terça-feira, 29 de novembro de 2011

O Porra Louca

espermaNo anedotário político que assisti desde minha juventude, em participação no movimento secundarista, até os dias de hoje, um tipo de militante sempre se destacou pela eloquência e inconsequência.

Refiro-me à figura do PORRA LOUCA.

O termo em si, quase diz tudo o que se pretende explicar.

É uma ejaculação sem direção, perdida dos conformes e das medidas.

O Porra Louca é uma figura admirada por todos, porque está presente sempre que acontece uma reunião, uma assembléia, um debate.

Seu papel é questionar as posições existentes como inconsequentes, cheio de niilismo para com tudo, menos para si.

Milagrosamente é o que possui as melhores idéias. Belas idéias, mas pouco práticas.

Não consegue sair do discurso para a prática, porque deixa vulnerável sua posição "teórica".

Mas agita bastante, o suficiente para bagunçar com os objetivos de qualquer encontro.

Quando termina uma reunião, uns 30% dos participantes já estão desestimulados em participar de outra, em face da inutilidade desta.

Outros 30% saem confusos e sem idéias mais estruturadas, e 40% ficam putos da vida com o Porra Louca, devido ao estrago que causa.

No mundo sindical, o Porra Louca que fazer de uma greve uma revolução e derrubar o capitalismo ali mesmo, na marra.

O máximo, entretanto que consegue, é provocar uma péssima negociação da categoria com o patrão, deixando-a sem saída e a mercê das imposições da justiça do trabalho.

Mais tarde, o Porra Louca culpa a diretoria do sindicato pelo insucesso, como se nada tivesse a ver com isto.

Normalmente o Porra Louca é uma pessoa ou corrente política que se coloca contra o sistema de fora do sistema, não aceitando sob hipótese alguma, qualquer participação nas esferas do poder, seja municipal, seja estadual, seja federal.

Se alguém de esquerda ocupar tal posição, é imediatamente execrado pelo Porra Louca. 

Os banqueiros podem ocupar este espaço, os fazendeiros também, os donos das grandes corporações industriais igualmente, mas algum representate da esquerda...ah, isto é um sacrilégio.

Passam os anos e eles permanecem "puros" e sem nenhuma contribuição a trazer para a melhoria das condições de vida do povo, mas se orgulham por permmanecerem nas trincheiras da resistência.

Um dia a vida acaba e eles não serão lembrados, porque vida é inexorável e nos questiona diariamente sobre o que fizemos para os outros, principalmente os menos favorecidos.

Aí não serão encontrados os Porra Loucas, porque eles não aceitam o assistencialismo, pois o assistencialismo "retarda a revolução".

O Porra Louca deve ser sempre combatido.

Ele não tem nada a ver com o marxismo nem com o leninismo, mas gosta de dizer que tem, sendo ele mesmo "o melhor representante deste pensamento".

Existe hoje um bom número de Porras Loucas por aí achando-se o máximo, enquanto não fazem nada de útil para o Brasil e o mundo.

Trovejam, esperneiam, acham-se os tais.

Deixam até cavanhaques para se assemelharem aos seus teóricos de origem, os quais não entendem, mas dizem que seguem.

Muito louco, muita porra louca. 

Reflexões na Europa sobre um novo humanismo

A crise na Europa está suscitando uma revisão dos valores presentes na sociedade européia, seja em termos de rompimentos, como em termos de continuidade. E a procura de um novo humanismo, que comporte um diálogo entre crentes e não crentes, sem que necessariamente deixem suas posições, mas reconheçam-se integrantes de uma mesma cultura. Veja matéria que retirei do Zenit, sobre o diálogo entre crentes e ateus promovido pela Igreja.

Um novo humanismo além do secularismo e do integrismoO ministro Ornaghi e a escritora Kristeva dialogam no Festival Bíblico de VenezaVENEZA, segunda-feira, 28 de novembro de 2011 (ZENIT.org) - Um diálogo de alto nível intelectual aconteceu entre o novo ministro italiano da cultura, Lorenzo Ornaghi, e a escritora Julia Kristeva, no encontro "Sobre religião e laicidade na Europa", promovido pelo Festival Bíblico no Salão da Cultura Europeia, em Veneza, neste sábado (26), por iniciativa do Corriere della Sera e da Nordesteuropa.it.
"Sem o humanismo não podemos enfrentar os desafios futuros", afirmou Ornaghi, em sua primeira fala pública após a nomeação para o Ministério do Patrimônio Cultural.
"A presença da religião no âmbito público me parece hoje essencial para reforçar as características constitutivas da vida social, a qualidade do sistema democrático, o seu funcionamento normal, em vez de ser entendida como uma ameaça ao espaço secular da coisa pública.
É possível conceber a participação dos crentes no debate público e a manifestação pública da sua fé como articulações diferentes de racionalidade, como expressões - para usar a fórmula de Habermas – de um ‘desacordo razoavelmente previsível’”.Segundo o ministro, "o papel público da religião numa sociedade" pós-secular "não consiste na substituição da cada vez menos eficaz transcendência política. Pelo contrário, ela tem um papel "corretivo", um papel que se mostra ainda mais interessante quanto mais a fé e a razão estiverem num diálogo constante".
Por sua vez, Julia Kristeva falou em "ousar o humanismo " num novo diálogo entre a tradição secular e a religiosa: "O nosso encontro de hoje acontece depois de um evento de importância histórica considerável: o convite do papa Bento XVI a uma delegação de não-crentes, à qual eu pertencia, para o encontro ecumênico de Assis. Muito mais do que a nossa presença, foi o discurso do Papa na conclusão do encontro o que eu acho que foi um evento importante".
A escritora destacou a harmonia incomum entre crentes e não crentes que pode caracterizar a época atual “sem estigmatizar no humanismo secularizado um motivo de niilismo, ou uma ameaça para a civilização, como facilmente é feito por algumas correntes religiosas. Este papa filósofo convida os crentes a apreciar ‘o caminho para a verdade’ que é trilhado por essas ‘pessoas à procura’, que são os humanistas, em vez de considerar a verdade como uma ‘propriedade que lhes pertence’. Essa verdade como ‘luta interna’ e como ‘interrogação’, evocada por Bento XVI, é precisamente o que o humanismo cristão nos transmite, esse humanismo do Renascimento e do Iluminismo. Um humanismo produzido na Europa, interrompendo o fio da tradição religiosa (nas palavras de Tocqueville e Arendt).
Um humanismo cuja refundação devemos constantemente empreender: não esquecendo os abusos do obscurantismo, mas esclarecendo a complexidade e a profundidade do legado que nos precede"."Estamos conscientes de que não é possível uma economia sem uma robusta inventividade cultural e moral”, sublinhou, no discurso de abertura, Dom Roberto Tommasi, presidente do Festival Bíblico. “A experiência do nosso festival, na sua redescoberta da mensagem das Escrituras judaico-cristãs para a humanidade, é uma variação feliz no diálogo entre o humanismo cristão e secular".Roberto Righetto, editor de cultura do periódico Avvenire, destacou, por sua vez, que o diálogo Kristeva-Ornaghi é um passo no caminho para "delinear um novo humanismo para hoje. Os totalitarismos revelaram que o progresso humano não se desenvolve num caminho linear, mas diante desta situação não se deve ceder à paixão de anulação. Lembrem-se de Albert Camus, definido por alguns como ‘um santo sem Deus’, que incitou os fiéis a não ceder ao mal, às pragas antigas e novas, sempre à procura de um renovado ‘exercício de piedade’".O encontro entre o novo ministro e a pensadora francesa foi frutífero e útil na estratégia de "reestabelecimento do espírito europeu, duramente testado nesses tempos difíceis em que nos encontramos", concluiu Zovic Filiberto, editor da Nordesteuropa.it e promotor do Salão da Cultura Europeia.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Endividados e enganados. O mutirão da renegociação das dívidas

Aconteceu neste fim de semana na Praça da Sé.

Milhares de pessoas acorreram para lá na esperança de encontrar saídas para suas dívidas.

O inevitável, no entanto, aconteceu.

Não haveria tempo hábil para tantas pessoas renegociarem suas dívidas naquele lugar.

O resultado foi o de uma imensa afluência de pessoas que apenas se recadastraram para negociar, no futuro, as suas dívidas.

Não havia uma renegociação, havia uma reorganização dos setores de cobranças que estava desatualizados.

Não há garantias de que surgirão propostas atraentes para os endividados, muito pelo contrário, surgirão novas cobranças, com os novos endereços.

A situação dos endividados continuará, e são muitos.

A maioria constituída de pessoas simples, do povão. Uma senhora ao meu lado dizia:

- Olha,  isto que está acontecendo(tanto a dívida quanto este mutirão) é coisa do diabo.

Fiquei em silêncio concordante.

Como podem dar este tipo de golpe no povão, em pleno domingo.

Estes dias vi uma matéria, um estudo do Dieese, que mostrava que por ano há uma rotatividade de pessoal, o chamado turn-over, em mais de 50%, no país.

Este fato desequilibra qualquer orçamento, e provoca inadimplências inesperadas, em pessoas até então bastante responsáveis.

Não posso deixar de acrescentar que os grandes bancos estouram os juros de tal forma que as dívidas aumentam facil e rapidamente.

Sou pela estatização do setor bancário, por se tratar de atividade não produtiva.

Os bancos deve ficar nas mãos do Estado, que comparativamente deve ser mais compreensivo com os problemas dos cidadãos, que os ganaciosos grupos estrangeiros e nacionais.

E o povo deve ir aprendendo que existe muita armação nesta área, e é bom dormir com um olho aberto.

domingo, 27 de novembro de 2011

Dona Teresa, exemplo de abnegação no cuidado com os animais

Neste terceiro milênio tive a graça de morar em dois lugares diametralmente opostos: O Portal do Morumbi, e a Barra Funda.

Um bem elitizado e outro querendo renovar-se.

A Barra Funda é um bairro sui generis, com classe média em prédios de última geração e mendigos abandonados dormindo nas ruas, mais uma enoremidade de outros fatos que falarei em outra oportunidade.

Quero centrar este artigo em uma mulher que venho conhecendo e aprendendo a admirar.

Inicialmente pareceu-me um louca, mas com o tempo percebi, que nem ela era louca, e nem eu racional e justo.

Dona teresa é a maior protetora de animais que há conheci.

Pobre, com alguns recursos, sai todos os dias com o seu carrinho cheio de comida, e vai até onde existem os animais abandonados.

Aqui perto de casa tem dois cachorrinhos que moram em um esgoto de um bêco, na Lopes Chaves. Pois não é que ela fez uma casinha para eles se refugiaremdurante as chuvas, e traz comida, roups para vesti-los, leva-os para banho e tosa, sendo que são cães de rua.

Estes dois cachorros são os últimos que foram criados por um morador de rua que foi preso, e largou a todos em abandono. Só assim pudemos descobrir que ele violentava uma cadelinha com quem dormia, deixando-a literalmente arrebentada.

Dona Teresa pegou-a, levou-a para um veterinário, e cuidou dela.

Quando Dona Teresa passa pela Escola Talarico, aqui por perto, um grupo de gatos aparece do nada e rodeia a mulher. Os cães fazem a mesma coisa.

Ela é admirável.

Detalhe: ela odeia gente.

Inverteu os valores, depois que viu as atrocidades que fazem com ao seus bichinhos.

Penso diferente, pois vejo no ser humano o estágio mais elevado da criação.

Recentemente, entretanto estou tendendo a concordar um pouco com ela, pois os animais não matam os outros só por matar, mas para se alimentar.

Estive em um restaurante de 40 anos no centro de Sampa



Num passeio pelo centro, onde pude admirar a imensa fila dos devedores que serpenteava o grande Vale do Anhangabaú.

Eram os inúmeros endividados da cidade, sonhando em limpar os seus nomes, presos no Serasa, ou nos cartórios, impedindo-os de adquirir uma geladeira, um televisor. Sim, porque limpar o nome significa contrair novo empréstimo.

Lógico, nem todos que lá estiveram queriam ouvir falar em novos empréstimos, mas era só dar uma olhada no local da "negociação", onde supostamente se reduziria a dívida, e se notaria um setor de empréstimos(?).

Emprestar para pagar a divida? Mas isto é explorar ainda mais o devedor.

Ouvindo alguns dos que por lá estavam, percebi que não houvera negociação alguma, nem redução das dívidas, houve sim, um mapeamento dos endividados para reforçar a cobrança dos mesmos, num futuro próximo.

Estavam desencatados com a "humanidade" dos bancos e das empresas públicas que lá estavam para negociar.

Pelo volume de pessoas que havia, era impraticavel qualquer "negociação", porque negociação demanda tempo, e lá pelo volume de gente, isto não seria possível.

Lembrava a forma de arregimentação de soldados para a Guerra do Paraguai.

Colocavam uma banda tocando na Praça da Sé, e quando a praça estava cheia de gente, fechavam as ruas laterais e capturavam as pessoas, que eram obrigadas a se alistar como soldados para lutarem na guerra.

Lá observei também a nossa versão tupiniquim do Ocupem Wall Street, o "Ocupem o Anhangabaú", que não incomodava ninguém, pois não se encontrava no meio de algum caminho importante, como em Wall Street.

Parecia mais um grupo de abandonados da rua, esquentando comida naqueles panelões empretejados.

Para uma crítica do capitalismo, fato saudável e necessário, guardava uma semelhança com um movimento espontâneo e sem vínculos com qualquer movimento organizado.

Lembrava mais o movimento dos sem teto, mais organização.

Uma tal contradição entre uma fila de endividados e o Ocupem o anhangabaú, talvez saísse alguma revindicação maior. Mas não, um e outro se desconheciam no Vale ocupado

Voltando desta "tour" paramos, eu e minha esposa Meg, numa casa de mate gelado, na subida do Anhangabaú, e nos refrescamos um pouco do calor.

Há uns 20 ou 30 anos atrás ali era um ponto de parada obrigatória, para quem fosse ao centro, mas hoje, com o centro decadente ali há um certo saudosismo.


Caminhamos pela São João, passamos por um prédio ocupado por sem tetos, que fica bem na esquina com a Ipiranga,  e alcançamos o Restaurante La Farina, rua aurora 610, bem na travessa, bairro Santa Ifigênia,

O restaurante tem bancos com encostos altos que separam uma mesa da outra.

Olhamos o cardápio e nos encantamos com um tortelone verde com nozes, mais molho de quatro queijos, gratinado ao forno. Porção para dois.

Os garçon eram de "alguma" idade, acompanhando os 40 anos do restaurante, o que não é demérito para o proprietário, ao contrário, mostra história e tradição, valores que respeitamos e valorizamos.

Posso dizer que nos refestelamos bastante com a saborosíssima massa.

Eu que sou frequentador do "Gato que Ri", no Arouche, descobri outro espaço esquecido no passado da cidade.

O centro de Sampa está realmente abandonado, mas ainda tem belas alternativas tanto de visita, como de alimentação.

No Vale do anhangabaú vi um misto de turistas fotografando uma fonte desativada, enquanto um cidadão urinava ao lado. Tudo com muitos sorrisos ingênuos e discrição de quem urinava, como se também estivesse observando algo.

Dá para aceitar?

O PRESÉPIO HOJE




Retirei do Zenit para ajudar a conhecermos melhor como o presépio chegou até os dias de hoje.


São Francisco e a história de uma tradição natalina
Por Antonio Gaspari
ROMA, sábado, 26 de novembro, 2011 (ZENIT.org) - Quem inventou o presépio?, Por que o fez? O que tem a ver São Francisco com a história do presépio? Qual é o significado? Por que esta tradição resiste ao longo do tempo?
Para conhecer e aprofundar a história do presépio e a sua atualidade também no mundo moderno de hoje, ZENIT entrevistou o padre Pietro Messa, diretor da Escola Superior de Estudos Medievais e Franciscanos da Pontifícia Universidade Antonianum, em Roma.
Qual a relação entre São Francisco e o presépio?
Em 1223, exatamente no dia 29 de novembro, o Papa Honório III com a Bula Solet annuere aprovou definitivamente  a Regra dos Frades Menores. Nas semanas seguintes Francisco de Assis dirigiu-se para o eremitério de Greccio, onde expressou seu desejo de celebrar o Natal naquele lugar.
Para uma pessoa do local ele disse que queria ver com os "olhos do corpo" como o menino Jesus, na sua escolha de humilhação, foi deitado numa manjedoura. Portanto, determinou que fossem levados para um lugar estabelecido um burro e um boi – que de acordo com a tradição dos Evangelhos apócrifos estavam junto do Menino - e sobre um altar portátil colocado na manjedoura foi celebrada a Eucaristia. Para Francisco, como os apóstolos viram com os olhos corporais a humanidade de Jesus e acreditaram com os olhos do espírito na sua divindade, assim a cada dia quando vemos o pão e o vinho consagrados sobre o altar, acreditamos na presenção do Senhor no meio de nós.
Na véspera de Natal em Greccio não haviam nem estátuas e nem pinturas, mas apenas uma celebração Eucaristica numa manjedoura, entre o boi e o jumento. Só mais tarde é que este evento inspirou a representação do Natal através de imagens, ou seja, por meio do presépio, no sentido moderno.
Por que fez isso?
Francisco era um homem muito concreto e para ele era muito importante a encarnação, ou seja, o fato de que o Senhor fosse tangível por meio de sinais e de gestos, antes de mais nada, pelos sacramentos. A celebração de Greccio se coloca justamente neste contexto.
Como você explica a popularidade e a disseminação dos presépios?
Francisco morreu em 1226 e em 1228 foi canonizado pelo Papa Gregório IX; desde aquele momento a sua história foi contada, evidenciando a novidade e, graças também à obra dos Frades Menores, a devoção à São Francisco de Assis se espalhou sempre mais em um modo capilar. Como conseqüência também o acontecimento de Greccio foi conhecido por muitas pessoas que desejavam retratá-lo e replicá-lo, passando a apresentar e promover o presépio. Desta forma se tornou patrimônio da cultura e da fé popular.
Qual é o significado e por que a Igreja convida os fiéis a representar, construir, ter presépios em casa e em lugares públicos?

A Igreja sempre deu importância aos sinais, especialmente litúrgico sacramentais, tendo sempre o cuidado de que não terminassem numa espécie de superstição. Alguns gestos foram encorajados porque eram considerados adequados para a propagação do Evangelho e entre esses está justamente o presépio que sua simplicidade dirige toda a atenção à Jesus.
Qual é a relação entre o presépio e a arte? Por que tantos artistas o têm pintado, esculpido, narrado, ....?

Devido à sua plasticidade o presépio presta-se às representações na qual o particular pode se tornar o sinal da realidade quotidiana da vida. E justo esses detalhes da vida humana - os vestidos dos pastores, as ovelhas pastando, o menino preso à saia da mãe, etc - foram representados também como indícios ulteriores do realismo cristão que emana da Encarnação.
O que você acha da devoção popular pelo presépio ainda muito difundida entre o povo? Deve ser estimulada ou limitada?
Como São Francisco cada homem e mulher precisa de sinais; alguns já são incompreensíveis enquanto que outros pela sua simplicidade e imediatismo têm ainda uma eficácia. Entre estes podemos colocar o presépio e, portanto seja sempre bem vinda a sua propagação.
Tendo em conta este debate, sexta-feira, 18 novembro, foi realizada uma reunião na Pontifícia Universidade Antonianum (Hall Jacopone da Todi), com Fortunato lozzelli e Alessandra Bartolomei Romagnoli justamente sobre os lugares de Francisco de Assis na região do Lácio, com particular atenção para o santuário franciscano de Greccio
.

sábado, 26 de novembro de 2011

Um lanche para um miserável.

Fim de sábado. Minha esposa pede um lanche, um sanduiche de filé de frango. Há uma lanchonete aqui perto, na Barra Funda, o Barra Lanches.

Estava sem vontade de sair, mas devido a insistência saí para comprá-los, saco...

Ao passar pela Lopes Chaves, antes de chegar na rua Barra Funda, vi um morador de rua, semi coberto(ou descoberto?), e deitado ao lado de um latão de lixo de um prédio, tudo muito sujo.

Pensei comigo, como é que eu posso ir comprar alguns lanches e não trazer nada para este cidadão(ele que ninguém nota).

Continuei minha caminhada até o bar e durante o trajeto meu egoísmo foi reduzindo o pedido para o morador de rua para talvez, um queijo quente e um café.

O fato é que acabei até me esquecendo dele, o que foi ainda pior.

No bar, vieram outros assuntos, passava a final de um jogo do Sport e a sua vitória colocava dois times de Recife na divisão especial.

Na volta passei novamente pelo mendigo, que dormia do mesmo jeito, com a metade do corpo descoberta.

Nquele momento fui acometido com a crise de remorso pelo esquecimento que tivera.

Cheguei em casa com os três sanduiches pesando cada vez mais nas mãos.

Sentamos, eu e Meg, para comer, mas aquele mendigo não saía da minha cabeça. Fizemos nossa oração antes da refeição, como é nosso costume, e o alimento tornava-se mais indigesto

Comemos o nosso filé de frango e o terceiro normalmente que era para ser dividido entre nós, estava incomodando minha consciência.

Não resistindo falei com Meg do acontecido, da pessoa abandonada ali na rua, e concordamos que aquele lanche seria para ela.

Terminamos nosso lanche, e fui levar o terceiro, que sobrara.

Ao chegar lá tive de acordá-lo, não sem antes perceber que por dentro de sua calça, rasgada, em sua perna, andava um verdadeiro formigueiro. Impressionante.

Ele agradeceu surpreso, e começou a abrir o sanduiche.

Uma vez entregue, fui embora, mas a meio caminho, incomodado com as formigas, voltei e perguntei-lhe-lhe se não percebia que estava cheio de formigas em seu corpo.

Ele admitiu com uma certa naturalidade, como se fossem membros de sua casa.

Fui embora, meio revoltado, meio pesaroso.

Escandalizado da condição que este povo vive, em total abandono de convívio, de entidades assistenciais, de governo, de partidos, de mim, de tudo.

Abandono total.

Voltei para casa com a sensação de ter feito quase nada.

Deus que me vê, percebeu que este round eu venci, não me deixei levar pelo egoísmo, mas depois, amanhã, não sei...

Lembrei-me de Jesus falando: "tudo o que fizeres por um desses pequeninos, é a mim que fareis".

Minha consciência me retira do comodismo.

Kassab, solução prefeito. João, coragem.

Expulsar os drogados para os locais de origem é fascismo

A Prefeitura de São Paulo começou a fazer bobagem no caso da solução do problema das drogas, principalmente do crack.

A prefeitura decidiu que vai repatriar os drogados para as suas cidades de origem, pagando as suas passagens e colocando-os nos ônibus intermunicipais..

Entendo que muitos dos que forem ler este artigo possam ter a opinião de que o prefeito está certo, mas penso que devemos analisar a situação, com vistas a uma solução e não como transferência do problema.

Digo que esta atitude é fascista e atinge em cheio o direito de ir e vir, do sistema democrático de vida.

Queremos soluções concretas para este problema e não esta história para boi dormir.

Se Kassab quer encobrir o problema desta forma, está mostrando o seu lado discriminador e nazi.

Esta atitude será colocada em sua conta nas próximas eleições.

Porque o PIG agora ataca Kassab?

Problemas devem existir na administração Kassab, mas cabe também a pergunta:

Porque logo ele foi escolhido como a bola da vez do PIG (Partido da Imprensa Golpista)?

Muito simples: Kassab, embora um conservador, fez um tremendo buraco nas forças da direita, tirando deputados dos Demos e dos tucanos. E Kassab abre um diálogo novo com Dilma. Agora, com o seu PSD quer perpetuar-se na Prefeitura de São Paulo, e faz pressão para que o PSDB deixe de lançar candidatos para a Prefeitura de Sampa, para apoiar o seu candidato.

A ajuda do PIG veio logo, desfigurando a administração do atual prefeito, como está fazendo com Dilma.

Só restam os bons mocinhos dos Demos e do PSDB, que são preservados a ferro e a fogo.

Não importa se eles fizeram tramóias nas licitações da linha lilás, como o Ministério público mostrou, o que importa é derrubar Dilma.

Um fato novo entretanto começa a aparecer.


A chamada "opinião pública" começa a ficar em dúvida quanto a estas manipulações, e isto já é um começo. 

A fila dos endividados

Hoje, sábado, ao passar pelo Anhangabaú e deparei-me com uma das maiores filas que já vi em São Paulo.

Para se ter uma idéia da fila, eu não não tive noção de onde ela começava, nem onde terminava.

Sei apenas que ela parecia uma imensa cobra que se escorregava pelo grande Vale, mostrando um movimento constante.

Tratava-se do "mutirão de limpeza do nome", forma que as empresas, particulares e públicas, encontraram para fazer os endividados saírem desta situação de agonia.

O anúncio pela TV e rádios falava de grande dedução da dívida, por isso o aluvião de gente querendo limpar o nome.

Imagino o que se passava na cabeça deste povo, enquanto estava na fila...

- Será que eles irão perdoar minha dívida?

- Mas eu tenho tão pouco dinheiro para pagar, será que irão aceitar minha proposta?

- Não consigo dormir com esta dívida aumentando a cada dia, será que irei resolver?


Imagino também os representantes das empresas...

- Preciso ver até onde eles podem pagar, e então faço a proposta.

- Vou reduzir um pouco e ver se eles reclamam. Se reclamarem muito, abaixo mais um pouquinho, e assim vou.

- Este povo é folgado, compram e depois não tem como pagar. Agora vem chorar.


Muitos pensamentos, aflições e angústias acontecem enquanto não se reúnem para negociar as dívidas.

Os mais espertos conseguirão fazer grandes reduções e os ingênuos continuarão pagando um pouco.

O importante é saber que as pessoas não estão endividadas por prazer. Caso contrário não estariam aí.

Ah ...como queria que se realizasse no Brasil pelo menos um Jubileu, como daqueles expresso por Deus no Antigo Testamento, onde todas as dívidas ficavam perdoadas, a cada 50 anos.

Como Deus pensou direitinho nos endividados. "perdoai as nossas dívidas, assim como perdoamos os nossos devedores"

O problema é que acabou ficando letra morta esta palavra de Deus.

Não me lembro de nenhuma ocasião em que as dívidas de tudo e de todos fossem perdoadas, como é dito no Jubileu.

Paciência, vou procurar entrar nesta fila também, amanhã.

Se tem muita gente ali, é porque deve ser bom.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Desculpe, estou sem tempo (para a sexta-feira)

Não tenho tempo para nada
O beijo fica para depois
o abraço deixo por dar.

Preciso pagar as contas
ir ao banco
ter uma reunião na empresa
visitar o cliente
apresentar um produto.

O trânsito me segura
me aflige
a hora aperta
me comprime.

Não há tempo
mas encontro tempo
para dizer
que fica para depois.

Vamos nos ver
qualquer dia destes
entre uma atividade e outra.

Vamos ver se nos vemos
num fim de dia
fim de tudo
quando não restar mais nada
além de um cansaço
supremo.

Deixa para outro dia
que a gente encontra
uma maneira manera
de se encontrar.

Quem sabe à noite
quando a lua
estoura no horizonte
e se possa relaxar.

Mas não,
nem à noite
apaga a corrida
por um espaço
uma comissão
um encontro
oficial.

Então adeus!

Declara-se morta
a civilização
póscontemporânea
extemporânea
secularista
exclusivista
imediatista
materialista.

Declara-se
o fim do fim.

Só um grande hiato
poderá superar
esta doença
da corrida
louca,
um grande vale
que se abra
para separar
esta geração
de outra.

Fico refém
deste tempo
prisão
exclusão

Fico
a meio termo
entre o ser
e o não ser.





quinta-feira, 24 de novembro de 2011

PIG (Partido da Imprensa Golpista) ataca a ANP em vez da Chevron



Em atitude antipatriótica o PIG (Partido da Imprensa Golpista) resolveu atacar a ANP (Agência Nacional de Petróleo) em vez de cobrar da Chevron as responsabilidades pelo vazamento de petróleo.

Por quê o PIG quer atacar a ANP?

A razão é muito simples: a ANP é a principal responsável por conseguir a reserva do Pré-Sal para o brasileiros, retirando da Petrobrás, que foi muito privatizada por FHC (que desejava chama-la de Petrobrax).

Os interesses estrangeiros ficaram furiosos com esta alteração nas regras do jogo, perdendo sua "boquinha" na exploração desta grande reserva. E a Chevron, neste instante, está de barbas de molho, podendo não ter mais concessões de exploração de nosso litoral.

E por quê a ANP fez isto?

A Agência Nacional do Petróleo fez estas sugestões ao Presidente Lula, na época, porque tinha um comunista em sua direção, Haroldo Lima, velho quadro da Bahia, defendendo os interesses nacionais.

O PIG assim quer atingir o PC do B neste momento, que exerce forte controle sobre as multinacionais, e em particular a Chevron, através da ANP.

O PSDB e o DEM entram neste canto de sereias, com o PIG, porque fazem parte do mesmo time internacional.

É  mais um dos golpinhos homeopáticos que a direita desfecha, com o objetivo de, em algum momento, atingir a própria Presidente Dilma.

A Presidente já está vacinada dos golpetes do PIG, e está segurando o Ministro do Trabalho, mandando um recado a estes saudosistas do passado elitista do país, de que ela não vai entrar mais nesta conversa de boi dormir.

Veja matéria que retirei do IG.

O Tribunal de Contas da União deve iniciar hoje uma auditoria na Agência Nacional de Petróleo.
O TCU é um órgão auxiliar do Congresso Nacional e a ANP entrou na mira do Congresso.
Não só por causa da oposição como também dos governistas,  por conta do vazamento de petróleo no poço da Chevron no litoral do Rio de Janeiro.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

MEDITAÇÃO E GERENCIAMENTO DO STRESS NO TRABALHO / Maria Cristina Pesce


A Scortecci Editora convida para o lançamento do livro Meditação e Gerenciamento do Stress no Trabalho de autoria de Maria Cristina Pesce.
Na EXPOCBTD 2011 - Exposição de Produtos e Serviços para Recursos Humanos promovida paralelamente ao 26º Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento no Mendes Convention Center.
Data: 07 de dezembro de 2011 (quarta-feira)
Horário: 10h30, 14h45 e 16h15
Local: Estande 12
Endereço: Av. General Francisco Glicério, 206 - Santos - São Paulo

A meditação vem despertando a atenção não só dos profissionais da área de saúde, como também de organizações e empresas que estão preocupadas em proporcionar aos seus funcionários, programas que disponham de métodos destinados ao controle do stress e à melhoria da produtividade e da qualidade de vida. O livro expõe de forma prática o “passo a passo” das diferentes técnicas de meditação e sugere um programa inédito e prático para as empresas, o qual possibilita o alcance de resultados seguros no que se refere à melhoria da saúde física e mental do trabalhador e ao aumento da sua produtividade e bem-estar.

Sociedade civil programa ato público em defesa do SUS

Sociedade civil programa ato público em defesa do SUS

Marta Suplicy comemora notícia de distribuição dos lucros do FGTS



Muito boa notícia esta. Vamos apoiá-la para garantir mais poder aquisitivo para os trabalhadores. Pelo visto Marta está agindo no senado, e isto é bom.

Como previsto PT pressiona Netinho a abandonar candidatura em São Paulo

Netinho acenaNo quesito autoritário, de fazer valer a força para obter o que quer, o PT é exatamente igual aos partidos da direita.

Segundo foi amplamente negociado, o PT pretende colocar na mesa o apoio à permanência do PC do B no Ministério do Esporte, e talvez jogue com o apoio a candidatura de Manuela em Porto alegre, num jogo de xadrez eleitoral.

Mas afinal o negão não é pólvora queimada?

Se é, porque querem requentá-lo agora?

É porque sabem que ele tem voto exatamente na seara do PT, na periferia. e sabem também que este voto é expressivo.

O negão tem resistências nas chamadas classes médias da população, aquelas preconceituosas, que irão lembrar que ele é pagodeiro e não advogado ou engenheiro, e que já foi violento com a mulher, mesmo que seja um fato superado pelas partes.

Mas a classe média é este ping-pong mesmo: se a situação está boa, pende para a direita, se piora, vai para a esquerda. E em se tratando de Sampa, ela é bem conservadora, com tendências fascistas e racistas. 

A discussão, entretanto, que se deve começar a praticar é: qual é o tipo de gestão com caráter popular que o PC do B pode apresentar, que avance além da social democracia morna apresentada pelo PT?

Apresentar o mesmo tipo de gestão do PT não pode, senão cairemos na vala comum dos "socialistas" por aí, que não fazem mais que repetir os governos de direita.

É preciso defender urgentemente o SUS contra as investidas privatizantes, como a que acabaram de fazer com o nosso querido HC, onde os serviços privados crescem lá dentro em quantidade e qualidade, em relação às atividades de atendimento gratúito. Coisa de tucanos.

A democracia brasileira é incipiente mas é preciso aproveitá-la para educar a população nos valores socialistas de fato, com a escolha preferencial pelo povo pobre, os abandonados, os esquecidos.

Os governos do PT caminharam com a Bolsa Família, mas é preciso ir além, gerando grandes oportunidades de melhoria das condições de vida da população.

Ter um opção pelo desenvolvimento com distribuição de renda efetivamente, e não esmorecer nesta caminhada, aceitando as jogadas dos banqueiros, que estão incrustradados no Banco Central. 

Incrementar a reforma agrária e urbana, dando grande oportunidade e apoio logístico e material aos pequenos e médios agricultores.

Ter um programa efetivo de erradicação da droga em larga escala na cidade.

Incentivar as iniciativas dos pequenos e médios empresários.

Ampliar bastante o mercado de trabalho tanto para jovens como para os idosos.

Trabalhar fortemente para a recuperação do Rio Tietê e Pinheiros.

Chega da esquerda ficar dando recibo para os ambientalistas serem os únicos defensores do meio ambiente e da sustentabilidade.

Incentivar a cultura popular, e não apenas aos "famosos", programando grandes eventos junto ao povo nas várias regiões da cidade, e não apenas no centro.

Lema de campanha: 'O CENTRO É A PERIFERIA".

Gritarei, ouvirão?

O dia mal clareia e ponho-me de pé.

O sol, o frescor da manhã, e os pássaros cantando são um alento para o que vem pela frente.

Respiro fundo, dou uma boa olhada em tudo, busco no mais profundo céu uma possibilidade de ver a Deus, e parto.

As pessoas parecem zumbis, não se cumprimentam, se saúdam, se reconhecem.  Não, estão distantes de si mesmas, e em consequência dos demais.

Ganho as ruas,o calor seca a esperança, e acorda a realidade da cidade egoísta.

Como autômatos seguem trajetos repetidos todos os dias. Como autômatos consolidam um mesmo pensamento, personalidade, visão de mundo, grupo de relações, uma mesma atividade de sobrevivência, mesma esposa e filhos sociais.

Ouço os passos, frenesi do nada, conversas afiadas e cegas.

Só não ouço corações. Parecem não bater.

Busco uma Igreja.

Um sacerdote, do altar celebra Cristo para si mesmo.

"Com Cristo, em Cristo, e por Cristo" torna-se sem sentido diante de um santuário vazio.

Somente os velhos estão, os que compreendem a proximidade do fim, e procuram arrepender-se sem parar, em prestação de contas antecipadas dos inúmeros erros.

Melhor entrar em um supermercado, um shopping.

Lá estarão os jovens, os adultos, as mulheres.

Lá estarão todos bem acordados, à procura de como se vestir, alimentar, divertir.

Lá estarão com sorrisos mercadológicos, em contemporâneas relações de trocas, neo- estruturalismo antropológico.

Passam a vida trocando, trocando, como se nada se ajeitasse bem, e precisasse ser substituído rapidamente.

Passam a acreditar neste fim que não termina, como realização, recompensa.

Meus olhos não tem a mesma avidez, e sente sono, sonolência desta realidade perdida do capitalismo brasileiro dos anos 2000 dC.

Como uma resistência inconsciente a preservar os sentidos deste avêsso de vida, passo a ter um cansaço de morte.

Quem sabe a cama encerre-me desta prisão mundial, com o sussurro da noite, dos sonhos que ainda assaltam, e assopre em meus ouvidos outras possibilidades, alternativas.

Fantasmas da infância, da juventude, da senilidade fazem uma varredura em erros e acertos, culpando-me e perdoando-me, num etéreo campo de concentração da alma.

Já não posso mais dizer quem sou.

Um incenso de esperança é o único liame a guiar-me diante de tanta deformação da vida.

Tudo é permitido, nada proibido.

Somente se condena a naturalidade e a espiritualidade que desvendam a "nova verdade".

Gritarei.

Ouvirão?

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Bauru, cidade de serviços

Há uma lamúria subterrânea em Bauru, pelo fato da cidade não possuir muitas indústrias, e ser basicamente uma cidade de serviços e agrícola.

Consideram que muito se perde com isto, pois os jovens não tem alternativas de trabalho e saem para outras regiões.

Não é entretanto o que vi ao passar por ali, com um povo alegre e disposto.

É importante ressaltar que a capital de São Paulo foi uma capital industrial até aproximadamente 1970, transformando-se rapidamente em uma capital de serviços.

Ao chegar em Bauru, o avião passa por um aeroporto chamado Areal, completamente fora da cidade.

Os taxistas que servem este Aeroporto evitam usar as bandeiras com os preços e exigem um preço fechado que vai de R$ 70,00 a pelo menos R$ 100,00 pela corrida. Se o preço é justo ou injusto não sei, mas de certa forma equivale ao preço de Sampa, para ir a Cumbica.

Dado interessante é a quantidade de pessoas que vem do Brasil inteiro para Bauru para serem atendidos nos hospitais, para fazerem correções labiais e faciais. São pessoas simples, que ao chegarem no Aeroporto se defrontam com a única alternativa de  taxis caros.

A Prefeitura de Baruru colocou uma linha de ônibus do Aeroporto para a cidade pelo preço de R$ 2,40, mais para atender esta população de baixa renda. Observei que o ônibus fazia o percurso lotado, e era longe.

Até a chuva em Bauru é diferente da capital de SP.

Aqui o calor torna a fazer o dia se recompor, diferentemente de Sampa que recebe grandes trombas d'água de uma vez, inundando a tudo.

Não vi poluição também, talvez por conta da falta de indústrias, fato positivo, que ninguém quer ver.

Agora devo ir à missa da Igreja de Nossa Senhora de Aparecida. A Igreja me lembra muito as Igrejas Ortodoxas, pelo tipo de Ícones que existem.

Lógico, devo tomar um sorvete antes, só para matar a saudade do interior.

Bão!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Quem tem estrela, não adianta jogar praga, que não pega.

Refiro-me ao Adriano, o Imperador.

Depois de tanta contusão, de tanta gente praguejando contra ele, eis que, de repente, não mais que de repente, ele faz o gol que pode ser o gol do título. Pelo menos foi o gol da salvação momentânea do Corinthians neste final de campeonato.

Tem gente que nasce com o bumbum virado para o céu. E depois falam mal dos sãopaulinos.

Adriano merece o respeito pelo jeito particular de querer levar a vida.

Saiu da Itália porque tinha saudade do morro.

Bateu na ex-mulher num baile funk, sabe-se lá porque.

O que se sabe é que ninguém foi recriminá-lo por isso.

A imprensa passou batida no caso, e nem se soube de algum processo do movimento feminista.

Agora, chegando ao Corinthians que está essa baba toda por estar do lado de Ricardo Teixeira, contundiu-se e fez a imprensa sair criticando tudo dele, os atrasos, as ausências, etc.

Agora foi tudo esquecido, depois deste gol contra o Atlético Mineiro.

Bauru, cidade da paz, devido ao calor

Estarei estes próximos três dias em  Bauru à serviço, mas quero dizer que,ao levantar vôo de Congonhas hoje, 21 de novembro de 2011, o céu na Grande São Paulo estava todo poluído, ainda que o tempo estivesse limpo. Somente após Campinas percebemos que havia desaparecido a poluição.

Aonde esta civilização quer chegar, se ela não sabe controlar o seu hábito necrófilo? tudo esta civilização destrói.

Ao acordar, cedo para preparar-me para a viagem um amigo telefonou-me. Seu filho falecera nesta noite. Felipe lutara contra um câncer por anos até morrer. Eu que estudo teologia, que visito enfermos, que visitei mesmo o Felipe por duas vezes no hospital, que sou poeta e meio dono da palavra, não soube o que dizer a este amigo.

Perder um filho de trinta e poucos anos...é muito para um pai...e a mãe?

Peço a Deus que envie o espírito de consolação a estes dois irmãos que devem estar desconsolados.

Estou em Bauru. Cidade silenciosa e bonita, calma. Talvez refaça um pouco os meus pulmões tão abalados da poluição.

Contarei as novidades daqui.

O Pó está na Estrada.

São 18:30 e estou de volta da rua. Estive perto da Igreja de Nossa Senhora de Aparecida, e vi uma sorveteria, destas tradicionais e familiares, e pedi um copinho de sorvete de Leite Condensado. A Dona do estabelecimento me perguntou se não queria mais um sabor, e complementei com creme.

Sai da sorveteria com um copo tão cheio que chamei a atenção de um jovem que me pediu dinheiro. Como ele me chamou de patrão, fiquei enfurecido, e fiz que não vi.

Existem poucos mendigos na região onde estou, e a cidade parece ocupada em seus afazeres.

O calor é grande em Bauru, de deixar cansado.

Estou de volta.

domingo, 20 de novembro de 2011

Participei de recital no BECO DOS POETAS



Muito interessante a iniciativa que Márcio e Maria Jeremias dão na direção deste grupo, O BECO DOS POETAS, que se reune com freqüência em várias atividades, e ao menos uma vez por mês para um recital de seus poetas.

A palavra BECO traz o significado de interrupção para revisão de caminhos, bem ao gosto do que desejaram os seus criadores, ao formarem este grupo.

Editam livros e, apoiam os escritores com grande mansidão e alegria.

Não vi avidez econômica neles, fato bem raro nos dias de hoje.

Ao contrário, pareceram-me bastante solidários em ajudar, contrariando este mundo capitalista onde ninguém quer saber dos poetas, muito menos os editores.

Foram muito receptivos, e longe de qualquer vaidade pessoal, receberam com carinho a todos.

Conheci vários poetas com belos poemas.

Particularmente no dia de hoje procurou-se refletir sobre a Consciência Negra, e alguns  trouxeram poemas feitos para esta ocasião.

Conheci uma jovem poetiza, Alice, que apareceu pela primeira vez, e também o Jean, poeta muito interessante.

Outro poeta descentende de Japoneses, o Ikeda, se não me falha a memória, recitou Gonçalves Dias em a Canção do Exílio, e tem livro de poemas defendendo a teoria da Regressão Biológica, basicamente um pensamento onde começamos a diminuir a nossa idade depois dos 65 anos.

O Jorge chorou ao lembrar-se de sua mãe, quando recitou um poema, quase um cordel. Fiquei emocionado pensando...

Cantamos, recitamos, choramos e nos alegramos juntos.

Muitos outros poetas estiveram presentes, e em breve espero comentar sobre todos, com as devidas fotos que devo receber.

Quero deixar um grande agradecimento a este grupo que se reune todo o mês para trocar idéias e mostrar seus trabalhos.

Ao final, fizemos um lanche juntos.

Senti, em tudo, uma grande liturgia não declarada.

Foi um alento para meu coração, ansioso de almas abertas.

O encontro ocorreu na biblioteca do Céu Caminho do Mar, no Jabaquara.

Voltei para casa como uma criança, cantando feliz.

Segue matéria publicada pelo Beco

Aconteceu  nesse domingo, a 17º edição do Sarau do Beco dos  Poetas na biblioteca do Céu Caminho do Mar, no Jabaquara, o tema foi Consciência Negra.
Muitos poetas declamaram suas poesias e falaram sobre o tema proposto. Tivemos o prazer de conhecer os Poetas que vieram pela 1º vez em nosso sarau: João Paulo. N. Fernandes,  Jean Narciso Moura, Fátima de Jesus  e  a jovem adolescente, Alice Lopes, que veio acompanhada de sua mãe Edna.
Como sempre acontece em todos os encontros, novos poetas comparecem para falar de seu trabalho literário e são recebidos com carinho pelos presentes,  fazendo assim uma troca de experiencias literárias com os poetas da casa que sempre comparecem, trocando livros e selando assim o começo de uma grande amizade.
Sarau do Beco e www.becodospoetas.com.br incentiva novos escritores a serem publicados, oferece oportunidade a todos que desejam ver seu texto publicado numa antologia, com preço de apenas 1,99 a página,

Forte suspeita de que Pablo Neruda foi assassinado pela ditadura de Pinochet

Estes dados foram retirdos da Prensa Latina
20 de Novembro de 2011 - 11h02

Neruda foi assassinado, reitera ex-ajudante do poeta



"Pablo Neruda foi assassinado. Não estava para morrer, estava com boa saúde", reiterou, em Santiago do Chile, Manuel Araya, motorista, ajudante e amigo pessoal do poeta chileno.


Em declarações à Rádio Cooperativa do Chile, Araya disse que, depois do golpe de Estado de 11 de setembro de 1973, a família e os amigos do Prêmio Nobel de Literatura (1971) decidiram levá-lo do seu lar até a Clínica Santa María de Santiago por segurança.

"Pensávamos que na clínica estaria mais seguro. Nunca pensamos que lhe iam dar uma injeção e ele ia morrer", relatou.

Araya informou que explicou tudo em detalhe às autoridades judiciais que pesquisam a morte do poeta e, em particular, ao ministro do caso, Mario Carroza: "Ficou muito contente com o que lhe contei; contei-lhe todo o que eu sabia".

Citado também por Rádio Bío Bío de Chile, Araya disse que, estando Neruda nessa clínica, lhe chamou por telefone para lhe dizer que tinham dado a ele uma injeção no estômago e que estava com muita febre.

Araya foi então à instituição médica e lá um doutor pediu-lhe que saísse para comprar um medicamento, informou em seu depoimento.

"Eu retiro uma toalha para molhar (a Neruda) e lhe baixar a febre, entro no banheiro para lavar meu rosto e molhar a toalha, entra um doutor e me manda comprar um medicamento, mas eu lhe digo que nós estamos pagando e o medicamento deve ser fornecido por eles".

"Tive que ir a uma farmácia de bairro e saí para comprar o medicamento, mas nunca imaginei que me seguiam automóveis e, na rua Vivaceta com Balmaceda, fui detido a muito poucas horas da morte de Neruda. Tinham tudo programado", sustenta.

"Esse maldito assasino matou-o. Ele estava doente de câncer, mas resistia muito bem. Nesse dia, ele estava pendente de sua viagem ao México que ocorreria dois dias depois. Ele não estava mau e não tinha por que ter morrido. O governo militar não queria que saísse do país e por isso o fez", enfatizou.

De acordo com a informação propalada pelo regime militar de Augusto Pinochet (1973-1990), Neruda faleceu em 23 de setembro de 1973 na Clínica Santa María devido a um câncer de próstata.

Dado o antagonismo das versões em torno da morte da ilustre figura das letras latino-americanas, o Partido Comunista do Chile apresentou em maio passado um pedido para esclarecer a causa e as circunstâncias da morte.

O presidente desse partido, Guillermo Teillier, considerou um dever moral da sigla exigir a verdade sobre o falecimiento de quem foi também militante comunista e destacado representante político do Governo da Unidade Popular de Salvador Allende (1970-1973).

Teillier ponderou também a pertinência desta querela em um contexto no que se investigam outros casos emblemáticos da história do Chile, como o de Allende e o de seu ministro de Defesa, José Tohá, e nos que surgiram dados contraditórios que põem em contradição a tese do suicídio que o regime militar divulgou sobre ambos.

Fonte: Prensa Latina

Qual é o objetivo do Império Evangélico em exportar igrejas evangélicas para o Brasil?

O primeiro e mais importante é o de desestruturar qualquer possibilidade de integração cultural e religiosa no país. Há muitos interesses que desejam a divisão do Brasil.

Por isso invadem nossa cultura com todo lixo e luxo que produzem, sobrepondo estas latarias na nossa produção cultural nacional.

O mesmo se dá na religião, atacando a maior Igreja e as religiões afro, que estão no país há séculos e fazem parte de nossa cultural nacional.

Estão dando passos firmes em provocar esta desestruturação, principalmente junto a população da periferia e de baixa renda.

Pequisas mostram o crescimento também dos sem religião, embora em porcentagem pequena, mas que reflete esta invasão, e pode indicar muitas alterações, desde uma pausa para repensar a espiritualidade, até uma decisão definitiva.

De qualquer modo, esta discussão mostra que os enlatados de todo tipo estão invadindo nosso país com a maior tranquilidade.

O lado positivo é que o Brasil é um país rico de  cultura, e produz cultura continuamente, o que pode nos redimir desta invasão alienígena.

Posso estar enganado nesta reflexão, mas pelo menos tenho a coragem de dizê-la. 

sábado, 19 de novembro de 2011

Ao afastar Presidente do Metrô de SP, justiça põe a nú partidarismo da Imprensa



Procurando proteger os governos do PSDB e do DEMO, a grande imprensa, isto é, imprensa dos grandes, em São Paulo, deixou a área livre para a corrupção correr solta no Governo estadual.

Assim, a imprensa amarela foi colhida de "surpresa" ao perceber que a justiça não deixou passar as irregularidades na concorrência da construção da linha 5 - lilás, por suspeita de fraude.

De fato a Folha até havia noticiado em outubro de 2010 que os vencedores eram conhecidos havia 6 meses, mas silenciou-se depois. Estranho.

Para a Folha, entretanto, o problema é o uso de um jatinho pelo Ministro do Trabalho, para ir ao Maranhão, e não os R$ 4 bilhões de contratos "de cartas marcadas", com 14 construtoras, entre elas  a Oderbrecht, Mendes Jr.,Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, no Metrô de SP.

O afastamento de Sérgio Avelleda, para o Governo de São Paulo, do Geraldinho Xuxu, "não deve ser suficiente para anular a licitação e atrasar a obra".

Lógico, é apenas um contrato de R$ 4 bilhões. E as outras construtoras que foram prejudicadas, que se danem.

Assim o Governo do Geraldo joga contra a justiça, dizendo que a intervenção prejudica a "expansão do Metrô" .

O afastamento do Presidente Sérgio Avelleda, amigo de Geraldo Alckmin, ocorre, segundo a justiça, "em face de suas omissões dolosas". Isto significa que a justiça percebeu que a permanência do mesmo na direção do Metrô prejudicava as investigações.

Dois pesos e duas medidas, estas da Imprensa golpista, o chamado PIG (Partido da Imprensa golpista).

O Governo tucano pode fazer suas falcatruas, mesmo com "omissão dolosa", e  por outro lado, pau nos Ministros da Dilma, antes de qualquer ação da justiça, crucificando e condenando previamente.

Para encerrar, temos que afirmar que o Metrô de Sampa está uma porcaria, com as estações e vagões cheios, além de lentos e demorados.

Ah, e com trens fantasmas passando no fim dos expedientes sem atender várias estações cheias de passageiros, só para cobrir o excesso de lotação no Anhangabaú e Sé.

Ser generoso, ser amigo

Aprendi muito em Recife o significado da palavra generosidade.

São Paulo, com o sua contemporaneidade avassaladora está perdendo o sentido de alguns valores fundamentais da pessoa, como o papel da família, da amizade, que se sobrepõem ao do trabalho.

 Deus sempre em primeiro lugar, lógico, pois os demais d'Ele advém.

Estes dias postei um vídeo com Eduardo Galeano, onde ele nos lembra, em um passagem que se deve "trabalhar para viver, e não viver para trabalhar".

Conhecia esta frase combinada com o termo comida (Comer para viver ou viver para comer). Esta é uma diferença fundamental, que demonstra qual região do país ainda mantém valores, e qual está nos estertores dos valores.

Os pernambucanos são pessoas generosas que não precisam de muito para se tornarem amigas, diferente daqui onde muitas vezes fazemos muitos negócios juntos, e quem sabe ficamos amigos.

Em São Paulo, aliás, o termo "ficar" substitui o termo "amar", isto é , reduz o termo amar para um sentido de permanência. Bem, Fernando Pessoa, em um de seus heterônimos, no qual ele se dividia, dizia que amar era "conviver". Talvez tudo se reduza no final, a uma convivência. Mas é preciso perguntar além Pessoa, que tipo de convivência seja necessário para se caracterizar o amor.

Em Recife tive a oportunidade de vivenciar a amizade e a generosidade, características culturais naturalmente impregnadas no modus vivendi de lá. Tanto que ao voltar para São Paulo, num misto de alegria e tristeza, considerei-me metade pernambucano.

Não há como deixar de "sê-lo", reverenciando Jânio Quadros.

Trazer o Vinícius para um jantar no agradabilíssimo L'Entrecôte de Paris foi uma pequena retribuição do período e da acolhida que tive, nos 2 anos que por lá estive.

Nada se leva desta vida senão aquilo que podemos fazer uns pelos outros.

Esta afirmativa atinge, como um dardo, o centro nervoso do capitalismo, tão sedento de exploração e de individualismo egoístico.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Os cuecões dos deputados estão vazando pela latrina

Como em Sampa os "grandes da Imprensa" evitam criticar, e só atacam os ministros da Dilma, foi necessário que o Ministério Público e a Justiça paulista acabassem com esta mamata sem-vergonha. Leia e vejam o que eles fazem. E ainda querem retomar este "direito". Verbas para comprar ternos para ir à Assembléia Legislativa de São Paulo. Palhaçada de aproveitadores da confiança do povo paulista.
17/11/2011 - 08:06h

Deputados de SP perdem o "auxílio-paletó", mas governo economiza R$ 1,8 milhão




Divulgação/AlespOs deputados estaduais em sessão plenária na quarta-feira
A Vara da Fazenda Pública ordenou à Assembleia Legislativa de São Paulo que seja cancelado o “auxílio-paletó”, segundo informações do jornal “O Estado de S. Paulo”. A Justiça derrubou um benefício que existia há décadas, para compensar “despesas imprescindíveis ao comparecimento da sessão”.

A primeira parcela do “auxílio-paletó” era paga no começo do ano, a todos os parlamentares. Já a segunda vinha em dezembro, apenas àqueles que compareceram a pelo menos dois terços das sessões. O benefício tinha o valor de um salário extra (R$ 20.042,37).

O Ministério Público Estadual calcula que o
governo vá economizar R$ 1,88 milhão com a suspensão da “ajuda de custo”.Coitadinhos, vão perder as calças.....

É por estas e outras que os povo vai perdendo a confiança nos políticos, e os ditadores vão saindo dos esgotos. Devemos desejar profundar a nossa democracia exigindo austeridade dos políticos, desde já!
8

Cacique guarani é executado no Mato Grosso do Sul

Porquê a Imprensa dos Grandes não fala nada sobre a ação dos latifundiários assassinado os pequenos e desprotiegidos.

Exigimos apuração dste assassinato torpe!

18 de Novembro de 2011 - 19h14

Um grupo de homens armados e encapuzados invadiu uma aldeia de indígenas Kaiowá Guarani, no estado do Mato Grosso do Sul (centro-oeste) e matou o líder da comunidade, informou a Fundação Nacional do Índio (Funai).


"A comunidade Kaiowá Guarani, do acampamento Tekoha Guaviry, no município de Amambaí (próximo à fronteira com o Paraguai), sofreu o ataque de 42 pistoleiros encapuzados e fortemente armados. Seu alvo principal foi o cacique Nísio Gomes, de 59 anos, executado com tiros de armas calibre 12", informou a Funai.
Não se descarta que haja outras vítimas, uma vez que os atacantes levaram dois jovens e uma criança junto com o corpo do cacique assassinado, acrescentou a fonte. Valmir, filho de Nisio Gomes, foi ferido com uma bala de borracha no peito quando tentava socorrer seu pai, segundo o Conselho Indígena Missionário (Cimi), que tinha integrantes na hora do assassinato.

Desde o começo do mês, os índios - cerca de 60 - ocupavam um território situado entre várias grandes fazendas de produção agrícola, que é parte de sua terra ancestral e que está sendo oficialmente delimitada pelas autoridades. No Mato Grosso do Sul os conflitos por terras são muito frequentes, principalmente os confrontos entre indígenas e fazendeiros.

"Todos chegaram com capuzes, jaquetas escuras e pediram que deitássemos no chão. Tinham armas calibre 12", relatou um integrante do Conselho Indígena Missionário.

“O povo continua no acampamento, nós vamos morrer tudo aqui mesmo. Não vamos sair do nosso tekoha”, afirmou um indígena. Ele disse ainda que a comunidade deseja enterrar o cacique na terra pela qual a liderança lutou a vida inteira. “Ele está morto. Não é possível que tenha sobrevivido com tiros na cabeça e por todo o corpo”, lamentou.

Cerca de 250 assassinatos de guaranis foram contabilizados pelo Cimi nos últimos anos, metade do total de homicídios sofridos por indígenas em todo Brasil. Os guaranis representam a maioria indígena do país e são um dos grupos com maiores problemas, pela escassez de terras, a superpopulação de suas aldeias e a falta de trabalho.
Com agências

Estão assassinando cristãos no Egito.

Toda proteção aos coptas, irmãos cristãos que estão sendo dizimados no Egito. 

Conflitos entre cristãos e policiais causam 24 mortes no Egito



As autoridades egípcias decretaram neste domingo (9) à noite um toque de recolher no centro do Cairo, após 24 pessoas terem morrido durante enfrentamentos entre manifestantes cristãos (coptas) e forças de segurança, anunciou a televisão pública. O toque de recolher foi imposto durante a madrugada e suspenso às 7h (2h de Brasília).


Os confrontos começaram na Maspero, em frente à sede da televisão estatal, no centro da cidade. A praça Abasiya, mais a leste, fica perto da principal catedral copta do Cairo. O confronto deixou 24 mortos e 212 feridos, de acordo com o último relatório do Ministério da Saúde, citado pela TV.
Os coptas respondem por 6 a 10% da população egípcia e protestaram contra a queima de uma igreja na província de Aswan, no Alto Egito, no sul do país, pelo que os coptas responsabilizaram muçulmanos radicais. O assunto é tema também da reunião dos 27 ministros das Relações Exteriores da União Europeia nesta segunda-feira (10) em Luxemburgo.

O primeiro-ministro egípcio, Essam Sharaf, convocou o comitê ministerial de urgência para analisar os intensos distúrbios, anunciou o porta-voz governamental, Mohammed Hegazi. Ele explicou que a reunião vai abordar "as causas e as consequências dos lamentáveis incidentes, além do que foi revelado pela imprensa". Segundo ele, o chefe de governo também convocou vários ministros de seu gabinete para a reunião.

Sharaf disse, depois de uma reunião de emergência com seus assessores, que as divergências entre muçulmanos e cristãos no Egito são "uma ameaça à segurança". O primeiro-ministro acrescentou que os conflitos ameaçam a “unidade” do país. Segundo ele, a origem dos confrontos pode estar em planos de conspiração para desestabilizar o governo de transição.

Em pronunciamento transmitido pela TV, após visita à região onde ocorreram os confrontos na noite de domingo, Sharaf lembrou que a ameaça mais séria à segurança do país é a provocação à unidade nacional e a alimentação da discórdia entre os filhos muçulmanos e cristãos do Egito".

Durante a noite, a TV egípcia mostrou manifestantes em confronto com as forças de segurança e veículos militares incendiados do lado de fora do prédio da TV estatal, onde quem protestava havia planejado um protesto pacífico. As tensões sectárias vêm aumentando nos últimos meses no Egito.

Pouco antes, Sharaf havia garantido que o episódio "não se tratava de um confronto entre muçulmanos e cristãos, mas das tentativas de semear o caos e a discórdia".

Por meio do site de relacionamentos Facebook, Sharaf pediu aos egípcios que não respondam "aos apelos da discórdia". "É um fogo que queimará a todos sem fazer distinções", afirmou o chefe de governo.

Fontes de segurança informaram à Agência Efe que ao menos 17 civis e quatro militares estão entre os mortos, e que mais de 200 pessoas ficaram feridas. Os confrontos deste domingo são considerados como os mais graves no país desde as revoltas que deram fim ao regime de Hosni Mubarak, em fevereiro.
Os cristãos coptas acusam o conselho militar que governa o país de ser conivente com os responsáveis por uma onda de ataques anticristãos.Eles reclamam de discriminação, incluindo uma lei que requer permissão presidencial para a construção de igrejas. Além disso, o Egito apenas reconhece conversões do cristianismo para o islamismo, mas não o contrário.
Com agências


Dá para aceitar isto?

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Globo protege informante dos EUA (espionagem)

É inconcebível que um veículo de imprensa, diga-se da grande imprensa brasileira, tenha relações com os serviços de informações norteamericanos.

Se não fosse assim, e o jornalista William Waack já teria deixado a emissora, pois existem documentos do perseguido Wikileaks que mostram claramente que William Waack passou informações sobre o nosso país para os serviço de inteligência dos EUA, em pelo menos três ocasiões.

Como a Globo não fez nada, isto é sinal de que a Rede Globo também está na jogada de espionagem estrangeira no país, favorecendo interesses de outras nações, contra a pátria brasileira. Veja artigo retirado do Jornal do Brasil


O jornalista William Waack, da Rede Globo, se tornou um dos assuntos mais discutidos no Twitter nesta quinta-feira graças a supostos documentos da Wikileaks que o apontariam como informante do governo americano. Apesar de vagas e desencontradas, algumas informações são verdadeiras. O Informe JB entrou em contato com a jornalista Natalia Viana, responsável pela Wikileaks no Brasil, que confirmou a história. Waack é citado não apenas uma, mas três vezes em reuniões com funcionários da Embaixada Americana. Dois dos documentos que o citam são considerados "confidenciais". 
Consulta sobre as eleições
Um dos arquivos é sobre a visita de um porta-aviões dos Estados Unidos em maio de 2008. Na ocasião, a Embaixada Americana classificou como positiva a repercussão na mídia do evento, citando William Waack diretamente por ter ajudado a mostrar o lado positivo das relações do Brasil com os Estados Unidos em reportagens para o jornal "O Globo". Os outros dois documentos são sobre informações repassadas por Waack a representantes americanos sobre as eleições presidenciais do ano passado. 
Documento relata reunião na qual Waack dá detalhes sobre os presidenciáveis em fevereiro
Documento relata reunião na qual Waack dá detalhes sobre os presidenciáveis em fevereiro

A multidão só (homenagem a Garcia Lorca)

Onde está o povo?

As ruas cheias
movimentadas
de aflições
e afazeres
individualizando
pessoas.

Não há
como interromper
para sinalizar
a vida
pois atrasa
o rítmo
imposto
e aceito,
sombria
caminhada
ao nada.

O povo
precisa parar,
nem que seja
 sonolento
dopado
amorfo,
para exame
das pupilas
hipnotizadas.

Há um mundo
refém do além
sem aquém
alguém.

Mundo indefinido
midiático.

Por que pensar?

por que agir?

As notícias
imobilizam
desmobilizam.

As notícias não são notícias,
são um golpe cerebral
em lógica
redirecional.

Não falo
não escrevo
não comento

Esqueci-me
do que escrever.

Até algum despertar.





terça-feira, 15 de novembro de 2011

Chove muito em Sampa

A chuva não pára em São Paulo neste 15 de Novembro.

Quer recolher Deodoro à caserna, em arrependimento deste bradar eterno.

Alforria de uma nova escravidão.

Que a Princesa Iasbel seja alçada ao lugar de Dilma, e retransferida ao passado, por alguma máquina do tempo, que nos redima de tantos erros.

Quem sabe púdessemos abolir o latifúndio no lugar do escravo, e eleger uma nova igualdade abrasileirada, cheia de compadrios.

Quem sabe a Igreja não fosse protegida por Bulas, mas por fiéis.

Então Rui Barbosa e Luiz Carlos Prestes se dariam as mãos, e Getúlio não existiria.

Então os pequenos não se ocupariam tanto do futebol, e construiriam estádios para suas famílias.

Por certo eu colocaria um monóculo, e passearia pelo Anhangabaú, rememorando velhos tempos, só para desdenhar esta sociedade entupida, este mercado de azia.

Nunca é demais lembrarmos, no dia da Proclamação da República, que o nosso Judiciário ainda não deixou o Império

Poder fechado em si mesmo.

Apadrinhados de apadrinhados

Salários altíssimos e desconhecidos da população.

Casta de "donos da justiça", a proteger a elite e perseguir os pobres.

Pertencentes a uma estirpe de sangue azul imperial, fazem e desfazem, e ninguém intervém.

Sua linguagem erudita, transmite ao mesmo tempo, uma repugnância para tudo que seja popular

Juízes e Desembargadores togados cheios de altivez e aversão ao popular.

Ministros usufruindo de serviços das multinacionais e das grandes empresas, em viagens pagas.

Enquanto isto,  prisões lotadas e sujas.

Enquanto isto, o povo pobre não tem respeitado os seus mínimos direitos.

É preciso Proclamar a República no Poder Judiciário, onde filhos substituem os pais numa continuidade concursal suspeita.

Juízes tem que passar pelo voto popular também.

Não dá para se tratar deste poder fora de critérios democráticos.

Juízes têm que dizer o que pretendem fazer, em vez de desdenhar a sociedade em sua burocracia acéfala, e submeter-se ao voto popular.

República para o judiciário!

EUA questionam Agência Nacional de Petróleo (ANP) quanto à participação de brasileiros

O ponte de discórdia está na chamada "exigência de conteúdo local" estabelecida pela ANP, que segundo Roberta Jacobson, nova Secretária de Estado para o hemisfério ocidental, "podem impedir a exploração eficiente do petróleo e gás e eventualmente reduzir a capacidade para extração segura".

Ora, o que quer dizer esta exigência de conteúdo local? Ela quer dizer que toda empresa petrolífera que vier a explorar o nosso subsolo para extrair o petróleo deve comprar ou fazer contratos de serviços com empresas naiconais, numa proporção de 65%.

Devemos lembrar que Haroldo Lima, do PC do B, está à frente desta Agência, em final de mandato, cumprindo rigorosamente a defesa do patrimônio nacional.

Esta reivindicação americana só existe, porque FHC escancarou a Petrobrás aos interesse estrangeiros, quando foi Presidente da República, e agora ficamos à mercê destes interesses, podendo "regulamentar" o complemento desta exploração alienígena.

É, entretanto, temerário ver o quanto eles já estão com a mão na botija, e reclamando!

Devemos, o quanto antes, aperfeiçoar as nossas Forças Armadas com equipamentos e tecnologia de última geração. para salvaguardarmos nosso ´pré-sal.

Devemos também considerar que os EUA podem incentivar a discórdia quanto à distribuição dos royaties do petróleo entre os estados brasileiros.

Partido da Imprensa Golpista (PIG) blinda PSDB e DEM de denúncias de corrupção

A estratétgia do PIG (Partido da Imprensa Golpista) é isolar o PSDB e o DEM de qualquer denúncia de corrupção, de apresentá-los como bons moços para o público, e angariar apoio da população para que os "puros" sejam eleitos como salvadores da pátria nas próximas eleições.

Não importa que o Senado aprove uma lei de abstinência zero de álcool para motoristas, e que Aécio tenha se negado a fazer o teste do bafômetro no Rio, e que existam milhares de denúncias de desvio de verbas das obras do governo de São Paulo, e de outras regiões governadas por tucanos e demos.

Com maioria na Assembléia Legislativa e blindagem pela Folha, Estado de SP, Veja e Globo, Geraldo Alckmin faz as vezes de governador incorrupto, aos olhos da população.

Um repórter, desavisado, denunciou um favorecimento ilícito numa importante Secretaria do Estado e o que deu? O assunto foi devidamente arquivado e não durou sequer uma semana.

O mesmo não se dá com o Governo Dilma.

Há contra ela uma campanha orquestrada pelos grandes da imprensa, com o objetivo claro de provocar um desgaste constante, que culmine na queda da Presidenta.

O grande ressentimento da grande imprensa, perdão, da Imprensa dos Grandes, é que as verbas de propaganda do Governo Dilma são distribuídas hoje entre vários veículos de comunicação, inclusive pelo interior adentro, e não apenas entre os Grandes, que eram praticamente os maiores beneficiários.

As verbas eram mais concentradas nas mãos dos grandes, no governo FHC, e este favorecimento lhes torna ainda hoje, saudosistas e fiéis seguidores dos tucanos.

É o que podemos chamar de unha e carne.

Um e outro são quase a mesma coisa e ambos possuem mútua dependência.

Se formos tratar do assunto em termos ideológicos, veremos que, a grande imprensa precisa se utilizar de uma linguagem progressista para fazer vender os jornais e atrair os leitores para o seu veículo de imprensa.

À partir daí começam a puxar os leitores para suas posições, voltadas a atender seus interesses econômicos.

Depois fazem novamente uma média para captar mais leitores, e em seguida desferem mais um golpe.

Solução? Existe.

É democratizar a imprensa para torná-la mais representativa dos diversos segmentos sociais da população, e não apenas das elites.

A democracia alcançada no poder politico do país, ainda não chegou na imprensa brasileira.

domingo, 13 de novembro de 2011

Um típico domingo paulistano

A começar pela manhã com céu nublado e temperatura amena, mas nada que justificasse um blusa.

Fui à missa das 9 h, com minha esposa Meg, na Igreja de São Geraldo, que fica no largo de São Geraldo, nas Perdizes, entroncamento da Cardoso de Almeida com a São João.

Faço parte do Ministério de música, e preparo as músicas para a liturgia do domingo. Chegamos bem antes para preparar tudo certinho, e evitar problemas de última hora.

Muitos viajaram para as praias e o interior, mas como há muita gente na cidade, parece que ninguém saiu.

Fomos a um restaurante no centro e estava cheio.

Parecia um domingo normal, que não estivesse ligado a um feriado prolongado.

À tarde caiu uma chuvarada por aqui, e meu cachorro ficou segurando as pernas para não urinar.

Agora são 20:33 e a chuva deu uma trégua.

Acho que vou sair com o cão.

Um bom fim de domingo a todos.

Não será um momento melancólico, se olhamos a semana com alegria.

sábado, 12 de novembro de 2011

"Porque hoje é sábado" paulistano (em homenagem a Vinícius de Moraes)

As pessoas acordam tarde,
porque hoje é sábado.

As mulheres vão às compras, pela manhã,
Porque hoje é sábado.

A cidade fica com um ar de paz,
 porque hoje é sábado.

Todos andam mais devagar,
porque hoje é sábado.

Há menos poluição,
porque hoje é sábado.

Procuram a melhor feijoada,
porque hoje é sábado.

E dormem após o almoço,
porque hoje é sábado.

Saem com os cães para passear,
porque hoje é sábado.

Visitam os parentes esquecidos,
porque hoje é sábado.

festejam o aniversário hoje,
porque é sábado.

Relembram de suas declarações de amor e praticam,
porque hoje é sábado.

Esquecem-se dos problemas,
porque hoje é sábado.

Lêem os jornais com calma,
porque hoje é sábado.

Passeiam pelas praças e jardins,
porque hoje é sábado.

Realizam-se pelos dias não realizados.
porque hoje é sábado.

Sábado.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Divisão dos royalties pode gerar sentimento separatista.

Agora é que iremos ver se os estados pensam de fato no Brasil ou nos seus interesses particulares.

Rio de Janeiro e Espírito Santo fizeram megas manifestações institucionais, com todo o aparato das máquinas estatais.

Não importa se lá em Xiririca da Serra a vida do lavrador pode ser melhor suportada, se os royaties do petróleo forem redistribuídos de maneira mais igualitária.

Penso que pode surgir um sentimento de separação do estado brasileiro, por trás desta disputa, fundamentado na crítica dos estados beneficiados de ter de "sustentar" os outros.

McDonald's é convidado a explicar denúncia de trabalho escravo (20 10 2011)



É um verdadeiro absurdo o que você verá que é feito com os Mcfuncionários.

Uma flagrante jogada para alterar a nossa legislação, e transformar funcionários em verdadeiros escravos.

Os funcionários recebem menos que o salário mínimo, na chamada "jornada móvel" variável de trabalho.

Em uma palavra: escravidão.

Estão repetindo aqui o que fazem no Oriente.

Estão violando direitos básicos do trabalhadores

Neymar, iates, mulheres, tudo de bom...

Esta é a imagem que vendem no capitalismo.

Você ganha dinheiro, pode ter iates, e sai por aí "comendo" mulheres.

Tudo dentro de uma aceitação geral da imprensa.

Os jornalistas esportivos dizem que ele é "ótimo jogador", e por isso merece ter e fazer tudo, o que é "muito natural".

De "família evangélica", Neymar parece que está se esquecendo dos evangelhos, ou então, o que é mais provável, nunca conheceu nem assumiu o evangelho.

Foi tudo historinha para boi dormir.

Aquele negócio de não entrar numa entidade beneficiente espírita, por ser "evangélico", era, provavelmente, mêdo de se contaminar com o Demo. Na visão "evangélica", é claro.

Bem, a começar pelo fato de ter um filho sem se casar, e sem ter a mãe do filho, já se pode ter uma idéia do que virá pela frente.

Veja-se o exemplo do Ronaldo Fenômeno, que tem problema de visão, pois não soube distinguir um travesti de uma mulher.

E também teve vários filhos com várias mulheres.

Como ele é rico, isto é "perdoável".

Parece que Neymar segue o mesmo figurino.

Tenho a dizer que como jogador ele é um excelente profissional, mas como pessoa, como cristão que sou, ele está começando a vida errado,  perdendo valores rapidamente para o dinheiro e o poder, numa verdadeira idolatria.

Já está contaminado pelo mal, com aquele rostinho de certinho e bonezinho do lado.

Pensa que o dinheiro e o poder compram tudo.

Não, a verdade nunca poderá ser comprada, nem enganada.

Neymar teve um filho fora do casamento, e suprimiu a mãe da história.

E os movimentos femininos se calam diante disto.

Isto lhe será cobrado um dia, numa situação onde o dinheiro e a fama não terão a mínima importância.

Por isso, desde agora é bom que ele reveja o caminho que está trilhando, e retorne a ser uma pessoa justa e respeitosa, principamente para com a mãe de seu filho.

E não será com dinheiro que ele consertará isto, o que ele deve ter feito, comprar a mãe e sua família.

O sistema econômico, no capitalismo, que mostrar que você pode tudo com o dindin.

Volto a dizer : não se compra a verdade, e a verdade pode ser escondida por um tempo, mas sempre ela vem à tona e incomoda, sempre incomoda.

Belos evangélicos....

Livro traz reflexão sobre o stress no trabalho

Hoje é 11/11/2011 dia de GRANDE MISTÉRIO!!!

Sim, os mendigos continuarão a refestelar-se do lixo das ruas, enquanto as pessoas conversarão nos bares, comendo e bebendo indiferentes.

Maridos continuarão a entrar com suas amantes nos moteis, e depois se banharão para tirar o cheiro do pecado.

Os milhonários não deixarão de consultar suas contas on line, como se estivessem na cama, em gozo supremo.

Os doentes, por seu lado, continuarão, conformados ou revoltados, em suas camas, esquecidos da maioria.

As mães continuarão perdoando os erros dos seus filhos.

E os ladrões permanecerão com a visão fechada sobre o que fazer da vida, e roubarão.

Os astrólogos, bruxas, ciganos, e esotéricos em geral, trarão para hoje todas as esperanças de mudanças, que dependem somente das pessoas.

Os numerólogos mudarão os seus nomes, esquecendo-se dos sonhos de seus pais.

A morte ceifará quem precisar, inexorável.

A lua cheia encantará os casais enamorados, e permitirá declarações de amor.

Os poetas talvez tenham alguma inspiração, e trarão palavras de consolo e esperança.

As portas das Igrejas estarão abertas, mas os santuários permanecerão vazios.

De fato, ninguém acreditará em algum fim, mas num meio que levará a um outro meio, interminável.

Quando o dia passar, haverá um outro dia, e todos terão esquecido de hoje, o dia em que tudo continuou como normal, como sempre.

Ah, se caísse uma bomba sobre a ausência de sonhos, e revolvesse a paralisia das portas fechadas.

 Ou se a loteria contemplasse falsos sonhos, e as pessoas se frustrassem.

Quem sabe o sol sairia do esconderijo das nuvens.

Quem sabe Cristo voltasse radiante.

Daí sairíamos às ruas, felizes.

De braços dados, passearíamos alegres e desinteressados.

Então, quem sabe o 11/11/2011 teria a sua serventia.

Talvez as pessoas despertassem de seus egoísmos, e fizessem perguntas simples do tipo: Como vai?

Seria o suficiente.

Empresários traem o Brasil e vendem seus empreendimentos para os gringos

Depois de se realizarem em seus empreendimentos no país, empresários traidores do patrimônio brasileiro querem viver de juros. Ah...mas a empresa é deles e eles podem fazer o que bem entendem.

Penso que o CADE deve ser rígido com estes traidores, e impedir que o controle de um setor importante da economia fique nas mãos dos gringos americanos.

A PepsiCo é uma multi que está tomando conta de tudo.

E já teve consumidores crianças que encontraram o Toddynho da PepsiCo cheio de soda cáustica usada em limpeza, numa total falta de consideração, e de qualidade.

O Senhor Sandro Mabel, deputado empresário é um traidor do povo brasileiro.

De família descendente de italianos, não tem o direito de vender uma empresa tão grande assim para uma multi americana.

Já fizeram assim quando da época de Collor, e agora que o império vê que a estagnação os assombra, e quer sugar o bolso dos brasileiros.

Pelo impedimento desta venda pelo CADE.

A família Mabel vendeu o próprio nome. Dá dindin...

Retirei matéria do IG


A PepsiCo confirmou nesta quinta-feira a compra da marca Mabel, uma das principais fabricantes de biscoitos do Brasil. A aquisição deve fortalecer seus negócios no País, um dos mercados mais importantes e de maior crescimento para a PepsiCo.
“Vamos crescer de forma significativa no segmento de biscoitos no Brasil”, disse Olivier Weber, presidente da Pepsico Alimentos para América do Sul, América Central e Caribe, durante entrevista coletiva realizada nesta tarde em Goiás.
Leia também:
Conheça a história da fabricante de biscoitos Mabel
O segmento de biscoitos representa 95% do faturamento da Mabel, estimado em R$ 770 milhões em termos de receita líquida anual. Atualmente, a empresa está entre as cinco maiores fabricantes do produto no País. Segundo a PepsiCo, o mercado é muito atraente, já que o consumo de biscoito faz parte do dia a dia de 98% das famílias brasileiras. 
“Queremos construir uma marca líder no segmento de biscoitos doces e salgados no Brasil”, afirmou Weber. Para tanto, o executivo disse que a PepsiCo tem “um plano de crescimento anual agressivo” e fará “um investimento importante nos próximos três anos”, sem revelar valores específicos.
O preço que a multinacional desembolsou pela Mabel também não foi revelado. No mercado, especula-se que a aquisição tenha sido fechada por aproximadamente R$ 800 milhões. O negócio envolve a venda da marca Mabel e da divisão de biscoitos.
“A PepsiCo adquiriu todo o uso da marca Mabel. Menos eu, falei com meu pai, mas ele não me vende”, brincou o deputado Sandro Scodro, mais conhecido como Sandro Mabel. Ele é filho de um dos fundadores da companhia e presidente do conselho de administração.
Após vender a divisão de biscoitos, a família continuará atuando no setor de alimentos e ainda não decidiu o novo nome para a empresa. “Por enquanto, estamos nos tratando como família Scodro”, afirmou Mabel.


Foto: AE Ampliar
"A Mabel tem sido assediada há muitos anos", disse o deputado Sandro Mabel
As negociações para a venda da empresa começaram há três meses, com nove empresas interessadas, afirmou Mabel. Por fim, quatro companhias continuaram na briga, até que a PepsiCo conseguiu fechar o negócio. “A Mabel tem sido assediada há muitos anos”, disse.
A compra da divisão de biscoitos vai complementar o portfólio de alimentos da PepsiCo e criar novas frentes de expansão. “Vemos uma complementariedade muito interessante do ponto de vista geográfico”, afirmou Weber. “A aquisição nos permite entrar de forma muito mais sólida no Centro-Oeste e Nordeste.”
O negócio é mais um passo da PepsiCo no sentido de reordenar o portfólio no Brasil. Tanto que a empresa vendeu a tradicional marca de sardinhas Coqueiro e decidiu fortalecer sua presença no segmento de biscoitos. A compra da fabricante brasileira ocorre após a aquisição recente da indústria argentina de biscoito Dilexis. Com a Mabel, a PepsiCo terá cerca de 12 mil funcionários no Brasil e operará 19 fábricas de alimentos e refrigerantes no País.
O negócio ainda precisa ser aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e deve ser finalizado até o fim deste ano. “Não estamos vislumbrando problemas, o segmento de biscoitos no Brasil é muito pulverizado, com muitos jogadores”, disse Weber.
Crise de imagem 
No Brasil, a PepsiCo tem enfrentado uma crise de imagem nos últimos meses. Em outubro, a empresa admitiu falhas no envasamento de 80 unidades do Toddynho, que levaram à contaminação da bebida por produtos de limpeza. A notícia assustou consumidores e provocou uma queda de quase 30% nas vendas do Toddynho em Porto Alegre, onde os casos se concentraram.
Outro episódio negativo para a imagem da empresa foi uma promoção de refrigerante Pepsi realizada em setembro: quem comprasse o produto receberia uma segunda garrafa de graça. Mas com a elevada demanda, o refrigerante desapareceu rapidamente dos supermercados e causou protestos de clientes e varejistas.