segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Chove sem cessar em São Paulo

Estamos desde domingo e entrando nesta segunda feira com chuva constante. Os prejuízos são grandes, o trânsito está congestionado, e tudo parece ficar afetado, o comércio, o transporte, os restaurantes.

São Paulo  não é uma cidade como São Luis do Maranhão, ilha, por onde escoa toda a água das chuvas.

Não! São Paulo empossa, emperra, estressa,
São Paulo cansa aperta, obriga.

Deste jeito hoje vai dar grandes congestionamentos à partir das marginais Tietê e Pinheiros.

A chuva é a grande notícia política de hoje, ou melhor, é a que impede também a política de ser notícia

Tempo continua nublado em Sampa

A previsão hoje é continuar a chover.

Domingo choveu muito, com grandes congestionamentos e até morte.

São Paulo e Palmeiras tiveram uma tarde de natação.

Os serviços metereológicos informam que hoje, 28/02/2011 continuará a chover.

Devemos nos preparar para ficarmos durante muito tempo no trânsito.

Reclamar não adianta, porque os responsáveis estão escondidos.

Semáforos parados, sujeira, congestionamento, tudo que o paulistano não gostaria estará hoje à sua disposição.

Boa semana, apesar de tudo. O brasileiro é um forte, como diria Graciliano

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Chove chove chove em Sampa

Começo com um poema de Fernando Passoa.




Chove? Nenhuma chuva cai...

Então onde é que eu sinto um dia
Em que o ruído da chuva atrai
A minha inútil agonia?

Onde é que chove, que eu o ouço?
Onde é que é triste, ó claro céu?
eu quero sorrir-te, e não posso,
Ó céu azul, chamar-te de meu...

E o escuro ruído da chuva
É constante em meu pensamento.
Meu ser é a invisível curva
Traçada pelo som do vento...

E eis que ante o sol e o azul do dia,
Como se a hora me estorvasse,
Eu sofro... E a luz e a sua alegria
Cai aos meus pés como um disfarce.

Ah, na minha alma sempre chove.
Há sempre escuro dentro de mim.
Se escuto, alguém dentro de mim ouve
A chuva, como a voz de um fim...

Fernando Pessoa falava de uma chuva interior, perceptível para os que se observam por dentro.

Há o pessimismo de quem não tem experiência no Espírito, entende-se, embora ela já fosse possível em seu tempo.

Mas ele viajava no ocultismo de Helena Blavatski, a quem traduziu se não me engano "A voz do Silêncio" do russo para o inglês, quando vivia na África do Sul.

Sua subjetividade era panteísta, identificando Deus às árvores e rios e sol, etc... até abdicar o nome Deus, substituíndo-o pelos próprios nomes citados

 Para se compreender sua espiritualidade deve-se ressaltar uma irreverência anti-cristã, mas ao mesmo tempo uma recriação cristã, crítica ao cristianismo de sua época.

Mas quero falar de uma chuva exterior, no dia de hoje, que não pára. Perdão pela superficialidade, mas está acontecendo sem parar

A chuva está constante.

Grande é o número de alagamentos na cidade.

As marginais estão fechadas, tanto a Tietê como a Pinheiros, com inundações, e pessoas sendo resgatadas de ônibus e carros.

Até uma senhora em trabalho de parto foi resgatada na marginal, de helicóptero.

Como sempre as autoridades estaduais e municipais não estão presentes, e se estivessem diriam que este é um problema crônico que vem de várias administrações, isentando-se da culpa.

Depois vão dizer que eu estou pegando no pé dos tucanos e dos demos

A TV já deu um piripac aqui em casa, e quem sabe a luz....bizzzzz, espero que não.

A chuva não é fortíssima, mas constante e parece que não irá parar.

Até o jogo São Paulo X Palmeiras estava para ser transferido de data, mas devido a falta de datas alternativas, resolveram jogar assim mesmo.

Perigoso porque há trovão a toda hora.

Os torcedores estão realmente torcidos.

Dirão os ambientalistas, que isso é consequência da destruição do meio ambiente.

Aliás este é o mote para a Campanha da Fraternidade da Igreja, a questão ambiental, que destrói a qualidade de vida do povo brasileiro.

Ainda bem que estou em casa, lendo a O Mito daCaverna, de Sócrates, escrito por Platão.



Estarei dentro ou fora da caverna?

 Penso que faço parte dos que desejam voltar à caverna para libertar os que estão prisioneiros lá dentro.

Ou não ?



Kassab no bloco governamental

Muitas vezes brincamos com a entrada de kassab no Partido Socialista em São Paulo.

Mas, só de lermos o editorial da Folha criticando a saída de Kassab dos "Democratas", e de saber que Geraldo Alckmin não pode sequer ouvir sobre sua ida para o PS, para medirmos o tamanho do buraco que ele deixará na oposição.

É muita gente que o acompanhará.

Gente que não quer mais ficar batendo no governo, mas também participar, o que deixará o PSDB ainda mais isolado. Kassab aventa até a ida de Aécio para o seu novo partido da transitoriedade.

Isto estaria bem dentro do figurino de Aécio que não quer se caracterizar como futuro candidato da oposição, mas candidato "de todos".

Por isso, sem nenhuma vergonha, devemos dar as boas vindas a Kassab, e deixar o buraco de isolamento da oposição aumentar.

Lógico, com o olho bem aberto, porque, como já dissemos, é um Cavalo de Tróia que é colocado do lado de dentro da muralha, e a qualquer momento poderá querer provocar uma implosão.

O complexo de Império

Os EUA perdem espaço na economia mundial, mas não perdem a pose.

Obama precisava sair a campo com medidas contra o Governo Líbio antes da Onu?

O instinto imperial ainda domina o governo Barack Obama, travestido de democrata.

A ferocidade americana está na mesma proporção do descontrole da situação e na tentativa de remendo em sua política internacional para recuperar parcela de influência perdida para a China.

Assistir duas fragatas iranianas atravessarem o canal de Suez deve ter acendido o farol amarelo, tardiamente.

Incentivador de muitas das antigas ditaduras do Oriente Médio, que se locupletaram no poder, em benfícios pessoais e familiares, coisa que não escapa também no Brasil, junto a  muita pobreza, agora corre para se mostrar paladino da justiça e do direito dos povos.

Mas estas mudanças por lá são bem maiores do que o afâ americano, e de certo caminharão em outras direções.

O que se avizinha para os próximos anos é de preparação de uma guerra de  grandes proporções na região, e de um cerco maior a Israel.

Se estes ditadores fossem de boa memória lembrar-se-iam de outras ocasiões em que calaram as oposições, guerreando contra Israel.

Agora é tarde, mas para o futuro é possível se prever conflitos amplos.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

O Oriente Médio ferve pelo descaso ocidental

O petróleo serviu a abono para todos os ditadores, e o Lula também fez assim, levado pelo espírito praticista do governo.

Fizemos igual aos EUA e a Europa.

Como fomos os últimos a entrar na festa estamos, de certa forma, passando despercebidos, mas fizemos.

Neste aspecto, o silêncio de Dilma é mais prudente.

O fato é que o petróleo desculpou perseguições, torturas, assassinatos, etc, em vista do abastecimento de seus países.

Mas os povos um dia despertam, e estão descobrindo sua força, Graças a Deus, pois é hora das pessoas terem vida digna, com casa, trabalho e comida, onde possam criar a sua família.

Isto ainda pode chacoalhar muitos países ditos estáveis e "democráticos". 

É, por outro lado, curioso, em meio a revolta,  a preservação dos reinados, não acham?

Não se esconderia aí a velha e secular dependência política, e uma certa imaturidade revolucionária? 

Você já viu alguém que foi atropelado por moto?

Pois é, os números da Companhia de Engenharia de tráfego mostram que em 12 meses 139 pessoas morreram atropeladas por motos em São Paulo.

Mais do que atropelamentos por ônibus.

Um pedestre morto a cada 3 dias. Acredita?

Eu que já quase fui atropelado por moto posso dizer que o cuidado ao olhar para uma rua antes de atravessar, é um para carros, caminhões e ônibus, e outro para motos.

Sim, porque com carros e ônibus, você olha,  não há o veículo, e você então atravessa a rua, mas com a moto não.

Com a moto você olha a rua e não vê ninguém, mas ao atravessar, devido a agililidade desta, ela aparede do nada, com grande velocidade, e pega o transeunte desprevenido.

Dona Amélia, uma senhora da região do Portal do Morumbi foi atingida de surpresa, lembro-me,  e chegou à minha loja - na ocasião tinha uma - toda machucada.

Fizemos uma oração a Deus de agradecimento por não ter ocorrido algo pior.

Como visito enfermos no Hospital das Clínicas, pela Pastoral da Saúde, na área de Ortopedia, já vi diversos casos de atropelamento por motos, isto sem contar num sem número de motociclistas que se acidentam também.

Vi uma senhora atropelada por moto, muito machucada.

A moto ao atingir uma pessoa causa lesões muito maiores que de um carro, porque o carro é mais compacto.

A moto não, ela tem a roda que é a primeira a tocar, depois o guidão, todas peças salientes, e causadoras de machucaduras fortes.

Conheci um senhor que foi atingido por uma moto que se acidentara na rua, e ao cair, foi jogada na calçada atingindo-o. Ele quebrou a bacia.

Os motoqueiros então se machucam muito, quebrando partes do corpo, quando não as perdem.

Os que morrem não sei, pois só vejo os que se machucam, mas o número deve ser alto também.

A besta anda à solta nas ruas.

A rua é o lugar onde as pessoas descontam todas as repressões, dificuldades, e neuroses por que passam.

Ainda mais com uma "arma" nas mãos chamada moto, ou carro ou caminhão.

Um pedestre a cada três dias morre por atropelamento por motos.

Falta a Prefeitura disciplinar mais o trânsito, e ter coragem em punir a contravenção. construir mas passagens para pedestres, multando quem não passa por elas, assim como quem fica com a moto sobre as passagens e pedestres, quando o farol está vermelho para veículos.

Com a palavra o novo "socialista" Kassab, que tem sangue inocente em suas mãos

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

A quantas anda a consciência política do povo brasileiro?

Difícil responder a esta pergunta.

Passando o olhar pela América Latina, vejo outros povos com mais consciência, que o nosso.

Mas primeiro, vamos conceituar consciência política.

Gosto dos clássicos quando dizem haver dois tipos de consciência: a consciência em si, logicamente de uma classe social, ou grandes grupos sociais, é a consciência das necessidades básicas daquele grupo.

Já a consciência para si significa a consciência desta classe, de seu papel político transformador da sociedade.

Localizo a consciência política das classes exploradas pelo capital, pois não me empolgo com a consciência das elites, senão para destroná-las.

Ocorre que a consciência para si não se dá de maneira uniforme nem constante, podendo avançar ou recuar.

Isto posto, mantém-se a pergunta: a quantas anda a consciência política do povo brasileiro?

Bem, o operariado avançou em termos de organização e está estruturado em sindicatos e centrais sindicais.

Isto é positivo, mas não garante a educação política das amplas massas para o seu papel para si, que é central.

Há muito ainda de sindicalismo de resultados, que se circunscreve na classe em si, de forma que um sindicalismo classista e de luta ainda está em seu embrião, ainda que hajam centrais que reivindiquem este papel transformador.

E estas centrais classistas têm que levar em conta a adesão de sindicatos acostumados a lutas específicas, para daí em diante implementar a visão transformadora, o que é algo de média para longa duração.

Com a ampliação do emprego formal, há uma consciência de uma frente democrática que é favorável aos operários e trabalhadores em geral, em alguns momentos favorável, e desfavorável em outros.

O movimento rural está com uma Contag que não amplia, não parte decididamente para a luta, mas está estruturada nacionalmente e, conquistou e garante alguns direitos.

Os movimentos dos sem terra, de vários matizes hoje, vão à luta e oferecem um horizonte transformador dentro da sociedade democrática.

Objetivamente o campo hoje no Brasil está mais organizado do que no passado, da ditadura, e é onde ocorrem os maiores conflitos.

De quem seria então a responsabilidade para implementar esta consciência política nas amplas massas brasileiras?

A resposta é simples: somente um partido político de feições socialistas e transformadoras será capaz de realizar esta missão, e hoje, objetivamente poucas são as organizações que podem desempenhar amplamente este papel.

O PT abandonou este papel há muito tempo, mas não larga a carniça, e dramatiza sua presença como se fosse revolucionária, sabendo que não irá muito mais adiante, pois hoje está bom.

O PC do B pode desempenhar este papel, mas a aliança nacional, impõe uma consciência de frente política, e ao mesmo tempo uma consciência de classe para si, o que significa que a estrada fica um pouco estreita.

Os demais partidos políticos de esquerda não exercem uma influência mais ampla que possa garantir atingir este objetivo.

Por outro lado, o Brasil está num período de crescimento econômico, assim como a América Latia em geral. Não é um Oriente Médio com sua exclusão de décadas e de totalitarismos de direita e de "esquerda".

Assim, há uma experiência política num período que podemos chamar de paz.

Neste contexto, importa acumular forças, mais em termos organizacionais, buscando preservar as origens, e não se desviar de sua identidade, porque as pessoas envelhecem e podem se acomodar.

João Amazonas foi um que envelheceu sem se acomodar, estou certo ou errado?

Fica o exemplo.

Pode haver o inesperado, das massas, de repente irromperem em movimentos espontâneos? Creio que sim.

Por isto é premente lutar dentro do governo, para fazer avançar as conquistas, enquanto se acumula forças, para não ser surpreendido como os países do Oriente médio, tão sem consciência política, o que é triste, pois escapa pelos dedos o poder popular, na desorganização da luta.

Fico por aqui.

O livre pensar é só pensar.

À noite todos os gatos são pardos

A debandada para a "esquerda" está em franca evolução, de tal forma que poderão aparecer os socialistas Kassab e Guilherme afif Domingos, mais uma troupe de se fazer vista. Até a Deputada Katia Abreu está nesta jogada, meio constrangida.

Lógico, os Demos estão desgastados e assim, os "novos socialistas" estão tentando embarcar na onda "progressista".

Tudo muito bonito, vai aumentar o blogo governamental, isolar o PSDB, mas traz também mais um cavalo de Tróia para dentro do Governo, com a finalidade de implodí-lo.

Não é sem sentido a crescente campanha contra o PC do B pelo Estadão.

Agora que eles estão começando a mandar no Governo, se sentindo à vontade para dirigir a economia para onde querem, é necessário descartar qualquer dificuldade que os impeça de se consolidar neste processo, isto é o PC do B.

Porque o PT parece que está assumindo de maneira mais nítida, seu papel social democrata que sempre esteve meio declarado.

Sentindo-se à vontade na questão do salário mínimo, agora parece quererem investir contra os aposentados, fazendo algumas concessões no superficial, para retirarem a aposentadoria como benefício de todos os trabalhadores, que tenham contribuído sempre ou durante algum tempo com o INSS, conforme as facilidades ou dificuldades que tiveram no mundo do trabalho.

É preciso ficar alerta sobre esta questão, porque a besta está solta, e atingindo os pequenos.

Ainda mais se o grupo dos novos "socialistas" aumentar.

Aí o bicho pega. 

O Ministro Mânteiga já deu provas convincentes disto, e Dilma continua na redoma.

Lula!!!!!!!!!!!!

Defeito pára Metrô na Marechal

Como não podia ser diferente, logo ao final da noite deu defeito no trem do metrô, o que fez todos os passageiros descerem na estação Marechal.

Cansados e sem paciência, o trem que veio da Sé parou no lado do trem que vem da Barra Funda. Dá para entender?

O que explicaram é que havia um problema na Estação Barra Funda, mas não disseram qual.

A desinformação atualmente é "normal".

Vai dormir com esta. Cheguei uma hora atrasado em casa.

Boa noite.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Hoje acordei de mal humor

Desde manhã não sinto graça com nada.

Um senhor caiu na calçada e não me senti sensibilizado de acorrê-lo.

- Mas já haviam pessoas com ele, aguardando os bombeiros- retrucou minha esposa, ao perceber minha revolta.

Mais tarde me dei conta da ausência, que poderia tê-lo transportado ao HC.

Perdi o meu humor.

No trânsito apressei-me em levar a esposa ao serviço, revoltando-me com a calma dos taxistas, que não tem pressa para nada, eu que guardo um desespero indefinível de algo que não encontrarei, e para a qual não há pressa.

De volta, passamos num Supermercado.

Evitamos o caixa preferencial, e, de repente, uma senhora nos aborda, perguntando se podia passar só com um queijo, porque estava atrasada para pegar o seu neto.

- Ora, e as outras senhoras idosas da outra fila, eu não deveria pedir a elas também esta permissão?- respondi à senhora

Bem, a senhora saiu e foi para a outra fila, a de idosos, e eu fiquei comigo mesmo me perguntando se fora justo ou não.

Resumo: hoje eu estou para pouca conversa, e sem educação.

É raro, mas eu tenho às vezes dias assim, onde me revolto com tudo e com todos.

Chega de falar bobagem.

Muamar Gaddafi, ilusão de "esquerda"

Para começar, dá vontade de recitar um poema de Carlos Drumond de Andrade

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José ?

E agora, você ?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta,
e agora, José ?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José ?

E agora, José ?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio - e agora ?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.

José, e agora ?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…

Mas você não morre,
você é duro, José !

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José !

José, pra onde ?

Pois é, o José aqui, somos todos nós que no passado, lá pelos anos 60 acreditávamos que havia um movimento revolucionário, ou de "esquerda" nas revoluções da era nasserista em todo o Oriente Médio, que se rebelavam contra os EUA.

Tudo ficou no discurso, sem trazer, de fato, transformações positivas para as seus povos. Hoje assistimos estes velhos líderes totalmente superados, mais que isto, enlouquecidos, idólatras de si mesmos, enquanto a fome graça em seus países.

Que se possa reparar estas visões distorcidas, e se rediscutir caminhos concretos para a democracia e ao socialismo, sem ter de abonar loucos, por aí



Belo existencialismo de Simone de Beauvoir...

A folha de 24/02/2011, traz entrevista com Caude Lanzmann escritor que conviveu com Sartre e Simone de Beauvoir por anos.

Ele declarou que foi amante de Simone por anos, e justificou que Sartre não mantinha mais relações com ela. Hum...

Poxa, mas que existencialismo incrível, onde Sartre é citado por ser impotente e Claude Lanzmann, bem mais jovem, tornar-se o salvador de Simone.

e pensar que em minha juventude diziam que Sartre e Simone tinham casas separadas mas mantinham o casamento...e eu pensava, como são "progressistas"...

E pensar que esta dupla existencialista deu falso exemplo para toda a geração dos anos 60...

Fica o relato melódico frustrado, na Folha ilustrada de hoje, 24/02/2011.

Não dá para fugir: casou, casou. Seja responsável e cuide de sua família, de sua esposa, de sua casa. Cuide de si e dos seus, senão, os galhos...

O amor está ligado à convivência, e rege-se através de valores morais, que Sartre, ao rejeitar, acabou sendo traído, sem poder discordar.

Aguentou calado, em sua filosofia.

Solução para o Metrô de São Paulo

Atenção, o metrô não tem que negociar a extensão de linhas, nas campanhas eleitorais.

Isto só aumentará o congestionamento das linhas.

A solução está nas linhas cruzadas e paralelas, pois desta maneira se poderá distribuir melhor o fluxo de passageiros, que hoje, por inexistência de um real planejamento, ou melhor pela existência de muita irracionalidade nos planejamentos realizados, nunca foi considerado.

Quanto mais se estender uma linha, tanto mais se congestionará o metrô.

O metrô de São Paulo está agonizante.

Vagões sujos e mal conservados, trens superlotados, estações congestionadas, mal atendimento desde os caixas até as plataformas, uma infindável lista de o que outrora foi um exemplo para o mundo.

Alguém já viu um caixa do Metrô sorrir, ou o pessoal que fica próximo às catracas?

Agora viramos mais um metrô como o de Nova York, com o detalhe que o nosso está agonizante.

A solução, volto a dizer é simples: linhas cruzadas e paralelas, em vez de extensões e extensões congestionantes.

Pode não trazer votos, mas resolve.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Bela lição os clubes estão mostrando ao Brasil pré Copa

Bela união estas dos clubes brasileiros sobre o dinheiro a se receber por direito de imagem nas telinhas.

E a briga pela taça das bolinhas?

Enquanto isto o Ricardo Teixeira vai ficando no poder.

É o velho ditado: dividir para governar.

Os clubes do Rio que recuperaram suas imagens, partem para voo solo.

O Corinthians que aprendeu a badalar o Ricardo Teixeira faz tudo o que ele pede, e também se desfiliou do Clube dos 13. Afinal ganhar um estádio e a abertura do mundial, é para se puxar bastante o saco mesmo, kkkkkk

É punhalada atrás de punhalada, nas costas.

Quem sabe não voltaremos a ter dois ou três campeonatos "nacionais" , como no tempo da taça das bolinhas, onde o Flamengo não foi reconhecido pela CBD, na época, como campeão, mas o Sporting de Recife.

E os comentaristas da TV também ficam quietos, como diz o Neto, "é briga de cachorro grande", e não cumprem seu papel de denunciar esta divisão que só prejudica o fubebol nacional.

Aliás esta divisão está acontecendo também em outras áreas, não é salário mínimo?

É um sinal de que o Brasil está com tanta unanimidade que está ficando difícil mantê-la.

O poder realmente fascina

Radial Leste, congestionamento permanente

Não há mais o chamado horário do "rush". A manhã passa e o trânsito não desafoga. Dá pr'a aguentar?

E olhe que a linha leste-oeste do Metrô acompanha a radial. Deveria ser uma solução, e não é, porquê?

Porque o Metrô está mais congestionado que a própria radial.

União Européia condena violência terrorista contra minorias religiosas

Obtido no Zenit. Este documento é tardio, e reflete uma União Européia submersa no secularismo, ainda que o documento defenda o direito à liberdade religiosa


BRUXELAS, terça-feira, 22 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia expressaram sua condenação dos "atos terroristas" contra as minorias cristãs e seus lugares de culto, bem como contra outras minorias religiosas, incluindo os muçulmanos, nas conclusões de uma reunião realizada ontem em Bruxelas.

No documento final da reunião, os ministros europeus afirmam que a Europa "continuará apoiando iniciativas no âmbito do diálogo intercultural e inter-religioso, em um espírito de abertura, participação e compreensão mútua".

Também reafirmaram "o forte compromisso da União Europeia (UE) na promoção e proteção da liberdade de religião ou credo, sem discriminação".

Neste sentido, pedem a Lady Catherine Ashton, Alta Representante para Assuntos Exteriores e de Segurança da UE, que apresente "propostas concretas de ação da UE neste sentido".

Afirmando sua vontade de cooperar "para promover a tolerância religiosa e proteger os direitos humanos", os ministros anunciaram que a Europa "estará mais envolvida ainda em todos os fóruns multinacionais, especialmente nas Nações Unidas, para unificar apoios em todas as regiões, na luta contra a intolerância religiosa".

O comunicado conclui afirmando o dever de proteger-se "daqueles que querem usar a religião como um instrumento de divisão, para incentivar o extremismo e a violência".

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A primeira aula

Por uma série de razões estou iniciando o curso de teologia na PUC-SP, Campus Santana.

Fiz 5 anos de teologia para leigos no IDTEO, vinculado à Diocese do Campo Limpo, mas para os objetivos que persigo, não tinha nenhum valor, de forma que estou fazendo de novo.

De fato, isto não importa para o tema que escolhi, servindo apenas para localizar o leitor no porquê da escolha do tema "A primeira aula".

Sim, o fato de ter estudado este curso com outras nuances, e profundidades, pode estar concorrendo para esta dissertação, por ver certa repetição de assuntos e levantamento de expectativas que não possuo mais.

Ocorre que isto também me dá, procurando não ser soberbo, o que abomino, sentido mais crítico, e disponibilidade de arguição, que de outra maneira não teria.

Assim pude observar todas as primeiras aulas de meus professores de Introdução ao Pensamento Teológico, Metodologia Científica, Filosofia Antiga, História da Filosofia Antiga, Introdução ao Pentateuco, Hebraico, História da Igreja Antiga, Antropologia Filosófica, etc

Perguntas com pegadinhas,  chamadas às vezes de "te peguei desgraçado", ocorreram diversas, e todas elas com o objetivo de submeter o educando ao silêncio envergonhado, após responder erradamente, e até inocentemente, a questão.

Às vezes o professor pensa em quebrar paradigmas dos alunos nesta linha, em vez de questionar a dimensão do conhecimento mesmo, e não é por aí.

Não é por aí, não é mesmo?
Isto muitos fizeram e fazem.

O que querem, à parte toda a pedagogia libertária que apregoam, é submeter mesmo o aluno à sua posição de subalterneidade, para reforçar sua autoridade sem o uso da pedagogia, nem do conhecimento, mas da força autoritária.

Outros vem e se explicam como muito democráticos, mas que devido ao regimento interno da Universidade, terão que dar falta a quem não chegar pontualmente, e que dará uma tolerância de 15' no máximo, à partir do início das aulas, etc, etc...

Matérias não lidas terão desconto de tanto, participação em aula tem valor X, e assim para frente. Nesta parte, tudo bem, é bom ser disciplinado

Outros ainda, dizem que desejam que todos façam bastante perguntas, mas quando as pessoas começam a perguntar, ao se verem confrontados com as questões, começam a desconfiar de quem pergunta,  até demonstrando fisionomicamente ou corporalmente seu desgosto, que logo é notado pelo aluno, que acaba silenciando-se.

Poucos se abrem, ficam à vontade, e não impõem regras, tentando seduzir o estudante pelo gosto da matéria em si.

Estes são os melhores.

Há professores que fazem muita pose, dramatizam, mas não tem profundidade. 

Outros são observadores, e até críticos, mas como demodê, sem intenção de transformar coisa alguma.

É o crítico ordeiro, aparente, no fundo um reacionário, ou falso progressista.

Ah... a verdade está sempre com eles. Coitada da verdade.

Por fim vi uma palestra inteira do Vice-Reitor para todos os estundantes do Campus.

Falou com naturalidade e com boa capacidade de explicação, e defendeu num só tema várias questões, como o futuro, a escolha da profissão, a felicidade, o planejamento, e a motivação.

Tudo parecia perfeito, só que tinha um problema: o Vice-Reitor era uma pessoa sem sal, sem sabor, não demonstrando prazer no que dizia, tornando a apresentação extremamente enfadonha.

Dizia algo que todos viam que ele mesmo não acreditava, e portanto não fazia.

Os alunos, ainda num momento pré-político, apenas fizeram uma tremenda salva de palmas ao final, para demonstrar o quanto "gostaram".

Não tenho intenção de ser agradável a ninguém, em troca da verdade, ou da visão crítica.

Muito menos deixarei de ser alegre e sorrir só porque não gostam.

Afinal, como diz a comediante: "Eu Tô pagando!!", portanto continuarei perguntando e incomodando.

Os professores precisam se despir de si mesmos, e serem mais fraternos com os estudantes.

Acabarem com estas conversas de peixe morto.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Doi o silêncio do Governo Dilma sobre a Líbia

Morticínio, chacinas, sangue justo correndo nas ruas de Trípoli, e o Governo Dilma em silêncio.

Eu não votei pelo silêncio, eu votei pela verdade e pela coragem.

Dilma, ainda é tempo de você tornar-se também uma estadista da estatura de lula. Liberte-se da prisão midiática, dos falsos profetas, dos aspirinas. Volte-se para o teu povo que te quer nos braços.

À noite veio a informação que o Patriota fez uma declaração contra o massacre na Líbia. Ufa!!!

O infinito entre a intenção e o gesto.

Vamos deixar claro uma regra entre nós: não dá para aceitarmos pessoas que defendem certas idéias, ou princípios, ou mesmos regras de conduta, mas não fazem aquilo que eles falam.

São, como Jesus falava, sepulcros caiados, isto é brancos por fora, mas podres por dentro.

Isto nos remete ao seguinte pensamento: é preferível ficar mais tempo em silêncio para não ser excessivamente ambigüo, ou falar menos, pensando mais no que falamos para tentarmos ser coerentes.

Estes princípios que acabo de apresentar, entretanto, não tem espaço no mundo de hoje. Muitos estão se vendendo adoidado por aí, como se fossem as maiores estrelas, os melhores do mundo. E esta constatação ocorre em todas as esferas de influência.

Mas quando você conhece melhor a figura, cai o disfarce.

É com professores, políticos, empresários, às vezes com os "amigos", todos se achando os tais.

O que me salva é chegar em casa e encontrar Meg, minha esposa silenciosa, me aguardando, preocupada se minha saída foi sem traumas.

Só assim, e olhe lá...

Fora com o trem fantasma!!!!!

O Metrô esta despindo um santo para vestir outro santo, isto é, está passando com trens vazios por várias estações que vão ficando cheias, só para atender a demanda da Sé.

Quando os trens passam pegando passageiros nas estações "intermediárias", estas já estão superlotadas e com as pessoas altamente irritadas, sendo que os vagões já estão cheios.

Você sabe o que é ver um trem passando vazio na sua cara e você não poder fazer nada?

É o que está acontecendo em várias estações.

E o desespero acaba tornando o povo mais violento e menos cortês com os mais necessitados que se misturam entre eles, e têm mais  direitos.

Assim , é um salve-se quem puder, desde o empurra-empurra até a compressão final no interior do vagão.

Cheira-se sovaco direto, principalmente aqueles de desodorantes de pouca duração, onde o que sobra e o cêcê, e o desmaio, pela falta de ar.

Penso nas mulheres grávidas, nos idosos e deficientes, como devem se ajeitar.

Tudo se ajeita depois de alguma confusão porque o povo brasileiro não é egoísta, e é pacífico, mas sua paciência está se esgotando.

Depois aparece por aqui outra agitação do facebook e vão dizer que é coisa de comunista.

A TV brasileira é maior que o crack

Sim, o vício da mediocrização do brasileiro está em curso legalmente, via telinha de TV.

Salvam-se muito poucos programas.

A maioria é um lixo: novelas sem mensagens, apenas incentivando maus hábitos, BBBs da vida que propõem a destruição do próximo, hábitos de consumo desregrados difundidos para vários públicos, desde a infância até aos idosos.

É realmente necessário se retormar as conferências de comunicações, envolvendo amplos setores, principalmente ao telespectador, que deve ser o maior interessado.

Só que o telespectador, hoje, já está anencéfalo, e não tem mais opinião própria.

1984, filme que na década de 60 denunciava a massificação dos povos, está dando retoques finais ao processo de alienação geral.

Pode-se conversar de moda (algumas coisas), estética (outras tantas), violência (para nos conformarmos em sermos também violentos), política (dentro da opinião pré-definida), etc.

Estamos no período do faz-de-conta.

A realidade não existe.

O espírito crítico não existe.

Estamos prisioneiros em nossas próprias casas, pelas grades da TV.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Porque os governos não denunciam as chacinas na Líbia?

Os governos ocidentais que aprenderam a sustentar as ditaduras do Oriente Médio, de "esquerda" ou de direita, agora estão surpresos, sem saber o que dizer, diante da intença repressão ao movimento popular.

Chacina é a palavra correta.

A política internacional do Governo Brasileiro, diferentemente de Lula, segue o figurino americano, de deixar ao Brasil a tarefa de administrar a América Latina e silenciar-se diante dos conflitos do mundo.

Duplo problema para o Brasil, que não é gendarme dos EUA na América do Sul, e vai se tornando domésticado aos interesses internacionais dos EUA.

Um governo que se pretende progressista deve ter a coragem de vir a público defender os povos que estão lutando pelas suas liberdades

Como dizia o velho antropólogo, "tristes trópicos".

Acorda Dilma!!!

O morador de rua que escandalizava os normais

De vez em quando nos encontramos com um morador de rua que faz questão de nos escandalizar.

As razões para isto são diversas, exclusão, descaso, perseguição, são provavelmente algumas das causas.

Escandalizar é uma forma de nos fazer "pagar', só por vermos o que ele faz.

Esta semana, levando de carro minha esposa para o trabalho, eis que nos deparamos com um morador de rua trajado por farrapos, e andando com apenas um pé, sendo que tinha a ambas.

De repente, ele se agachou, dobrou o corpo para canaleta que fica entre  calçada e a rua, e simplesmente pôs-se a beber daquela água empossada e suja que ali estava.

Fiquei chocado com tanta falta de cuidado consigo mesmo, daquele cidadão, ou não cidadão, uma vez que está totalmente fora de qualquer contexto social.

E aí penso: será que este morador de rua será contemplado pelo programa de erradicação da pobreza e miséria?

Resgatar a dignidade de uma pessoa tão destruída assim exigirá um sobre esforço que transcende Dilma e seu governo.

Exigirá isto sim, de nós um envolvimento além daquele que fazemos, para abrir a oportunidade para pessoas como esta.

Não é fácil, mas é necessário.

O Brasil que sonhamos é um Brasil solidário, de ajuda mútua, e de congraçamento.
´
O escândalo maior, não é o desta pessoa que bebe esgoto, mas de termos tornado nossa sociedade fechada, e individualista, adequada a um sistema de acumulação, onde cada "um é para si, e Deus para todos", ditado mais infeliz que conheci.

Reveter será difícil, mas não impossível.

É preciso sair da pré história política e adentrar na nova humanidade, sonhada por crentes e ateus.

Irupção social no Oriente Médio pode ocorrer em outras regiões?

Ainda que exista uma especificidade dos movimentos surgidos no Oriente Médio, que é a crescente exclusão social de amplos setores da população, somada a existência de Estados totalitários estruturados com poucos canais de participação social, mas mantendo uma fachada representativa, sim é possível o surgimento de movimentos sociais no mundo, de forma mais fácil, que em outros períodos da História.

Isto por uma simples razão, a internet permitiu o acesso à informação e à organização de setores que ficavam à márgem dos acontecimentos.

O papel que até então estava reservado para os partidos políticos, passa a ter um novo interlocutor.

Isto significa que os partidos políticos perderam parte de sua influência sobre as massas?

Se pensarmos os partidos sem lastro social, não, embora sintam-se esvaziados de poder, e enfrentem o movimento da mesma forma, mas organizadamente, como é o caso do Irã.

 Mas os partidos de característica social democrática, e os demais, que foram formados para "oficializarem" o poder de algum mandatário, sim, perderam influência, e foram desmascarados.

A Europa vive em uma estagnação.

Os EUA vagarosamente saem de uma recessão.

A América Latina vive o deslumbramento de Estados "progressistas" com algum resultado social.

A África ainda não saiu do domínio violento do poder e da pré-política, embora tenha alcançado a independência social, no passado.

A China está em franco desenvolvimento atendendo as demandas sociais, assim como o Vietnã.

Visto de cima, a África se anuncia como o próximo rebento social.

A América Latina passará por governos de esquerda que se desgastarão a médio prazo, ao não atingirem os resultados esperados, podendo sofrer um refluxo diretista.

A Europa parece ter desistido de lutar.

O fundamentalismo religioso parece igualmente surpreendido, pois deixa o protagonismo da revolução para o laicato, neste primeiro momento.

E a bandeira do socialismo, tem sido levantada em todos estes movimentos?

Não percebi.

Vejo o movimento socialista internacional enfraquecido ainda, sem condições de influir decisivamente nestas insurreições.

Bem, vou ficando por aqui.

O mundo de hoje é mais teocrático que antes, talvez seja isto que leve amplas massas à luta, há um modelo novo se mesclando que precisa ser melhor entendido.

Modelo que envolve o cerne da existência, da relação entre as pessoas, junto com o movimento social: A questão da trenscendência da vida, e o papel que ser humano na Terra.

A preservação do nosso eco-sistema está também neste perfil, mas tudo é ainda muito embrionário.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Com R$10,00 hoje você não faz mais nada

Foi-se o tempo, e faz pouco tempo, que com dez reais você almoçava um Prato Feito, e ainda pegava condução.

Agora, R$6,00 já ficam com a condução, um roubo. São Paulo tem o maior preço de transporte de ônibus do país, R$3,00.

E Kassab quer fazer parte do bloco dilmista...

Este é o Brasil que está deixando os especuladores irem aumentando ao bel prazer os preços de tudo.

Nas barbas do Sr. Mânteiga.

Como o mínimo ficou no mínimo, quem vai pagar o pato imediato é o povão, com arrocho progressista. Vai dormir com esta.

Átrio dos Gentios promove diálogo entre ateus e crentes

Interessante a reflexão, pelo Zenit
Emil Cioran, o ateu que crê


BOLONHA, quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Abriu-se em 12 de fevereiro, na Universidade de Bolonha, os encontros do Átrio dos Gentios, que promovem o diálogo entre crentes e não crentes.

O purpurado apresentou uma reflexão sobre Emil Cioran (1911-1995), escritor e filósofo romeno. Oferecemos um fragmento da redação original.

* * *

"Sou um estrangeiro para a polícia, para Deus, para mim mesmo". Este é, talvez, o lapidar e fulgurante documento de identidade de Emil Cioran, nascido há cem anos, em 8 de abril de 1911, em Rasinari, na Transilvânia romena. Este inclassificável escritor-pensador, em 1937, aos 26 anos, emigrou para Paris, onde viveu até a morte, em 1995. Foi estrangeiro para a sua própria pátria, cujo nome tinha suprimido de seu registro civil, abandonando inclusive seu idioma natal. Foi estrangeiro no país que o acolheu, por causa do seu constante isolamento: "Eliminava do meu vocabulário uma palavra após a outra. Acabado o massacre, só uma sobreviveu: solidão. Despertei satisfeito".Estrangeiro, por último, para Deus, apesar de Cioran ser filho de um sacerdote ortodoxo. Tão estrangeiro que se inscreveu na "raça dos ateus", mas viveu com a ânsia insone de seguir o mistério divino. "Sempre rondei a Deus como um delator: sem ser capaz de invocá-lo, eu o espionava".

Eu gostaria de falar brevemente dele, sem a pretensão de superar o meu recinto de teólogo para me aventurar na análise crítica literária, que outros já farão neste centenário. Cioran ficou de tocaia em várias ocasiões para fazer uma emboscada contra Deus, obrigando-o a reagir e, portanto, a mostrar a cara.

É emblemático o diálogo que ele travou à distância com o teólogo Petre Tutea. Tutea não tinha abandonado a sua terra, apesar de ter passado 13 anos nos cárceres de Ceaucescu, nem muito menos sua fé, a ponto de ter assim retrucado a Cioran: "Sem Deus, o homem não é mais do que um pobre animal, racional e falante, que não vem de lugar nenhum e não sabe para onde vai". Na verdade, o seu interlocutor não era ateu nem agnóstico, pois tinha chegado a sugerir aos teólogos o seu particular caminho "estético" para demonstrar a existência de Deus. Aliás, ele escreveu em "De lágrimas e santos" (Tusquets Editores, 1988): "Quando ouvimos Bach, vemos Deus nascer... Depois de um oratório, de uma cantata, de uma paixão, Deus tem que existir. E pensar que tantos teólogos e filósofos desperdiçaram noites e dias procurando provas da existência de Deus, esquecendo-se da única!".

Cioran acusa o Ocidente de um delito extremo, o de ter extenuado e dissecado a potência regeneradora do Evangelho: "Consumido até os ossos, o cristianismo deixou de ser uma fonte de maravilha e de escândalo, deixou de desencadear vícios e fecundar inteligências e amores". Esse Qohélet moderno se transforma, então, numa espécie de "místico do Nada", deixando entrever o calafrio das "noites da alma" de certos grandes místicos, como João da Cruz ou Angelus Silesius, remontando até o desconcertante cantor do nexo Deus-Nada, o famoso Mestre Eckhart da Idade Média. "Era ainda uma criança quando conheci o sentimento do nada, depois de uma iluminação que não conseguiria definir". Uma epifania de luz escura, poderíamos dizer, utilizando um oxímoro de Jó.

"Há sempre alguém por cima de nós mesmos”, prosseguia. “Por cima do próprio Deus eleva-se o Nada". Eis o paradoxo: "O panorama do coração é: o mundo, mais Deus, mais o Nada. Ou seja, tudo". Esta é sua conclusão: "E se a existência fosse para nós um exílio e o Nada uma pátria?". O Nada, sempre de acordo com este oxímoro, se transforma no nome de um Deus, bem diferente do Deus cristão, mas disposto, como Ele, a retirar o mal-estar existencial da humanidade. Cioran escreveu, evocando a psicostasia do antigo Egito, ou seja, o momento em que as almas dos defuntos eram pesadas para verificar-se a gravidade das suas culpas: "No dia do juízo, só as lágrimas serão pesadas". No tempo do desespero, de fato, certas blasfêmias, declarava Cioran acompanhando Jó, são "orações negativas", cuja virulência é mais acolhida por Deus que o compassado louvor teológico (a idéia já tinha sido formulada por Lutero).

Cioran é, portanto, um ateu-crente sui generis. Seu pessimismo, ou melhor, seu negacionismo, se deve mais à humanidade: "Se Noé tivesse recebido o dom de ler o futuro, não há dúvida de que ele mesmo teria afundando a arca!". E aqui o Nada se transforma no mero nada, um vazio de aniquilamento: adorar a terra e dizer que nela está o fim e a esperança dos nossos afãs, e que seria inútil procurar algo melhor em que descansar e se dissolver. O homem faz com que o homem perca toda fé; é uma espécie de demonstração da não existência de Deus e, desta perspectiva, explica-se o pessimismo radical de Cioran, que já brilha nos títulos de seus livros: "Do inconveniente de ter nascido", "A tentação de existir", "Nos cimos do desespero", "Dilaceramento", "Silogismos da amargura", etc. Muitas vezes é difícil não dar a ele a razão, ao se olhar não só para a história da humanidade, mas também para o vazio de tantos indivíduos que não têm nada do trágico Nada transcendente: "De muitas pessoas podemos dizer o que se diz de algumas pinturas: que a parte mais bela é a moldura". Por sorte, no entanto (e esta é a grande contradição), também existe, como antes dissemos, Bach.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Movimento social no Oriente Médio questiona ditaduras nasseristas

Nada como o tempo para desmontar falsos edifícios.

Os vários governos de "esquerda" que se impuseram pela força à partir dos anos 50 em todo o Oriente Médio esgotaram-se.

Foram governos de características totalitárias e paternalistas, muito assemelhados aos diversos reinos existentes na região, onde uma réstia de feudalismo, subsiste no sistema político
Não produziram as mudanças em seu tempo, nem perceberam as mudanças que foram ocorrendo na região ao longo de décadas.

Acostumados ao poder ilimitado e ao paternalismo político, usufruiam a si e a seus grupos de apoio, enquanto crescia uma multidão de excluídos do sistema produtivo.

A internet teve o mérito de por "on line" todos os segmentos discriminados por todos os países da região.

As características das revoltas tem peculiaridades próprias: uns aqui, são Xiítas discriminados, outros lá são de todas as origens.

O fato é que há um modelo condenado pelo desgaste e pela inércia.

Alguns bons discursos não sustentam regimes.

É preciso transformação. alguns países usam de pressão popular para se contrapor à tendência crescente de insurreição popular.

Que isto sirva de lição para o Governo Dilma, que pode achar que este fenômeno é exterior ao Brasil, mas tenho que refutar este argumento, lembrando que a intencionalidades dos governantes de lá era, no início,  lutar pelos interesses dos seus povos, só que foram fugindo paulatinamente destes objetivos, e foram acostumando-se com a vida faustosa, e deu no que deu.

Acorda Dilma!!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Metrô: violência e congestionamento na estação Pça. Marechal

Venho alertando há alguns dias a total falta de acompanhamento, o verdadeiro descaso com as chamadas "estações periféricas", com a da Pça Marechal. Ontem, 16/02/2011 a multidão, assistindo a trens passando vazios, desesperou-se a ao chegar um trem LOTADO, ao notar o primeiro vagão vazio, reservado para idosos, mulheres gr´vidas e deficientes, rompeu a fita isolante e passou por cima dos vigilantes.
Por sorte o trem já havia fechado as portas, de forma que isso impediu gente ser pisoteada.

Volto a dizer :

Este é um acidente anunciado. Cuidem do povo, senão...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Congresso Nacional kafkiano

A presidência do Congresso Nacional, do PT, ameaçando expulsar as Centrais Sindicais das galerias, e o PSDB e o DEM defendendo o salário mínimo com as Centrais, deixam O Castelo, O Processo e a Metamorfose de Franz Kafka, como representantes do realismo.

É a inversão total de valores!!!

O  PT repreendendo as Centrais.

Sinto-me enojado neste momento, traído naqueles em quem depositei minhas convicções.

À partir de hoje, guardo silêncio.

Dona Dilma não espere meu apoio e meu entusiasmo à partir de hoje.

Não tenho o rabo preso e digo de maneira líquida conforme minhas convicções.

Trata-se de golpe dentro do governo. A cada dia que passa mais o PT se distancia de seus princípios.

Não abro mão de meus princípios socialistas e de defesa do menor, do pequeno, e do abandonado.

Hoje a claque é grande e os poderosos passeiam livremente pelo palácio em Brasília.

Como eu, sei que muitos brasileiros estão igualmente frustrados.

Vai ter que se fazer muito, para reverter estas minhas opiniões.

O pior é o silêncio de quem eu esperava que pusesse a boca no trombone.

Triste, muito triste, triste mesmo

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Linha leste-oeste do metrô está insuportável

Tente pegar o trem do metrô em qualquer estação à partir da Pça Mal Deodoro em direção à Sé, no final das tardes. 

Dizer que é uma lata de sardinha é um elogio.

É um verdadeiro absurdo o que se passa nestas estações.

São multidões querendo entrar em um trem lotado, e ficam esperando passar outro trem que vem novamente lotado, até se perder a paciência e entrar empurrando todo mundo para ficar entalado no meio do vagão.

Alguns pensam em esperar a situação melhorar, e depois de uns tres trens que passam, e a situação não melhora, eles resolvem se pertar mesmo

Hoje, 15/02/2011, na Mal. Deodoro, uma mãe foi se aproximando pela lateral da plataforma, com o seu carrinho e uma criancinha dentro, e ficou, na frente da entrada para a porta do trem, comprimida  pela multidão.

Quando o trem chegou e abriu a porta, ela teve que ser mais do que esperta, senão passavam por cima dela, do carrinho e tudo, porque a multidão não tem alternativa: é entrar ou entrar. Nestas horas esquece-se de etiquetas, educação, e até normas de abordagem. Muito perigoso, principalmente para os idosos.

Ontem, 14/02/2011, o trem parou entre estações, por problemas técnicos, e o pior aconteceu, isto é faltou energia.

Estivemos uns 4 minutos sem energia, no escuro, e com o trem lotado.

O ar já estava ficando rarefeito, quando voltou a energia, para alívio de todos.

Não desejo, mas estou vendo um total despreparo da direção do Metrô em se planejar para estas situações de falta de energia e, consequentemente, de ar, que poderá asfixiar muita gente sufocada nos vagões.

Outro fato que poderá levar a um acidente é o intervalo de trens que atendem as estações no final do dia, isto é, trem pára, e trem não pára, e passa vazio, para atender exclusivamente a Sé que está lotadíssima.

Enquanto isso, as estações "periféricas" vão ficando igual ou pior que a própria Sé, e quando chega o trem, este já vem lotado.

Estratégia burra essa, não é?

E estes trens que passam vazios, quando chegam nas estações vem devagar, porém o maquinista, quando passa em sua cabine pela estação, ele acelera.

Só que quando ele acelera ainda faltam todos os vagões restantes do trem passar pela estação, de forma que quem está mais pelo lado final da estação se depara com um trem passando em alta velocidade.

A hora em que o trem pegar um, este vai ser jogado contra toda a multidão provocando graves consequências.

Mas será que adianta denunciar?

Vamos convidar o Senhor Alkmin para viajar no trem das seis, como diria o Adoniran, para ver se ele gosta.

Não daquelas viagens de campanha, bonitinhas, com vagões vazios, mas um destas com o povão, apertadinho, quentinho, e aconchegante.

Que tal governador?

Em defesa do negão

Mais uma vez a imprensa marrom atira no negão para denegrí-lo.

E com mixaria, como se o negão precisasse destes valores.

Quando Netinho de Paulo se lançou na vida política, ele já era um empresário bem sucedido.

Para ele, a questão econômica está resolvida, e isso não é novidade para ninguém.

O suspeito é um jornal da influência da Folha, vir com matéria de página inteira, mais chamada de primeira página, denunciando-o sobre uso de verbas indenizatórias, onde aparecem citadas quatro notas frias que totalizam R$ 30.400,00.

O que está por trás desta reportagem?

Um  jogo político de tirar de cena o negão, que apesar de não ter sido eleito senador, obteve mais de 7 milhões de votos, e se credencia, automaticamente a disputar a prefeitura de São Paulo.

Não contentes em aceitar um cantor de pagode negro, que fere o padrão do perfil circunspecto de parlamentar "oficial", tentaram caracterizar o negão como uma pessoa violenta, por episódio mais do que superado.

Agora surgem notas frias.

É jogo de cachorro grande, como se diz, mas Netinho de Paula deve então exigir que todas as prestações de contas dos vereadores em verbas indenizatórias também sejam divulgadas.

O valor irrisório destas notas, facilmente reembolsável, e a matéria de página inteira, que busca atingir Netnho e por trás o PC do B, mostram que está em jogo uma articulação de direita para desestruturar, na Capital do capital, a formação de uma alternativa de esquerda, na cidade.

É também retrato do reposicionamento das peças na Câmara Municipal, onde Netinho alcançou papel importante na mesa da Câmara.

Tudo o que se percebe é a armação que está por trás disto, com os velhos caciques que tornaram a Câmara um sarcófago, desejando voltar a ocupar seus postos.

Ao negão podemos dizer que é hora de bater forte para tirar os violentos que  se impuseram pela força, inclusive física, para dominar o poder público municipal.

Discriminação deslavada!!!! 

Campanha de 6 entidades contra utilização de crianças-soldado

24 países continuam usando menores armados em conflitos



MADRI, segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - As organizações Alboan, Anistia Internacional, Entreculturas, Fundação El Compromiso, Save the Children e o Serviço Jesuíta aos Refugiados se mobilizaram no Dia Internacional contra o Uso de Crianças-Soldado, comemorado no domingo, 13 de fevereiro, para denunciar as graves violações dos direitos humanos às quais continuam sendo submetidos diariamente meninos e meninas, em numerosos países.

As organizações solicitam aos Estados - que ainda não o tenham feito - que ratifiquem o "Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança", sobre o envolvimento de crianças em conflitos armados. "É a ferramenta jurídica de proteção mais importante para as crianças em conflito", afirmam.

"O Protocolo - garantem essas organizações, em um comunicado de imprensa enviado a ZENIT - é uma ferramenta essencial para garantir que as crianças não sejam usadas em conflitos armados."

Este instrumento aumenta para 18 anos a idade mínima para a participação direta nas hostilidades, em comparação com a idade mínima anterior, de 15 anos, determinada na "Convenção sobre os Direitos da Criança". Também obriga os Estados a impor regras estritas onde isso não for cumprido.

Este Protocolo foi ratificado por 134 países; 23 já assinaram, mas não ratificaram (como Camarões, Gana, Libéria, Paquistão e Somália); e 35 nem assinaram nem concordaram em fazê-lo (como Guiné Equatorial, Etiópia, Malásia, Mianmar, Arábia Saudita e Zimbábue). A Espanha o ratificou em 2002.

Com esta iniciativa, as organizações se unem à campanha das Nações Unidas: "Ninguém com menos de 18 anos", que busca a ratificação universal do Protocolo até 12 fevereiro de 2012, quando se cumprirá o 10º aniversário da sua entrada em vigor.

A campanha pretende que ninguém menor de 18 anos seja recrutado ou utilizado nas forças armadas ou grupos armados, uma vez que a associação com forças armadas priva as crianças de seus direitos e de sua infância, causando um devastador impacto físico e psicológico.

Finalmente, as organizações pedem aos Estados que já assinaram e ratificaram o Protocolo que realizem esforços adicionais para sua correta implementação, fornecendo os recursos adequados.

No Chade, estão sendo recrutadas crianças com idade entre 13 e 17 anos pelas Forças Armadas e usadas em combate; e menores de 10 anos são usados como mensageiros e em funções de transporte. Isso contradiz claramente o Protocolo e é uma evidente violação das obrigações internacionais neste país.

"É impossível estimar com precisão o número de crianças-soldado", diz a nota.

Há dezenas de milhares em todas as regiões do mundo. Segundo o último relatório global sobre crianças-soldado da Coalizão Internacional de 2008, pelo menos 24 países de todas as regiões do mundo recrutavam crianças menores de 18 anos.

Desde então, milhares de crianças-soldado foram libertas das forças combatentes - grupos governamentais ou insurgentes - após acordos de paz e programas de desmobilização e reintegração no Afeganistão, Burundi, Costa do Marfim, Libéria, República Democrática do Congo, sul do Sudão, entre outros.

No entanto, durante estes, anos começaram, foram retomados ou se intensificaram conflitos em países como o Chade, Iraque, Ruanda, Somália e Sudão (Darfur), aumentando nesses lugares o recrutamento de menores de idade.

As crianças e os adolescentes soldados foram submetidos a situações extremas, nas quais alguns testemunharam o assassinato de seus familiares ou foram utilizados como instrumentos para cometer atrocidades.


Muitos foram vítimas de abuso, estupro e outras formas de sexualidade forçada, incluindo os "casamentos" com combatentes, no caso das meninas.


Em numerosas ocasiões, eles foram drogados para superar o medo do inimigo, obrigados a roubar, estuprar ou mutilar pessoas.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Aposentadoria de Ronaldo: um melodrama de água com açúcar

Vamos e venhamos, a aposentadoria de Ronaldo "Fenômeno", foi de um elitismo sem par.

Chamar toda a imprensa para chorar de amores pelo Corinthians, que engordou por causa de uma doença, a quantidade de lesões, etc, pouco me comoveu

E os corinthianos que até anteontem xingavam o gordinho, agora morrem de amores por ele. Hipocrisia.

Houve desculpas por não se vencer a libertadores, tapinhas nas costas, lágrimas.

Não é uma comparação boa para se fazer, mas a quantidade de pessoas que vão para as ruas antes do tempo, que sofrem sem encerramentos midiáticos, mas ficam no escuro dos cantos dos prédios, esquecidos...é incontável

Se há alguma coisa por se chorar, então choremos pelos abandonados à própria sorte, é mais justo.

Quanto ao milhonário Ronaldo, boa sorte a ele, que não precisa, porque tem tudo arranjado com patrocinadores.

Vamos pensar nos que não tem patrocínio, nos despatrocinados.

A vida é inexorável, e para tudo tem seu tempo.

Prioridade para o trabalhador brasileiro no Pré-sal

Diante de notícias que dão conta de que o governo pretende flexibilizar a regra trabalhista para conceder mais vagas para trabalhadores estrangeiros no Pré-sal, temos que exigir do governo a obrigação de fazer uma revolução na educação  profissionalizante do país.

Esta necessidade não é de última hora, mas vem já acontecendo pelo menos três anos as necessidades nas plataformas de petróleo, de forma que deve-se fazer uma mudança na área de Educação para ontem, pois tem gente dormindo, enquanto o tempo passa.

Isto sem contar que o trabalhador estrangeiro, além de retirar o lugar de um brasileiro, tem um valor bem superior.

O curso de Engenharia Naval, e outros correlatos são muito pouco incentivados(Formamos 55000 engenheiros, e a China, 400000 por ano).

Tenho um amigo que está rico consertando motores de navios.  Chama-se Sales, barbudo, sempre de bermuda, badalado pelas empresas marítmas. Passa meses no mar, nos portos.

Pouquíssimas pessoas consertam motores de navios no Brasil.

Pagam ouro para quem tem esta profissão.

Vocês conhecem algum mecânico de navio? Pois é...

E onde está o Governo para incentivar isto?

Revolução na Educação agora!!!!!!

Vamos ser patriotas!!!

O Brasil pode ser mais fácil para se viver.

A correção na tabela do imposto de renda deveria ser algo automático, conforme a inflação do ano anterior, e não moeda de troca para justificar o mínimo do mínimo, isto é R$545,00.

O TCU, Tribunal de Contas da União, entidade acéfala, criada pela incompetência parlamentar, existe para embargar e paralizar obras que deveriam continuar em andamento, enquanto se investiga e pune(não sou eu que diz isto, mas o presidente da Azul, companhia aérea).

Investigar deve ser competência exclusiva dos deputados, que permitiram que lhes escapasse esta atribuição de investigar, responsabilidade de seus cargos.

Isto vale para os demais tribunais de contas, estaduais e municipais, e seus respectivos deputados e vereadores.

É uma aberração a existência, repito, destes órgãos acéfalos, cabides de empregos, sangue sugas do contribuinte, quarto poder, poder paralelo.

Devem ser extintos o quanto antes, e os deputados, por favor, façam a sua parte de fiscalizadores.

Senão fica cada dia maior a quantidade de votos nulos, ou não?

Qual é o papel do Estado?

Um Leviatã, como Hobbes descreveu, cheio de poder, e dominador sobre tudo?

E o custo da Receita Federal?

Milhares de pessoas existido para investigar os trabalhadores e empresários.

Mais trabalhadores que empresários.

Enquanto isto, seria muito mais simples, fazer um imposto único, descontado na fonte, nas transações bancárias, e convidar esta massa de burocratas a fazer serviços voltados a realização de produtos verdadeiros.

Porquê o Governo Dilma, que deseja ser progressista, com valorização do trabalho e da renda, se atém obstinadamente a um mínimo de R$545,00, com linguagem igual ao do Presidente da CNI, Confederação Nacional da Indústria, que critica o PSDB  por ter defendido R$600,00?

Porque o Estado está inchado e se torna também empresário, sendo qualquer alteração de um centavo no salário mínimo um grande impacto nas despesas públicas.

Observe-se que os Estados da Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio grande do Norte e Alagoas gastam mais com folha de pagamento com funcionalismo do que estipula a Lei de Responsabilidade  Fiscal que estipula um máximo de 46,55% a ser gasto com o orçamento com folha de pagamento de funcionários.

E esta lei já é uma aberração, pois o valor máximo é elevadíssimo. Seja como for mostra quão difícil se torna o reajuste do mínimo para o Estado

Também a carga de tributos que incidem sobre o salário, corresponde a um outro salário e meio.

Tributos que o Estado foi implementando, e que hoje fecha as portas para a ampliação do mercado de trabalho. Verdade ou mentira?

O Brasil quer trilhar o caminho do desenvolvimento, e ser uma potência mundial?

Então terá, invariavelmente que responder a uma questão:

É possível um governo que deseja ser progressista, e abrir oportunidades ao seu povo, de progresso e bem estar, reduzir sua máquina de serviços, sendo mais ágil, e eficiente? Creio que sim. Precisará de coragem.

Se assim fosse, o mínimo estaria sendo reajustado a mais, os TCU estariam extintos, sem servir nem para museus.

Muitos urubus de gabinetes estariam procurando empregos mais produtivos, como o do lavrador e do operário.

Dilma tem a oportunidade de rever caminhos e sair destes labirintos que nutrem muitos cabides de empregos que sangram o erário publico e ao contribuinte.

Digo o que digo de peito aberto.

Sou revolucionário, e defendi um Brasil democrático e popular.

Nunca chupei um  bagaço de serviço público para benefício pessoal.

Tudo o que tenho feito na vida é trabalhar por conta própria.

Acho um desrespeito com os pequenos essa história de que o mínimo é causador de inflação e pode impactar as contas públicas.

Pois façam as reformas no estado o quanto antes, que é onde o problema começa, e respeitem o trabalhador de salário mínimo.

Precisa falar mais?

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Rio: não era só subir o morro, mas invadir também delegacias

A grangrena é grande, e está rondando esferas de poder no Rio, para continuar. E olhe, que o Rio está no foco da mídia, mas se for feita uma varredura mais ampla, vai feder .
´
Devolver a droga retida das apreensões nos morros, pela própria polícia, para o tráfico, é como se estivéssemos recebendo uma facada pelas costas.

Foi necessária a Polícia Federal entrar e cena. A mesma Polícia Federal que tem agido pró e contra o poder estabelecido, o que é muito bom.

Como Lula mesmo dizia, "nunca antes se prendeu tanto corrupto", quando era pressionado  pela oposição. Isto continua acontecendo com Dilma. Parabéns à Polícia Federal.

Mas este tipo de mal exige atenção constante, porque sempre encontram um jeito de recomeçarem.

Indonésia: cresce a intolerância às minorias religiosas


Obtido no Zenit
Atacadas três igrejas e dois centros cristãos em Java

Por Paul De Maeyer

ROMA, sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Na capital da Indonésia, Jacarta, foi aberta em 6 de fevereiro a “Semana para a Harmonia Inter-Religiosa”, iniciativa patrocinada pelas Nações Unidas, com uma cerimônia no estádio Istora Senayan. Mas por trás dos discursos de cortesia e dos convites à tolerância recíproca, esconde-se uma realidade pouco amistosa.

Neste 8 de fevereiro, uma multidão de muçulmanos enfurecidos atacou e destruiu três igrejas em Te Mang Gung, capital de província de Java Central. Entre os alvos estavam a paróquia católica de São Pedro e São Paulo, um orfanato cristão e um posto de saúde das Irmãs da Providência. No ataque saiu ferido o pároco, Pe. Saldanha, missionário da Sagrada Família, enquanto tentava proteger o sacrário e a Eucaristia.

A ira da multidão foi suscitada pela condenação de um cristão acusado de proselitismo e blasfêmia, Antonius Richmond Bawengan, de 58 anos, a cinco anos de prisão, veredito considerado “suave demais”, já que era esperada a pena de morte. O homem, nascido na província de Sulawesi Setentrional, foi preso em outubro por distribuir material missionário, considerado ofensivo para o islã. A turba assaltou primeiro o tribunal, para depois se manifestar pelas ruas incitando à violência (Jakarta Globe).

“Estamos abalados. A violência nunca é uma boa solução. Pedimos a todos, muçulmanos e cristãos, que encarem todas as questões de forma civilizada e com espírito de fraternidade. Convido os fiéis católicos e todos os cristãos a não reagirem à violência. Queremos dar um sinal de paz para todos”, disse a Fides Dom Johannes Pujassumarta, arcebispo de Semarang e secretário da Conferência Episcopal da Indonésia (KWI, ou Konferensi Waligereja Indonesia), que falou de uma “violência planejada e orquestrada”. O arcebispo enviou também uma mensagem para os fiéis.

Suas palavras foram confirmadas pelo jesuíta Ignacio Ismartono, perito em Diálogo Inter-Religioso. “O aumento da intolerância – num contexto como o da Indonésia, caracterizado pela convivência pacífica – leva a pensar que existem forças obscuras querendo alimentar a tensão na sociedade. A violência em Te Mang Gung tinha sido preparada dias antes, mas a polícia não fez nada para prevenir as ações”, contou a Fides.

Tudo indica que no país muçulmano mais populoso do globo, com 220 milhões de habitantes, os ataques e os atos de intolerância às minorias religiosas estão aumentando. A última pesquisa a respeito foi publicada dias antes pelo Setara Institute for Democracy and Peace. Com os dados coletados pelo instituto, com sede em Jacarta, pode-se constatar que no transcurso de 2010 houve na Indonésia pelo menos 216 violações à liberdade religiosa e de culto.

Destes, 91 casos ocorreram na parte ocidental de Java – a ilha principal e mais populosa do arquipélago – e 28 na parte oriental; 75 foram contra as confissões cristãs. Segundo o instituto, há um gritante aumento em comparação com o ano anterior, quando foram apenas 12. De acordo com a Compass Direct News (3 de fevereiro), 43 destes 75 casos foram ataques contra locais de culto e outras ameaças à segurança.

Os autores destes atos de violência são, na maioria, membros de movimentos radicais muçulmanos. Segundo Ismail Hasani, pesquisador do Setara Institute, destacam-se o Islamic Defenders Front (FPI) e o Islamic People's Forum (FUI), responsáveis, respectivamente, por 17 e 11 incidentes desse tipo.

Uma das dificuldades que as diversas denominações cristãs encontram na Indonésia é conseguir autorização para construir novos locais de culto ou fazer trabalhos de reconstrução.

É emblemático o caso da igreja protestante Taman Yasmin, em Bogor, Java Ocidental, cujas obras foram embargadas pelas autoridades locais a pedido do FUI. Nem uma sentença do Tribunal Supremo da Indonésia, em 14 de janeiro, conseguiu desbloquear a situação. Como conta o Jakarta Post (29 de janeiro), a comunidade protestante de Bogor pediu agora aos juízes supremos uma cópia oficial da sentença, com a esperança de calar os clamores dos extremistas.

Depois da comunidade cristã, a minoria religiosa mais exposta a violações e abusos na Indonésia é a seita muçulmana dos ahmadiyya (ou Ahmadi), considerados “hereges” ou “apóstatas”, porque dizem que Maomé não é o último profeta. Segundo dados do Instituto Setara, esta minoria, que na Indonésia tem cerca de 200.000 seguidores, sofreu 50 ataques em 2010.

O último e gravíssimo episódio foi no domingo 6 de fevereiro, quando um grupo de quase 1.500 pessoas (armadas com barras de ferro e facões) assaltou a casa de um chefe desta minoria no povoado de Cikeusik, na província de Banten (extremo-oeste de Java). Segundo a Associated Press (6 de fevereiro), o ataque deixou três mortos e seis feridos, dos quais quatro em estado extremamente grave.

Como em outros países muçulmanos, os dirigentes das minorias e os grupos pró-direitos humanos denunciam a passividade, às vezes conivência ou cumplicidade, das autoridades com os radicais, com frequência por motivos eleitorais. O bispo de Padang, Dom Martinus Dogma Situmorang, lançou recentemente uma severa advertência a este respeito e definiu como “preguiçosa” a resposta do governo aos verdadeiros problemas do país. Segundo o prelado, “uma crise moral” assola a Indonésia, junto com o aumento da intolerância, fenômeno perante o qual a Igreja não pode permanecer em silêncio (AsiaNews, 1 de fevereiro).

Muitos observadores criticam, também, o presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono (conhecido apenas como SBY). Segundo Hasani, do Setara Institute, o presidente finge não ver as violações da liberdade religiosa no país. Durante um encontro com representantes da Igreja, o líder declarou com orgulho, no último 21 de janeiro, que durante a sua administração não tinha havido sérios abusos contra os direitos humanos. “Pelo contrário”, afirmou Hasani: “Não houve iniciativas ou progressos significativos para superar os abusos que a Igreja enfrentou” (Compass Direct News, 3 de fevereiro).

Os últimos acontecimentos obrigaram o presidente a reagir. O ministro de Assuntos Políticos, Legais e de Segurança, Djoko Suanto, difundiu um comunicado de Yudhoyono. “O presidente denuncia o ato anárquico perpetrado por um grupo de pessoas que atacaram lugares de culto e outras estruturas em Te Mang Gung”. A polícia de Java Central recebeu a ordem de identificar os responsáveis e levá-los aos tribunais. Segundo o Jakarta Globe, a polícia prendeu nas últimas horas o primeiro suspeito.

Paquistão: jovem cristão é assassinado por patrão muçulmano


Obtido pelo Zenit
Temor diante da abolição do Ministério para as Minorias

ROMA, sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011  O abuso e a violência contra cristãos no Paquistão não param. Desta vez, a vítima foi Imran Masih, um jovem cristão do Punjab, torturado e assassinado por seu patrão, um rico fazendeiro muçulmano.

O que aconteceu foi denunciado à agência Fides pela All Pakistan Minorities Alliance (APMA), uma organização que trabalha para proteger os direitos das minorias.

"Estes episódios ocorrem em um contexto de discriminação social e religiosa, em que os ricos muçulmanos acreditam que podem dispor da vida dos cristãos, que são os últimos na escala social; são tratados como objetos e são vítimas indefesas das violências", declarou a organização.

Imran Masih, de 24 anos, residente na aldeia de Nut Kallan, tinha sido contratado há dois anos como motorista de Mohammad Masood, um rico proprietário de terras no distrito de Gujranwala, no Punjab.

No sábado, 5 de fevereiro, Imran não foi ao trabalho por motivos de saúde. No dia seguinte, no seu regresso, ele foi espancado e torturado até a morte.

Masood e seus cúmplices entregaram o corpo de Imran ao seu pai, Lal Masih, também empregado na mesma fazenda, explicando que o jovem havia cometido suicídio.

O pai não acreditou nesta explicação e, diante dos sinais evidentes de golpes no corpo do filho, foi até a delegacia para denunciar o assassinato.

A polícia local tentou convencê-lo a não registrar a queixa e só depois da intervenção dos ativistas da APMA, que organizaram uma manifestação pública em Gujranwala, bloqueando as ruas, foi oficialmente registrada a acusação de homicídio contra Mohammad Masood e dois cúmplices.

"Em casos como este, podemos constatar o silêncio das autoridades civis - explicaram fontes da Fides no Paquistão. Nós nos sentimos como cidadãos de segunda classe."

"A figura do ministro federal para as minorias religiosas é útil para a comunidade cristã, para poder ter um interlocutor do governo e para chamar a atenção nacional sobre as condições das minorias religiosas. Por esta razão, queremos que o Ministério não seja abolido", disseram eles.

Após a renúncia do governo de Raza Gilani, espera-se a formação de um novo governo com menos ministérios. Provavelmente se abolirá o Ministério para as Minorias, que se transformará em um departamento do Ministério de Assuntos Religiosos.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

O dia em que árabes e judeus se uniram contra um mesmo inimigo



O curta israelense Strangers (2003), de Erez Tadmor e Guy Nattiv, é tensão do início ao fim. Tudo começa quando um judeu entra no vagão do metrô e percebe a presença de um árabe, provavelmente muçulmano — a julgar pelas fotos dos protestos que estampam o jornal que ele lê. Para marcar a sua diferença com o árabe, o judeu exibe a estrela de Davi. Mas os dois terão que ultrapassar seus preconceitos quando skinheads chegam no vagão.




Governo faz corte no orçamento e no mínimo, mas abastece o Bco Panamericano?


Espera aí!!!!

Deixa eu ver se entendi....

O governo bate nas Centrais que reivindicam um pequeno aumento do salário mínimo, para R$ 580,00,  quando aceita só R$545,00, de repente vai dar R$ 10.000.000.000,00 para o Banco Panamericano, aquele do golpe de R$ 4.500.000.000,00.

Então o corte no orçamento vale só para os pequenos, porque os grandes continuam usufruindo das benesses do governo dos "trabalhadores".

Leiam o artigo abaixo obtido da Folha, e não se escandalizem.

A caixa comprou uma empresa cheia de fraudes e nem percebeu.

Agora vai investir para esconder, e tentar retomar à longo prazo, aquilo que por incompetência perdeu.

Parabéns Banco Central!!!

Magnífico!!!!!!


Caixa confirma injeção de até R$ 10 bi no PanAmericano


A Caixa Econômica Federal se comprometeu a colocar entre R$ 8 bilhões e R$ 10 bilhões para garantir o funcionamento do Banco PanAmericano.

Segundo a presidente da Caixa, Maria Fernanda Coelho, esse aporte de recursos virá, principalmente, na forma de compra de carteiras de crédito do antigo banco do grupo Silvio Santos.

O objetivo é garantir a captação de recursos com um custo baixo para viabilizar as operações de crédito do PanAmericano, que teve um rombo de R$ 3,8 bilhões.  (não é dinheiro do contribuinte para resolver fraudes?)

Não há um prazo definido para o dinheiro chegar; será diluído em médio e longo prazos, segundo a presidente da Caixa.

"A Caixa tem o compromisso de dar o suporte necessário para que o PanAmericano execute muito bem suas atividades. (espera aí!!!, a Caixa tem metade do Bco Panamericano, mas vai dar o aporte sozinha, de 10 Bilhões? E o Pactual, fica se beneficiando de tudo, sem nenhuma contribuição? Aí tem coisa...)

A expectativa é muito positiva em relação ao parceiro [BTG Pactual] e ao estudo que fizemos para ampliar nossa capacidade de atendimento e de negócios nessa parceria", disse ela.

A presidente da Caixa disse ainda que procurou o TCU (Tribunal de Contas da União) para oferecer ajuda técnica na investigação sobre a compra do PanAmericano.

A Caixa pretende ainda processar as firmas de auditoria que não encontraram o rombo de R$ 3,8 bilhões nas contas do banco (Terceirizem, terceirizem..).

De acordo com o vice-presidente de Finanças do banco, Marcio Percival, são alvo do processo administrativo, que pode evoluir para uma ação judicial, a firma de auditoria KPMG e o Banco Fator.

Segundo Percival, a Delloite --que fazia auditoria do balanço do Panamericano-- não é alvo de processo administrativo pela Caixa. (Ué??? se a Delloite fez o balanço do Panamericano, porque não será também investigada...estranho...sinistro...)

Toni Sciarreta
de São Paulo
Folha de S.Paulo


Renuncia de Mubarak não deve esvaziar movimento popular

Contrariamente ao que pensei, o movimento social no Egito recrudeceu, e num esforço maior, forçou a renúncia de Mubarak.

Agora novas bandeiras devem ser levantadas, como a de forçar um comitê independente para preparar eleições, lutar por um governo provisório composto pelas forças presentes no movimento, sem excluir as forças armadas, que se mantiveram incólumes durante todo este período, auditar o governo anterior, julgar os crimes cometidos e casos de corrupção e de riqueza ilícita de mubarak, que também deve ser julgado.

Parabéns ao povo egípcio.

A miséria não será erradicada no Governo Dilma

Basta uma caminhada pelo centro de São Paulo pela manhã, tipo 9:00 hs, e vocês verão a quantidade de pessoas dormindo nas ruas, entre estes uma grande quantidade de jovens.

E o governo fazendo uma política de arrocho salarial e liberalidade com a inflação, o resultado pode ser antecipado desde já: é uma falácia dizer que a miséria será erradicada seguindo-se estes passos neoliberais.

Por isso é bom não se iludir, porque a situação de miséria continuará e talvez até aumentará, a seguir esta toada de viagem de manada.

E o Lula deveria estar dando mais conselhos à Dilma, do que apoiando politicas econômicas neoliberais e antipopulares.

E logo no aniversário do PT?

Lembro-me, logo que o PT surgiu, que o saudoso João Amazonas referiu-se ao PT como uma serpente que entrava no movimento popular, para tirá-lo do caminho do socialismo e para enfraquecer os comunistas, e duraria muito tempo até esta situação ser desmascarada.

Sábias palavras, então.

Roubo imobiliário

Estes dias interessei-me, eu sexagenário, por um pequeno apto em Cerqueira Cesar, Bairro vizinho à região da Paulista em São Paulo.

O imóvel anunciado ainda na planta é uma boa oportunidade para se pagar menos do que um já em fase final de acabamento ou mesmo já pronto.

Como o preço não estava anunciado inquiri à corretora que me informasse o ser respectivo preço.

E foi com a maior naturalidade que ela respondeu-me dizendo que na região o m2 estava em torno de R$ 10.000,00 o que resulta num apto de R$400.000,00 de 40 m2.

Dá para entender o que está acontecendo com o Brasil?

R$ 400.000,00 por um imóvel de 40m2.

Vai dormir com esta.

Presidente do Bco Central encobriu golpe do Bco Panamericano

Deplorável o "arranjo" que o Presidente do Bco Central fez, para encobrir os próprios erros da Caixa Federal, que adquiriu metade do Bco Panamericano e não percebeu os golpes que eram feitos às suas barbas, que chegam a 4 Bilhões.

Quem pagará este imenso desfalque? O povo brasileiro? Em meio a tanto corte no orçamento(menos dos salários dos parlamentares e executivos e judiciários), como passa reto este golpe?

O Presidente do Bco Central deve ter uma visão mais voltada ao interesse público e social.

O apresentador Silvio Santos está saindo bonito, jogando dinheirinho de aviãozinho.

São dois pesos e duas medidas. De alguns bancos "menores", o governo intervém, para mostrar que tem poder (mas na verdade defende grupos dominantes de banqueiros), com dívidas bem menores que a do Panamericano; e de outros bancos, o governo os defende até esconder da opinião pública sua própria ineficiência.

O PanAmericano só recebeu o socorro extra de R$ 1,3 bilhão depois que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, veio em viagem de emergência da Suíça para São Paulo e pediu aos principais banqueiros do país "uma solução de mercado" para o rombo, informa a reportagem de Mario Cesar Carvalho e Leonardo Souza publicada na edição desta sexta-feira da Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).


Os banqueiros, representados pelo Fundo Garantidor de Créditos, não queriam dar mais dinheiro a Silvio Santos porque sentiram-se enganados por ele -já haviam emprestado R$ 2,5 bilhões em novembro e receberam como garantia bens e empresas que não atingiam esse valor.

Uma das sugestões do fundo era que o PanAmericano fosse submetido a um regime de administração especial, pelo qual seria possível tomar algum patrimônio de Silvio e processá-lo pela quebra do banco. Sem esse tipo de intervenção, é remota a possibilidade de incluir o apresentador no processo porque ele não tem cargo no banco.

A reunião de emergência na qual se selou o destino do PanAmericano aconteceu no último dia 30, um domingo, no prédio do Banco Central em São Paulo, na avenida Paulista. Lá estavam Lázaro Brandão e Luiz Carlos Trabuco (respectivamente, presidente do conselho e presidente do Bradesco), Fábio Barbosa (presidente do Santander), Gabriel Jorge Ferreira (presidente do fundo) e Antonio Carlos Bueno (diretor da entidade).

Tombini argumentou que a intervenção do BC poderia causar danos muito maiores ao sistema bancário do que o prejuízo de mais de R$ 3 bilhões que o fundo assumiria. Uma ação da autoridade monetária levantaria suspeitas sobre a saúde financeira de outros bancos, o que poderia gerar uma onda de saques.