pella, na atual Jordânia, como narra Eusébio de                     Cesárea, Padre da Igreja.
Após o arrasamento do                     Templo, São Simeão voltou com os cristãos que se                     restabeleceram sobre as ruínas. O fato favoreceu o                     florescimento da Igreja e a conversão de numerosos judeus                     pelos milagres operados pelos santos.







Os livros                           geraram muita disputa



Assim,                     começou a reconstituir-se uma comunidade de judeus fiéis à                     plenitude do Antigo Testamento e ao Messias Redentor                     aguardado pelos Patriarcas e anunciado pelos                     Profetas.
Porém, o imperador romano Adriano mandou                     arrasar os escombros da cidade, e os seus sucessores pagãos,                     Vespasiano e Domiciano, mandaram matar a todos os                     descendentes de David.
São Simeão fugiu. Mas,                     durante a perseguição de Trajano foi crucificado e                     martirizado pelo governador romano Ático. São Simeão recebeu                     com fidalguia o martírio quando tinha 120 anos. (cf. ACI Digital)






Emociona                     pensar que esses heróicos católicos judeus tenham deixado                     para a posteridade o testemunho da sua Fé inscrito em livros                     tão trabalhados. O fato aponta também para a unicidade da                     Igreja Católica.
Philip Davies, professor emérito de                     Estudos Bíblicos da Universidade de Sheffield, disse ser                     evidente a origem cristã dos livros que incluem um mapa da                     cidade de Jerusalém. No mapa é representada o que parece ser                     a balaustrada do Templo, mencionada nas Escrituras.                    
"Assim que eu vi                     fiquei estupefato", disse. "O que me impressionou foi ver uma                     imagem evidentemente cristã: Há uma cruz na frente e, detrás                     dela, há o que deve ser o sepulcro de Jesus, quer dizer, uma                     pequena construção com uma abertura e, mais no fundo, ainda                     os muros de uma cidade".
"Noutras páginas destes livros                     também existem representações de muralhas que, quase de                     certeza, reproduzem as de Jerusalém. E há uma crucifixão                     cristã acontecendo fora dos muros da cidade",                     acrescentou



domingo, 20 de maio de 2012

Luis Avelima envia-me foto de encontro da UBE em 1980
















Década de 80, efervescência literária com frequentes debates e reflexões em todos os lugares. 

É poca de novos posicionamentos. Um Brasil inimaginável surgia

Na sequência, Geraldo, Sayeg, Flavio Kothe, Luis

 Avelima, Possidônio Sampaio, João Paulo Naves 

Fernandes, Ludimar de Miranda, Claudio Willer,

 Cicarelli e Marigê Quirino.Bar do Franco, União 

Brasileira de Escritores , anos 80.