sexta-feira, 30 de julho de 2010

AS ESTRUTURAS DO MAL - Quando as pessoas de poder perseguem os mais fracos



Tenho vivenciado, como profissional e consultor as mais diversas situações em diferentes empresas. Quero destacar neste caso a questão de como o mal pode  acabar penetrando fundo em uma organização, sem que se possa impedir, a ponto de contaminar o todo, ou grande parte do organismo institucional.

 Fala-se muito de "Visão da empresa", ou de "Filosofia de trabalho", quando se quer expressar a forma que se deseja incutir nas pessoas da organização o que consideram importante e representativo daquela instituição.

Deve-se ressaltar que, uma coisa é o que se deseja, e outra o que realmente acontece.

Sim, porque estou cansado de ver plaquinhas de "missão da empresa" exposta nas recepções destas, e basta um pouco de convívio para se perceber que são palavras soltas, perdidas, afixadas na parede para enganar aos clientes e fornecedores externos, e a si próprios, o que é pior ainda. Provavelmente acharam que aquilo é moderno e um decidiu pensar por todos, porque a empresa é dele.

Há uma grande diferença, imensa, entre liderança pessoal, e liderança empresarial. Nem sempre esta diferença está à vista, confundindo-nos. Porque as pessoas mudam de papéis com facilidade, expondo, ora uma preocupação corporativa, e um envolvimento aparentemente profissional, e, quando menos se espera, agem intempestivamente, utilizando a estrutura de poder que têm em mãos para exercer pressão sobre seus subalternos, estressando a si e a todos.

É próprio do líder temperamental querer vozes uníssonas, submissas, concordes. Impõe seus pensamentos, e obrigam os demais a se enquadrar no esquema. Não aceita a diferença, não aproveita as críticas, não enxerga a variedade e a disponibilidade de talentos, que jamais serão conformes, porque o mundo é cheio de novidades, e cada pessoa tem uma dimensão particular própria, que deve ser considerada, respeitada. É uma caracterísitca da vida. Não existem dois seres viventes iguais, graças a Deus.

Estes líderes, muitas vezes, quando experimentam o poder, tornam-se ambiciosos e prepotentes. Mas, como não conseguem novas fatias de poder, que é o que mais sonham, voltam-se contra os pequenos que lhes cercam, e imprimem-lhes uma voraz perseguição. Deixam-se levar pelo ódio, inveja, ciúmes. Não conseguem aceitar opiniões destoante, que logo ficam inseguros.

Grande é o prejuízo para uma organização, ter este tipo de pessoa no poder. Ele coloca o cidadão perseguido em quarentena, depois, vai retirando suas atribuições, para enfim justificar sua ineficiência.

Estes falsos líderes acham-se perfeitos em suas loucuras e querem que os demais compartilhem suas injustiças com eles. Lógico, que todos irão concordar, senão entram na degola também. É a chamada paz dos cemitérios.

Existem não poucas chefias estas condições. Ao assumirem o comando das áreas, têm-se a impressão que são bons e humanos, sensíveis aos problemas e às pessoas, mas, dali a pouco, enfurecem-se contra os que pensam deiferente, e vão perseguindo e tecendo esta maldade em todo setor, depois no departamento, divisão, por fim a empresa como um todo está sob uma estrutura do mal, travestida de eficiente e organizada, mas com um pouco de observação notamos o quanto sufocante, e persecutória ela é.

Seus fucionários (neste caso o termo colaborador não se coloca) são silenciosos, falsos, dizem sempre o que o chefe deseja ouvir, se pressionados repetem a voz do comandante para sobreviverem. Comentam nos cantos a respeito da falta de liberdade de expressão, mas por uma questão de sobrevivência deixam o barco correr, fingindo que está tudo bem.

Organizações inteiras, e mesmo governos podem chegar a este estado de coisas. Quando se instalam, quando algumas pessoas cheio destas maledicências se tornam poderosas, fica difícil retirá-las, porque as organizações nunca respondem rapidamente para com os erros de seus representantes, que estão no comando. Assim, o mal se instala, e, como diz o povão "só por Deus mesmo". É ficar calado e esperar.

O que é melhor, viver sob este império do mal, ou sair e tentar contruir algo de bom, construtivo, solidário?

Bem, sou de opinião de que seguir a verdade, ser justo e solidário é o principal.

São as questões éticas que devem vir primeiro. Até para ser coerente consigo mesmo, penso que é preferível confrontar-me com tais estruturas, do que conviver falsamente com elas, e contaminando-me do satanismo organizacional.

Romper, ser você mesmo, é preferível.

Não faz mal que veham dificudades. Nossa cabeça deitará no travesseiro e dormiremos, por não termos prejudicado pessoas inocentes e frágeis, só para manter-nos no poder.

É o que faço.

Por isso sou consultor, e quando treino grupos digo assim.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

O MORIBUNDO DO TABOÃO


Estive hoje visitando um moribundo, na cidade do Taboão, por insistência de outro amigo, que afirmou-me que este estava já com a passagem comprada para o além. Amém!

Pediu-me que o acompanhasse, e fosse tocar violão ao lado de sua cama, pois acreditava que, ao estar sem reações e imóvel, ao ouvir a música e as canções...enfim, se algo pudesse ainda penetrar em seu inconsciente, seria através de cânticos e orações.

Assenti ao seu pedido e fomos. É um senhor de 90 anos, italiano, que viveu a vida toda na Região do Taboão. Participou muito em sua paróquia, de Santa terezinha, mas agora, na alta velhice, quem participa de seu finalmente? Poucos, muito poucos.

Reflito sobre a insensibilidade humana. Uma visita destas não seria um alto espírito socialista? Ou um alto espírito cristão? Ou religioso, seja de que religião for? Ou sismplesmente um espírito solidário?

Lembro-me dos anos de chumbo, quando fui, às escondidas assistir ao filme "Balada para um soldado", do realismo soviético, onde um soldado obtém uma pequena folga do front de batalha contra os nazi, e vai se defrontando com toda espécie de problemas e desvios de formação na sociedade russa da época, posicionando-se ante cada um destes. Eram casos de adultérios, roubos, abandonos. Por fim, ao chegar em casa, para rever os seus, só teve o tempo de consertar o teto e voltar ao front, para morrer.

Não será esta a nossa balada? Não estamos também num front, que deve ser temporariamente ignorado, para darmos conta da construção do novo humem?

Ao cantar para o moribundo, que nem sequer falava ou via, notei, que uma lágrima vertia de seu olho esquerdo. Agradeci a Deus a oportunidade por fazer algo que não gera salário, ou dinheiro, muito ao contrário, parece inútil e desnecessário. Não importa, uma alegria silenciosa aumentou em mim gratuitamente, respingo de graça.

Quantos moribundos não habitam em nós, que se recusam a olhar e se negam a ouvir, que esperam a morte, e não se dão conta da vida. O moribundo que visitei se justifica; seu sofrimento compõe um mistério de purificação que foge à minha compreensão.

Mas o moribundo  que tudo tem e foge do mundo, da verdade, que não se posiciona diante dos problemas da vida, que não defende seu povo, este é deplorável.

Merece a maior de nossa piedade, e nos deixam igualmente revoltados com suas ausências.

terça-feira, 27 de julho de 2010

NÃO ACREDITEM NAS PALAVRAS DE ALGUÉM COM MAIS DE 40 ANOS

Sou obrigado a reconhecer que o envelhecimento nos torna mais conservadores. Quando damos conta de nós mesmos, percebemos que estamos adotando idéias antigas, que antes renegávamos, principalmente, nos aspectos morais, pois na juventude tudo se arrisca.

Mas depois vêm os aspectos políticos, e depois os materiais. Por fim, termina com aquela pessoa ranzinza, com a qual temos dificuldade de conversar, que perdeu toda a flexibilidade em ouvir e aceitar os outros como são, permanecendo obstinado em querer forçar o outro a enquadrar-se no seu mundinho falsamente perfeito e inodoro.

Tenho um amigo que vez por outra visito. Ele assumiu a liberdade de se fechar em casa. Sim porque temos a liberdade de nos fecharmos e de nos abrirmos, e são duas dimensões muito diferentes, que refletem na forma de ser da pessoa como um todo.

Quando chego lá, o máximo que consigo é dirigir-lhe palavras básicas, como "tudo bem?" e "Como vai?". À partir daí, devo tomar todo o cuidado de não conversar mais nada, pois o confronto é inevitável: nada de discussões de notícias dos jornais, nada de religião, ou programas de televisão. Acaba ocorrendo um silêncio de cemitérios, porque o cheiro de morte antecipada é presente.

Quando saio de sua casa, carrego o peso da contenção, e preciso ter equilíbrio para não descontar em alguém este desperdício de vida que assisti, em formas irracionais como a que estava sujeito. São coisas da vida. Escolhemos o que queremos, mesmo que seja algo necrófilo.  Schopenauer diz que o instinto de morte é como um prazer pela excreção. É muito prazer pelo fedor.

Em minhas reflexões busco quebrar os paradigmas que vão se incrustrando em meu ser, e deixar aberta a mente como se nada soubesse, só para ficar inseguro com a novidade e deliciar-me com as criações que o mundo proporciona, através das pessoas, mas tenho que reconhecer que vez por outra me pego em alguma formulação quadrada

Manter a alegria nestes casos é fundamental. Aceitar que erramos também nos traz uma saudável humildade.  Aprender a aprender é o segredo

até mais.
JP

segunda-feira, 26 de julho de 2010

FÉRIAS E ALIENAÇÃO, UM FENÔMENO COMUM

Os amigos do Pó das Estradas devem ter estranhado a ausência deste pó, que esteve em outras paragens "esquecendo-se da vida", sem escrever, como podemos dizer...em férias. Sim, ,fui para Ubatuba, pequena cidade litorânea do norte paulista, que nas temporadas é estuprada pelos visitantes provindos de São Paulo, interior, e Vale do Paraíba(principalmente Taubaté).

Digo estuprada porque o número de habitantes praticamente triplica, e isto provoca uma revolução profunda no "modus vivendi" da população local. Mudança violenta no consumo, alterando preços de produtos em proporções razoáveis, para equiparar aos preços dos grandes centros, afetando o orçamento de todos os moradores da cidade, que não tem nada com isso.

Alterações morais, porque a cultura pós industrial é voraz e amoral, enquanto a cultura de folk ali presente, é extremamente religiosa, com forte tradição (a Festa do Divino lá, que acompanhei por duas semanas, tem 144 anos - acreditem se quiserem), e conotações evangélicas recentes, mas com grande influência na população, tendo eleito o prefeito local, que conseguiu criar tal confusão na sua gestão que acabou por ter de mudar-se para São José dos Campos (não mora mais na própria cidade).

Lá os evangélicos pensavam que com uma liderança deles na prefeitura, "Ubatuba seria do Senhor Jesus". Agora, percebem, que eles são também como aqueles que eles criticavam, e que somos realmente muito parecidos, com acertos e falhas. Agora devem reiventar nova fórmula para justificar o assédio, ou porque não, a "idolatria" do poder.Entretanto, isto mostra a faceta de isolamento que aquela sociedade local tem.

Tudo isto se transforma nas temporadas, alterando significativamente a vida local; mas paradoxalmente, o turista traz receita para a cidade. Assim, é o caso de engulir as diferenças e fingir que nada está acontecendo, porque, ruim com eles, pior sem eles.

Por sinal, Julho é, vamos dizer assim uma baixa temporada, com menos turistas. A maior parte vai para Campos do Jordão, clima de serra, estas coisas, e o litoral fica relegado. Mas, para quem esteve em Ubatuba, como eu,  foi a glória pois andei de bicicleta todos os dias. Vocês sabem o que é buscar pão de manhã, de bicicleta? E o silêncio da noite, na hora de me recolher, sem nenhum ruído escapando pelos vãos das nossas janelas urbanas? Até o meu cachorro ficou mais tranquilo, e olhe que é um pitbull. Ainda existe um Brasil preservado e graças a Deus, esquecido neste emaranhado de gente, perdão,  pessoas. Gente é o que Fernando Pessoa procurava.

Durante toda a temporada tive a sensação de que a cidade estava vazia. Entretanto, ao tomar o ônibus para voltar para Sampa, qual não foi minha surpresa ao defrontar-me com um baita congestionamento na Dutra. Perguntando, com estranheza ao motorista, o motivo de tal movimento, este disse-me que Ubatuba é uma cidade muito espalhada, que não fornece uma visão real de quantas pesoas estão por lá. Concordei. Já não cabe mais gente em lugar nenhum. São Paulo sai de feriado, e não esvazia mais, esta é a verdade.

Em minha memória, lembro-me do falecido General Zerbini, meu padrinho de casamento, que dizia ter montado tocaia com duas metralhadoras, na entrada do pequeno porto de Ubatuba, e assim ter frustrado a entrada de tropas federais, quando da revolução de 32. Sabem quem estava com ele na ocasião? Seu colega Assis Brasil, que viera do Rio Grande do Sul para ajudá-lo. Tornou-e ministro da Guerra de Jango, e morreu pobre, fiel até o fim. Dizem que devolveu a aposentadoria a Castelo Branco.

Chegando em Sampa deparei-me novamente com a gritaria das pessoas, e a indiferença (ou precaução?) com as provocações que ocorrem no metrô. Cada um na sua, terra de ninguém. Foi-se rapidamente a paz que havia conquistado a preço de ouro. Paciência, somos da confusão da metrópole.  Vamos que vamos.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

MEU QUARTO LIVRO DE POEMAS: "GOTA SERENA"

Convido aos amigos e inimigos, aos revolucionários e aos reacionários, aos púdicos e aos depravados, os de linha reta e os das encruzilhadas, para o lançamento de meu quarto livro de poemas "GOTA SERENA", na Bienal do Livro, no stand da Scortecci, no dia 14 de agosto, sábado, das 16:30 às 19:00 hs, na 21 Bienal do Livro de São Paulo, Pavilhão de Exposições do Anhembi, avenida 1 com rua m.  Conto e verso com todos. JP

MAIS PERSEGUIÇÃO AO POVO DE RUA

PASSO AOS AMIGOS O ABSURDO DE MAIS UMA PERSEGUIÇÃO AO POVO DE RUA E PEÇO QUE DIVULGUEM O MAIS QUE PUDEREM PARA ASSEGURAR QUE A TRUCULÊNCIA DA POLÍCIA METROPOLITANA E O DESVAIRIO DE QUEM GERE A PREFEITURA PARE IMEDIATAMENTE E SEJA PRESERVADA A "SEGURANÇA" QUE SOBRA AO POVO DA RUA DE PODER DORMIR NAS CALÇADAS.


FW: Enc: A BURRICE,INSANIDADE,ESTUPIDES DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE SÃO PAULO DO SENHOR EXCELENTÍSSIMO PREFEITO GILBERTO KASSAB.


EntradaX





Responder


wesley francisco para gabinetese, gracoca, adm.gcmse, csucorregdtpci., heldercamara, ia.queiroz, iilucitalind, inessumie, ipossatto, itrindade, izaakvaidergorn, irandreiaolive., inezkaki, jovanil, mim, jukisjuju, janaina797, joli_, julia_stva100, kekeel, kenosisricardo, kleber_napoli, klfiae, k_iti, kaie_p, kakauzinha100

mostrar detalhes 15:29 (1 hora atrás)













Date: Thu, 15 Jul 2010 11:08:04 -0700

From: wesley39000@yahoo.com.br

Subject: Enc: A BURRICE,INSANIDADE,ESTUPIDES DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE SÃO PAULO DO SENHOR EXCELENTÍSSIMO PREFEITO GILBERTO KASSAB.

To: wesley39000@hotmail.com







--- Em qui, 15/7/10, Wesley Francisco Da Silva Francisco escreveu:





De: Wesley Francisco Da Silva Francisco

Assunto: A BURRICE,INSANIDADE,ESTUPIDES DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE SÃO PAULO DO SENHOR EXCELENTÍSSIMO PREFEITO GILBERTO KASSAB.

Para: acaosocial@oabsp.org.br

Cc: adm.gcmse@gmail.com, csucorregdtpcifd@prefeitura.sp.gov.br, gabinetese@prefeitura.sp.gov.br, direitos.humanos@oabsp.org.br, inclusaosocial@mp.sp.gov.br, fidelidadejustica@gmail.com, ouvidoria@dpesp.sp.gov.br

Data: Quinta-feira, 15 de Julho de 2010, 14:35





artigo 5º CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL

inciso X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;



Rapazeada da Guarda Civil Metropolitana de Sâo Paulo, Boa Tarde!!



Ao Tirar fotos das pessoas que estão em situação de rísco, ou de rua , os senhores estão violando o artigo 5º da Constituição Federal do Brasil, estão abusando de sua autoridade que é límitada, descabida e irresponsável etc....

Apontarem duas armas calíbre 38 trinta e oito, na direção de moradores de rua que estão sendo constrangido, humílhados na sua dignidade, intimidade e imagem, sem a sua devida autorização, ainda que um ou dois moradores tenham demostrado uma reação "VERBAL" de indignação!!! A ATITUDE DOS SENHORES DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE SÃO PAULO, FOI DE ESTUPIDEZ, e de extrema BURRICE!!

Esses fatos aconteceram ontêm à noite dia 14/06/2010, por volta das 21hrs00 vinte e uma horas, e Eu Wesley francisco da Silva rg 19.232.979-0 estava observando o comportamento dos meliantes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo, que estavam (sem uniforme), a informação que eu obtive, é que eram pessoas da propria Corrêgedoria da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo.(dois homens e uma Mulher)

Realmente os Senhores da Guarda Civil metropolitana de São Paulo estão surtando!!!!

TRATAR QUESTÕES SOCIAIS COMO CAUSO DE POLÍCIA, É DE UMA LOUCURA, INSANIDADE, ESTUPIDEZ SEM PRECEDENTES.

Eu até agora não entendo como os senhores e senhoras da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo saem de suas residências para prestar um serviço desses para a Sociedade Paulistana.

ISTO É UMA VERGONHA!!!!!

Bem, vou me despedindo, mas antes estou lhe enviando dois presentes, o primeiro é a minha foto, assim vocês não precisam irem lá na rua anchieta tirar fotos.

O segundo,ah.....eu não tenho maquina digital para bater fotos, MAS TENHO INTELIGÊNCIA SUFICIENTE PARA FAZER MONTAGÊNS DE FOTOS, É ESSA AQUI É PARA VOCÊS!!!!!

TENHAM A BONDADE DE ABRIR E VÊR. SORRIAM VOCÊS ESTÃO LINDOS!!!!



Um grande abraço de coração aos meus amigos da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo, respeito vocês, mas gosto tambem de ser respeitado, já disse mais de uma vez ai dentro da corrêgedoria, que eu não vou na casa de nimguem, de nenhum dos senhores (as) fazer o que vocês estão fazendo nas ruas de São Paulo.

Atentar contra a dignidade de uma pessoa (as), seja ela quem fôr, é desumano!!

O SENHOR PRECISA REVER ESSA POSTURA , COMANDE JOEL MALTA DE SÁ.

O meu abraço ao senhor, e o meu respeito, fiquem com Jesus Cristo hoje e sempre nos seus corações e nos seu Pensamentos



Paz e Bem

Wesley Francisco Da Silva

rg 19.232.979-0



OLHA SÓ QUE LINDO OS PROCESSOS SÓ VÃO AUMENTANDO!!!!! UH..........



Prezado Senhor Wesley Francisco da Silva







De ordem do DD. Promotor de Justiça de Direitos Humanos, o Exmo. Senhor Doutor Eduardo Ferreira Valerio, comunicamos a Vossa Senhoria que as suas Representações enviadas ao Ministério Público do Estado de São Paulo, via endereço eletrônico e registradas nesta Promotoria de Justiça de Direitos Humanos - Área de Inclusão Social,sob nº 149/10 (SMA nº 43.725.232.10), nº 159/10 (SMA nº 64.725.254/10) e nº 161/10 (SMA nº 43.725.274.10) , foram juntada/apensadas nos autos do inquérito civil nº 14.725.0132/10 (SIS), instaurado para apuração do mesmo objeto de suas representações.



Atenciosamente,





Secretaria

Promotoria de Justiça de Direitos Humanos

Área de Inclusão Social

Rua Riachuelo, 115 - 1º andar - sala - 151 - centro - S. Paulo - SP

CEP - 01007-904 - Fone/fax: 11 - 3119-9262/9263

sábado, 10 de julho de 2010

UMA CAPA DE PRECONCEITO SEPARA O CIDADÃO COMUM DO POVO DE RUA




Barba crescida, roupas velhas e sujas, carregando sacos de restos de toda sorte de lixo deixado pelas ruas, envolvido em cobertor barato: estas são algumas das características visuais do povo de rua.

A relação pode ser ainda maior: sem higiene e às vezes exalando fedor, pois não existem locais onde possam fazer suas necessidades, devendo procurar pontos pouco frequentados(escadas de pontes, praças, jardins, etc) para urinar ou defecar(os bares não permitem).

Banhos, nem pensar, só quando arrumam alguma abrigo e olhe lá. 

Bem, esta é uma capa social que faz o "cidadão" ter aversão a qualquer contato com o povo de rua. Em sua cabeça são geradas as idéias mais malucas, considerando os abandonados como "vadios", "vagabundos", "desocupados", indo em direção a "bandidos", " assaltantes", "tarados", "viciados", etc.

Tenho que discordar deste tipo de visão. O povo de rua é o lado real de nossa sociedade brasileira, o lado discriminador, egoísta, distante, frio. Porque há uma mini sociedade de rua, onde cabem todos os tipos, como na macro sociedade.

Tem profissionais de nível superior e analfabetos, trabalhadores e desempregados, drogados e abstêmios, loucos e sãos, ateus, espíritas, católicos e evangélicos.

Mas tem algo escondido, que só pode ser descoberto se for rompida esta capa de preconceito.

São pessoas como qualquer um, cheios de humanidade, de esperança e fé, com opiniões políticas e religiosas, muito conhecedores da bíblia, mais do que os pregadores que por aí aparecem trocando refeição por conversão, o que é muito frequente(para comer às vezes tem que orar na fé daquele crente).

Vamos superar nossos olhos cegos e lembrarmo-nos de que Jesus nos lembra que o Pai manda buscar as pessoas que estão nas encruzilhadas(muito interessante esta simbologia) para a sua festa, porque a maioria está ocupada com outras coisas(que não a Deus e a solidariedade).

Que o povo de rua não perca a rua, porque na África do Sul lhes reservaram um bairro de lata na periferia, durante a Copa do Mundo. Devem achar feio mostrar mendigos para os turistas. Como se não tivessem nada a ver com isto.

Marilena Chaui e a Filosofia

"Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes." (Marilena Chaui)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

O QUE A DERROTA NA COPA E UM ASSASSINATO BÁRBARO TEM EM COMUM






É, o Brasil está mudando rapidamente. Ouvimos falar do desenvolvimento recente, de nosso "país emergente", com novas oportunidades, mais emprego, o surgimento de uma nova classe média. Isto é bom; porém em se falando em avaliação, devemos lembrar também que tudo tem seu lado positivo e seu lado negativo. Quero analisar o lado negativo, sem querer ficar no lugar comum, de oposicionista que não sou. Falam que o time do Dunga não tinha características criativas e brincalhonas, sem inovação e sem talentos. Isto é verdade, mas porquê? Penso que este desenvolvimento que ocorre no país está provocando uma perda de identidade cultural, substituída por uma europeização e uma americanização culturais. O time quadradinho do Dunga é bem esta devastação: jogadores comportados, sem irreverência, com linguagem oficial, sem abalar ninguém, num puxassaquismo de dar dó. O Robinho é um destes polidos faladores, mas o discurso é geral, e ai de quem falar contra - zapp, é cortado! Só que este problema não é só da seleção; excetuando-se o Santos, tenho a tristeza de afirmar que esta destruição cultural e moral é geral em todos os times. O jogador não fala mais, mas sim o treinador, que é a grande vedete, como se ele fosse o responsável pelas vitórias. Assim conhecemos o lado formal do jogador, sempre estampado na imprensa, mas nunca conhecemos o lado real, o lado obscuro de nosso desenvolvimento, o lado que tem relações sexuais abusivas e descoordenadas, e os exemplos são muitos. Um jogador não soube (sic) sequer deferenciar travesti de mulher. Apenas quando já estava no motel descobriu a "confusão".  Papai Noel também acreditou. A desconvocação de outro jovem talento brasileiro jogando na Itália, parece ter a ver com caso de "vaca na linha" como diz o homem da roça. O imperador, coitado, nem pode subir no morro para uma festa funk, não é um disparate. contam que uma mulher foi amarrada num poste, mas ainda bem que nada foi provado. Ora, então, por trás de grandes figuras grandes convulsões  morais, sexuais, culturais. Não era de se esperar que algo viesse acontecer, de mais grave? Esta barbárie de se esquartejar uma mulher e dar as mãos para os cães comerem, e a derrota da seleção são parte de um mesmo sinal: estamos deixando de ser aqueles brasileiros felizes e francos, e estamos adquirindoa as neuroses dos crimes irracionais das grandes potências. Não mais batedores de carteiras baratos, não mais crimes "comuns", se pudermos falar assim. Não,  existe uma modernidade bestial, sem limites, afrontando o Brasil da paz. Esta barbárie quer tornar a droga algo normal, quer eliminar símbolos religiosos, quer dividir opiniões, quer riqueza a qualquer custo. Agora chegamos a um ponto que governo e opositores devem se unir para levantar a bandeira de um Brasil sem violência, um Brasil justo e sem viloência, principalmente contra a mulher, que sofre calada de medo. Basta de tanta violência, e de exploração da violência, viu dona Record e senhor Datena? Não instiguem! Não queiram converter as pessoas com base na violência. Jesus Cristo é referência mais que suficiente, por si só. Povo brasileiro, coragem, denunciem a violência e levantes a voz em defesa da paz !

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Como na África do Sul aqui em 2014 os pobres serão expulsos da rua

Esperem e verão. Não vai demorar muito, e arranjarão um jeito de expulsar o povo da rua para um bairro albergue, para evitar do mundo ver nossos pobres e descobrir nossa realidade de abandono. Na África do Sul jogaram os mendigos em um bairro de containers na periferia de Pretória. Deplorável. esperamos que respeitem pelo menos e direito de dormirem na rua, quando vier a Copa para cá

A Derrota para a Holanda nos Resgata a Humildade

Deus nos fala de inúmeras formas. Uma delas é através dos acontecimentos. Estamos numa fase do país em que descobrimos que já somos uma grande nação, em franco desenvolvi,mento. Somos Penta campeões, com o "melhor futebol do mundo". É vaidade em cima de vaidade. Esta história de ser brasileiro com muito orgulho foi o que levou à ilusão da vitória. Por isso doeu a derrota, porque nos falta humildade em reconhecer que o outro era melhor. Perguntaram ao Dunga, se ele não tinha um plano para o caso de se defrontar com uma situação de placar desfavorável. Ele respondeu que nunca cogitou numa situação de perder.  Soberbo! Então concluimos que foi bom perder, para desmistificar o zangado do Dunga, por   exemplo. Fico pensando se ganhássemos o título, como não seria complicado cruzar com o Dunga por aí. Teimoso, avesso a craques, moralista, criador de equipes fechadas, sem autocrítica, briguento...estes seriam os valores que estariam sendo vendidos como exemplo padrão. Foi bom perder, porque agora podemos discutir as eleições...eleições? não seria outro circo como o do futebol? com suas vaidades e falsos orgulhos? espero que não, mas...nós vamos de acontecimento em acontecimento, e Deus aguarda pacientemente a sua vez. Sou eu agora! Desperta! oh, não lá vem outro acontecimento, e ficarei mais um tempo esquecido. Estou aqui, no mendigo, na criança abandonada, no idoso jogado na rua...e passamos ao lado sem reconhecê-lo.